O apagão dos investimentos públicos

O gráfico publicado publicado hoje pelo Valor precisa ser mais bem traduzido.

Despesas discricionárias são, essencialmente, investimentos em obras e programas, que fogem do custeio cotidiano da máquina estatal.

Então, onde você lê “encargos especiais”, leia, basicamente, Minha Casa, Minha Vida e programas de habitação popular correlatos.

Onde se lê saúde, leia-se hospitais, UPAs, tomógrafos, laboratórios, etc…

Transportes? Construção de rodovias, sua manutenção, portos, aeroportos, mobilidade urbana…

Assim como educação é para ser lido ampliação da rede de ensino técnico, do número e da capacidade das universidades federais, de programas de apoio ao ensino básico e da rede de creches.

E todos eles juntos significam, empregos na construção civil, materiais e equipamentos comprados de indústrias nacionais, irrigação das economias locais…

E aí, você traduz tudo isso em economia, em PIB, em taxa de investimento, que aparece na língua dos economistas como a tal “Formação Bruta de Capital Fixo”, que nunca andou tão baixa nas últimas décadas.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

12 respostas

  1. Gostaria que o Valor publicasse, também, quanto foi gasto com os juros da dívida pública.

  2. Bolso não foi eleito para investir no social, no público.
    Ele está encolhendo o Brasil para uns 20 milhões de brasileiros.
    Dos ditos 57 milhões que votaram nele, 37 milhões dancarao bonito.

    1. Como disse um dia o grande Raymundo Faoro, “eles querem um Brasil com 20 milhões de pessoas e uma democracia sem povo”.

  3. mAs nÃo Foi O PeTÊ qUE DestruIu o PaÍs???
    Tudo aí para os débeis mentais que dizem ser tudo farinha do mesmo saco
    Malditos sejam hoje e sempre, por toda essa desgraça que assola estes tristes trópicos, destruírem o país para prender um homem

    1. Aqueles que destruíram o país estão, consciente ou inconscientemente, presos e atados as ilusões, as fantasias, as mentiras que contaram. Os conscientes podem continuar por interesse ou por estratégia política manter o mesmo cinismo e a mesma hipocrisia e continuar a vendê-las mas se necessário podem se desfazer de tudo isso facilmente.O difícil é a posição dos ainda crédulos que compraram todas essas mentiras, ilusões e fantasias, e esses são a maioria. Antes de se virar contra os vendedores de ilusões, fantasias e mentiras, dificilmente vão assumir o erro e podem provavelmente dobrar a aposta. Acho uma perda de tempo querer modificar a opinião dessa gente. O que devemos buscar é conscientizar a maioria da população que olhou com desconfiança e indiferença toda essa loucura. Os que de forma intuitiva olhava para tudo isso com certo desprezo e desconfiançao.

  4. Ninguem quer saber quanto foi economizado e onde está esse dinheiro….se não está sendo gasto vai para algum lugar, ou evaporou? Interessante isso, em um pais desmoronando ninguém pergunta o óbvio?

  5. Safatle alude a Bolsonaro: o Estado Nazista não governa, ele conflita
    O filósofo Vladimir Safatle afirma que o fascismo se alimentra dos conflitos e que o caso do Brasil é muito próximo desta constatação; ele diz: ” Por fim, e esta era uma compreensão precisa de Franz Neumann, o Estado nazista não governa. Ele é uma associação instável entre grupos que estão em conflito contínuo. Mas esse conflito é uma forma de perpetuar o “movimento”, já que ele permite ao governo entrar em conflito contínuo com o Estado

    247 – O filósofo Vladimir Safatle afirma que o fascismo se alimentra dos conflitos e que o caso do Brasil é muito próximo desta constatação. Ele diz: ” Por fim, e esta era uma compreensão precisa de Franz Neumann, o Estado nazista não governa. Ele é uma associação instável entre grupos que estão em conflito contínuo. Mas esse conflito é uma forma de perpetuar o “movimento”, já que ele permite ao governo entrar em conflito contínuo com o Estado, dizer sempre que nosso grande projeto não está a ser implementado porque forças obscuras estão agindo dentro do Estado para impedir nossa grande redenção. O estado nazista é uma crise permanente elevada à condição de governo. A única coisa que tenho a dizer é: junte os pontos e diga se a cena não lhe parece demasiado familiar.”

    Em artigo publicado no site do jornal El País, o filósofo brasileiro destaca: “há o medo de certas palavras. Esse medo vem na maneira com que tentamos, até o limite, não utilizá-las. Porque seu uso acende alertas vermelhos, nos quebra a letargia de sentir que, por mais que nossa situação atual seja complicada, a vida corre. E corre com um correr de quem acaba por acertar seu passo, abaixar os gritos. Bem, não há palavra que nos leve mais a temer seu uso do que “fascismo”. No entanto, é ela que se ouve de forma cada vez mais insistente quando se é questão da situação brasileira atual. Coloquemos então, de maneira direita e simples, uma questão que vários de nós já colocou a si mesmo: Estaria o Brasil caminhando para o fascismo?”

    Safatle avança: “esta questão não se ouve apenas no Brasil. Ela se ouve na Itália, na Hungria, na Polônia, nas Filipinas. Esta confluência de semblantes perplexos a fazer o tour do mundo não é mero acaso. Ela indica uma fenda global que parece paulatinamente crescer, fenda por onde passaria a emergência de novas formas de governo com traços claramente fascistas.”

    E formula indagações importantes: “mas não seriam tais governos simplesmente “populistas”? Não é assim que se diz hoje, “governos populistas de direita”? Sim, é assim que se diz. Mas e se este uso extensivo do termo “populismo” fosse, na verdade, uma forma de não chamar de gato um gato? Pois talvez os chamamos de “populistas” para não dizer o que eles realmente são: governos nos quais uma certa concepção de ‘estado total’, uma forma explícita de implosão de qualquer possibilidade de solidariedade social com grupos historicamente vulneráveis, uma noção paranoica de nação e o culto da violência são a verdadeira tônica. Mas seria isto exatamente “fascismo”? E por que não falar em “populismo”, neste caso?”

  6. Para mim foi útil você ter “traduzido” o gráfico, principalmente “discricionárias” e “encargos especiais” eu não saberia; obrigado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.