O Brasil assiste inerte sua economia desabar

Não é preciso adivinhar para entender o que vai se passar em nosso país agora que todos os epidemiologistas concordam que estamos entrando para o terrível clube da disseminação comunitária – isto é, não mais para casos que vêm de fora – do coronavírus.

Espontânea ou ordenada, a redução da circulação de pessoas e a natural tendência ao auto-isolamento vai impelir, depois de um primeiro instante de preocupação, para quem pode, de estocar produtos, a uma queda acentuada no comércio e nos serviços. Daí para a redução das encomendas à indústria e, afinal, um declínio de uma atividade econômica que não ia muito bem das pernas.

O que um governo responsável deveria estar desenhando agora?

Em primeiro lugar, já que não interferiu no momento certo, ainda em janeiro, para conter a corrida ao dólar – ao, contrário, afagou o mercado com uma imprudente nova redução dos juros – não seguir na queima diária de reservas inútil diante de um cenário absolutamente irracional e dominado pela especulação.

Ao contrário, deveria estar mobilizando uma parte prudente delas para a constituição de um fundo para financiar projetos intensivos em mão de obra a juros nulos, ou quase.

Porque o desemprego crescerá, em razão da redução das atividades por meses. Se não há muito o que fazer com os 40% dos trabalhadores que são “informais”, é preciso segurar o que há formalizado, em relação aos quais sempre é possível ter alguma flexibilidade com férias, bancos de horas e acordos trabalhistas. Linhas de crédito de curto-médio prazos do Banco do Brasil, da Caixa e do BNDES, com condições especialíssimas, mas vinculadas à manutenção do emprego formal deveriam estar sendo articuladas.

Obras públicas paralisadas poderiam ser retomadas ainda que com repercussão em um déficit fiscal que, a esta altura, não tem sentido ficar evitando, pois virá maior com a queda da atividade econômica.

Reformas, operações políticas complicadas, polêmicas e eventualmente traumáticas deveriam ter uma moratória para não se transformarem em pontos de desentendimento político.

Se não temos o trilhão e meio de dólares que o Federal Reserve anunciou estar despejando hoje no mercado, temos algumas de dezenas de bilhões de reais que poderiam ser lançados para reaquecer o inverno econômico que se aproxima.

Mas o nosso presidente está preocupado em estimular o turismo de mergulhadores e em abrir um cassino em Angra dos Reis.

E o Paulo Guedes, então, não está preocupado com nada, pois segue tranquilo enquanto sobem as labaredas.

 

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

19 respostas

  1. A inação deve ser tanto por estupidez do desgoverno como pela fé cega e inabalável no deus mercado, que há de proteger os lucros às custas dos pobres, como sempre. Faltam xingamentos pra descrever bozo e seus capangas.

    1. Contribuição ao léxico de impropérios utilizáveis para adjetivar a quadrilha do Bozo:

      CRAPULHORDOCRATAS!!!

    1. A sonegação e a evasão para paraísos fiscais são a verdadeira corrupção no país pelos seus elevadíssimos valores. Obviamente ninguém fala a respeito.

  2. E as POPULAÇÕES,sempre inertes ,historicamente,vão continuar na mesma marcha,que se observa indo-se à rua.Pessoas que nem parecem preocupadas com nada,além de futebol,novelas e idiotices características,de “M”,que em última análise,são quase todas.

  3. O caos do coronavirus veio a completar e acelerar o projeto neo-liberal de sucateamento e conversão do país em fornecedor de materia prima .
    Por qué e a procura de que desenvolvimento os delinquentes faríam o que vc sugere ??.Desde 2015 estamos economicamente descendo, descendo.
    Quando esta quadrilha tomou posse ,só reafirmou os objetivos do GOLPE.
    E eles estavam fazendo tudo dentro do roteiro .Até o palhaço da corte cumpría seu papel ao nos distrair,com cada uma das exposições de suas visceras podres, cada vez que abría a boca.
    Agora chega o caos, e eles aproveitarão,pode ter certeza.

    Quais serão as consequências? ,um golpe na nuca duma economia que fraqueja faz tempo,só terá como resultado sua paralisía.
    As massas irão protestar ,???aprofunda o Estado policial e a represão .Reduz as liberdades individuais,aumenta o poder controlador do Estado ,poxa !!!,o coronavirus caiú como uma luva para os quadrilheiros do Planalto !!!
    A preparar-se.

    1. Já se fala em cancelar os “protestos” de domingo que estavam fadados ao fracasso.Desculpa? o coronavirus ,e a economía? “estavamos indo tão bem e ai veio o coronavirus”

  4. Tentei hoje, sem sucesso, comprar máscaras cirúrgicas descartáveis pela internet, pois nas farmácias da minha cidade esse item não existe mais. Caminhamos para o caos.

  5. A inércia vem da crença neoliberal de que a “Mão Invisível” do Deus Mercado™ vai resolver tudo por si só.

  6. ..tirar o atraso do INSS e do bolsa família ..adiar e financiar recolhimento de impostos ou folha de pagto TB seriam medidas cabíveis ..mas, tempos incríveis estes que vivemos ?!

  7. Esse governo n?o tem capacidade de raciocinio em condiç?es normais, o que dirá nessa situac?o excepcional. Preocupar- se com manter empregos não é com eles que querem mais pessoas no empreendorismo neoliberal e essa é uma boa oportunidade de eliminar empregos. Essa zona toda tem nomes e sobrenomes: golpe de 2016, lavajato, eleiç?es fraudadas, bozo, patos da FIESP, especuladores da bolsa, PIG….. Ai veio o coronavi rus e arrombou a festa e esculhambou ainda mais a economia que ja vinha capenga. E eles vao ter que tomar remedio cubano. O mundo då muita volta.

  8. PG está muito bem obrigado, deve estar faturando com o dólar alto e disparando.
    Já está garantindo seu futuro ao despejar bilhões de dólares numa falsa tentativa de frear a alta. Os amigos do mercado não vão se esquecer dele, vão lhe garantir um futuro maravilhoso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.