Números inconfiáveis não vão esconder novo avanço do coronavírus

A notícia, trazida pelo G1, de que o Imperial College de Londres – referência médica em todo o mundo – aponta uma alta enorme na taxa de transmissão do novo coronavírus no Brasil deixa claríssimo o que a despreparada mídia brasileira tem deixado passar: há uma sonegação dos números de doentes e, possivelmente, de mortes em nosso país nas últimas semanas.

Os ingleses apontam que a taxa de contágio – conhecida como RT – chegou a 1,3, o que significa que cada grupo de infectados transmite a doença para um grupo 30% maior. É o maior desde maio, e quase o dobro da que se registrava apenas duas semanas atrás.

O mesmo quadro de agravamento é denunciado pela lotação crescente dos leitos, sobretudo os de UTI, destinados à Covid 19.

Será que alguém ainda duvida que o Ministério da Saúde está ocupado e aparelhado pelas tropas do general Pazuello e que dali se espantou chefias técnicas e isentas? Depois dos seis milhões de testes estragando-se por não terem sido utilizados, é possível não ver isso?

Vá somando o comportamento do Ministério: contra o isolamento, libera a cloroquina, some com os dados (parte 1, meses atrás; parte 2, agora) e aceita ser publicamente humilhado no caso da vacina da Sinovac…

Nos Estados, com as eleições, também se perdeu grande parte da liberdade de retratar a situação tal como ela é.

Como estamos com as boas notícias sobre as vacinas – hoje foi a vez da Sputnik russa anunciar uma eficácia de 95% – tudo caminha para um oba-oba que desconsidera que vacinação em massa, por aqui, só terá atingido uma cobertura considerável lá por meados de 2021, se tivermos um plano de vacinação que, até agora, o governo vem se negando a apresentar.

Prepare-se para ver as mortes no Brasil voltarem à casa do milhar.

Não somos uma ilha de sanidade em meio a um mundo que completará hoje ou amanhã 60 milhões de casos e que caminha para ter, hoje, um novo recorde de mortes.

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *