Novo ministro já sugeriu “xingar como o Olavo”

Jair Bolsonaro, finalmente, exonerou o cadáver que habitava o Ministério da Educação e nomeou para o cargo o economista Abraham Weintraub, número dois de Ônyx Lorenzoni, que se aproximou do governo, na fase de montagem, como especialista em Previdência.

Bem, temos o óbvio – o “até aí morreu Vélez -, a dúvida – como será sua aliança com as forças olavistas que ocuparam o MEC – e a certeza: a de que o novo ministro dificilmente será empoderado, pois o aniquilamento das universidades e o primarismo da “solução educacional” com o estabelecimento de um dúzia e meia de escolas militares, não pode fazer parte do pensamento de alguém que tenha o mínimo juízo.

O novo ministro, porém, tem antecedentes para não se achar que juízo e civilidade sejam os seus fortes.

O BR-18, do Estadão, narra que ao discursar na Cúpula Conservadora organizada por movimentos de direita em Foz do Iguaçu, ano passado, “o novo ministro defendeu que, para vencer o debate com a esquerda, os conservadores devem usar o humor e “adaptar” as ideias de Olavo de Carvalho. “Quando um comunista chegar para você com o papo “nhoim nhoim”, xinga. Faz como o Olavo de Carvalho diz para fazer. E quando você for dialogar, não pode ter premissas racionais”

Weintraub é professor universitário, mas fez carreira no mercado financeiro. Foi sócio na Quest Investimentos, diretor do Banco Votorantim e membro do comitê de trading da BM&F Bovespa.

Suceder Vélez é uma vantagem, porque é suceder algo entre o nada e o ridículo.

Mas ter prestígio e autonomia é bem mais difícil, quando se trata de ser responsável pela educação no governo de um energúmeno. Como acompanha Bolsonaro há dois anos, Weintraub parece ser resiliente à burrice.

O que demanda absorvê-la em boa quantidade.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

16 respostas

  1. Tiraram uma merda e colocaram um bosta, é bem a cara do Bolso., dos conservadores, dos reacionários.

    1. Pode-se, sim.
      A confissão de fraude eleitoral pelo Bozo.
      É a única coisa boa que ele poderia nos dar e que certamente nos negará!

  2. Só mudou mosca barriguda; a [email protected]#$% continua a mesma. Apenas os incautos não percebem que o propósito é descredibilizar, ridicularizar, desqualificar, desmontar, arruinar e aniquilar a educação pública, para em breve justificar a privatização completa do sistema. Afinal de contas, miseráveis e pobres não precisam de boa escola e de assistência à saúde, sobretudo numa época em que a casta do 1% mais rico quer reduzir em pelo menos 1/3 a população mundial. A republiqueta bananeira já se antecipou e sem atingir o desenvolvimento mínimo já ostenta índices que não sustentam sequer a população atual. Imaginem o que ocorrerá daqui a 20 anos, quando não houver previdência pública e a população for majoritariamente adulta ou idosa!?

  3. Sai um roto, entra um esfarrapado. Mais um zé mané que vira ministro no governo troglodita. Seria melhor nomear logo alexandre frota ou danilo gentili como ministros da educação, assim mesmo, em letras minúsculas.

  4. E quando você for dialogar, não pode ter premissas racionais

    Pelo menos ele assume a falta de premissas racionais por parte do time dele

  5. Ok, vamos começar o bolão. Quem chegar mais perto de quanto esse ministro dura no cargo leva.

  6. Trocou um traste por outro.

    Nada de útil virá dessa desgraça, tosco, indecente, indecoroso, miliciano….que esperar ??

  7. vélez foi um ‘grande ministro’, arrumou tanto confusão, falou tanta besteira e acabou não mudando nada. Agora sim vem o perigo. E pelo q se sabe do outro, em que pese a sua formação, não podemos nem devemos ter otimismo

  8. Prezado Brito está aparecendo uma propaganda da “decolar.com”, que está prejudicando até a leitura da tua página. seria bom ver o que se pode fazer.

  9. Em um “governo” que produziu apenas chorume até agora, não é de surpreender que o ministro da educassão ache de bom tom xingar. Deve ser isso que ele entende por “educassão”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *