Nova “volta dos que não foram” evidencia o governo sem governo

A “tuitada” de Jair Bolsonaro mandando desfazer a portaria que retirava do Simples e jogava na informalidade meio milhão de pessoas que, segundo os dados do Sebrae, exerciam as profissões impedidas de serem classificadas de microempreendedores individuais (Mei) é só mais um dos factóides de um governo que vive de produzi-los, na falta de ações concretas na economia.

O resumo é perfeito num dos que responderam a seu twitter: “a incrível história do presidente que forja atitudes populares anulando decisões impopulares que ele mesmo havia tomado.”

Lembrem-se que José Tostes, chefe da Receita Federal, que a assinou e vai “desassiná-la” está no lugar do tal Marcos Cintra, que “dançou” por uma destas, só que defendendo a CPMF.

É evidente que ninguém toma uma medida deste vulto sem o aval de seu chefe, no caso, Paulo Guedes. Conversa fiada esta de que a medida o surpreendeu, bem como à equipe econômica. A menos que tenha nomeado um louco irresponsável para dirigir a Receita.

Como não foi “acidente” excluírem a obrigação de contratar pessoas com deficiência e muito menos o balão de ensaio de anunciarem a reoneração em impostos dos artigos de consumo integrantes da cesta básica.

Nenhuma destas medidas, é claro, vai ser implantada e, ainda que fossem, não teriam efeito fiscal significativo.

É apenas o “bate -cabeça” de quem não tem rumo e que se contenta com voos de galinha de crescimento de consumo por conta de liberação pontual de recursos do FGTS (como antes, do Pis/Pasep) que poderiam gerar renda estruturada, por exemplo, se estivessem investidos em saneamento ou construção civil.

Depois, como cobrar coerência de autoridades econômicas que acenam com benefícios do dólar alto e do AI-5 e, a seguir, mandam corrigir um “errinho” de US$ 6 bilhões na balança de pagamentos?

A credibilidade do governo Bolsonaro, também nos meios econômicos, foi a perto de zero.

País algum pode ter vida fiscal saudável se mais da metade de suas força de trabalho está na informalidade. Ainda mais se o governo, senão com esta medida que se abortou, mas com outras em andamento, os empurra para lá.

 

 

 

 

 

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

11 respostas

  1. Rai International
    Ultim’ora
    Brasile attacco contro indigeni amazzonia 2 morti e 2 feriti

    Prepare-se presidente doido que vem chumbo grosso

  2. O que chama da “Nova “volta dos que não foram” evidencia o governo sem governo”, prefiro chamar de Gozar no pau dos outros”.

  3. Não conheço a dinâmica desse Comité Gestor do Simples Nacional, que ê composto por membros das 3 esferas de governo (municipal, estadual e federal). Aparentemente o CGSN tem poder de criar regras o que soa um pouco estranho pois só a lei em sentido restrito pode estabelecer obrigações.

  4. o próprio governo parece querer a informalidade, sigilo nos gastos, destruição dos mecanismos de regulação, desmonte das instituições de fiscalização e monitoramento, desqualificação de dados oficiais. O paraíso da economia informal, a gente sabe quem são os nadam de braçadas nestes ambientes desregulados, a concorrência com quem segue protocolos civilizados será destrutiva e gera insegurança jurídica para projetos de médio e longo prazo.

  5. O DESGOVERNO do BOLSOBOSTA, parece couro de pica (vai e volta) divulga uma medida e logo em seguida volta atrás.
    PQP !

  6. Periga o índice de aprovação do Mito desabar todo de uma só vez. Gerar uma pauta otimista e positiva no SBT e na Record está a ficar cada vez mais difícil, e é cada vez mais necessária para manter uma precária aceitação popular. E quando a pauta fica difícil em tais veículos eles tendem a confundir difusão com vulgarização, dar importância ao que não tem e querer encher linguiça com invencionice e bobagem. O grande e ingênuo público consegue perceber a malandragem e todo o respeito vai para o ralo. Não vai ser o Peru ou o Bispo que vai poder segurar um peso que está acima de suas forças.

  7. É no mínimo infantilidade esperar medidas responsáveis tomadas por essa corja que tomou o poder.

  8. Mais uma do (des)governo Bozo, também conhecido como “governo diarreia”.
    Vem do nada, causa constrangimento, mal estar, produz muita sujeira e depois… some.
    A diferença é que a diarreia é ocasional. O (des)governo Bozo é no mínimo, 2, 3, cagadas por semana…..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *