Nossa humanidade está nas sombras. Mas verá a luz

Olhar a magnífica foto de Miguel Schincariol, da Agência France Press, de um enterro no cemitário de Vila Formosa, em São Paulo, escolhida pela Folha como ícone deste dia dos 300 mil mortos da Covid não pode deixar de evocar o Mito das Cavernas, em que Platão descreve o diálogo entre Sócrates e Glauco, onde se imagina um grupo de seres humanos que, retirado para uma caverna da qual jamais sairiam, começa a imaginar que as sombras que vê projetadas no exterior do buraco em que estão metidos são os próprios objetos reais.

Dá para pensar no que fizeram ao povo brasileiro nestes anos, em que só podemos observar a vida através das imagens distorcidas que nos vêm pela mídia, que nos fizeram descer à caverna pré-histórica do barbarismo em que o país vive hoje, aceitando bovinamente que lhe morram mil, dois mil, três mil de seus pais, avós, filhos, irmãos.

A certo momento do diálogo, Sócrates pergunta a Glauco se a quem é levado a ver as coisas como são de fato “o forçassem a olhar para a própria luz, não achas que os olhos lhe doeriam, que ele viraria as costas e voltaria para as coisas que pode olhar e que as consideraria verdadeiramente mais nítidas do que as coisas que lhe mostram?”

De alguma forma, é o que acontece com certa parcela da classe média, que ascendeu nos governos petistas mas, debaixo da propaganda da mídia e por sua natureza discriminatória, não conseguiu ver que um país era melhor sendo para todos (ao menos para a maioria) e desejou a volta de um passado que jamais houve, onde havia um idílico ambiente de segurança, que jamais existiu, mas que fabulava ser possível com “mais polícia”, porque afinal os pobres não são, como eles, gente.

Ali, na foto de Miguel, os pobres, pessoas reais, são pinos achatados, peças, pontos, podem ser numeradas sem seu perfil humano. É nas sombras que projetam, no vulto em que a luz lhes há humanidade é que transmitem a grandeza e a dor com que acompanham a vida que se vai ali.

Pois somos todos, hoje, sombras, porque estamos impedidos de sair ao sol da rua, de nos agigantarmos, de lutarmos contra a mentira, a maldade, o genocídio.

Na noite mais escura da pandemia até agora, lembremo-nos da luz.

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *