O circo de ontem torna mais cruenta batalha de amanhã no Senado

Só alguém muito ingênuo pode achar que foi Ônyx Lorenzoni quem transformou um inexpressivo senador – alguém lembra de ter ouvido o nome de Davi Alcolumbre até o final do ano, quando começou-se a falar, como coadjuvante, de sua candidatura? – em Presidente do Senado e do Congresso Nacional.

A vitória de ontem foi, é claro, de Jair Bolsonaro, que alargou os cordões à bolsa de promessas de cargos e influências para que Ônyx, senão as concretizasse, pelo menos sacudisse à frente dos senadores, especialmente dos chamados “novos”, que chegam ao Senado com apetites de vereadores, como aliás o próprio Alcolumbre foi.

Mas foi, também, a declaração de uma guerra que não se encerrou na ridícula batalha circense de sexta-feira e de ontem, e que se projeta para o enfrentamento da reforma previdenciária, que é, como se sabe, o que se exige do ex-capitão como condição sine qua non para o prosseguimento de seu governo.

Os 42 votos podem ter sido um a mais para eleger o presidente do Senado, mas são 12 a menos do que os 54 necessários para aprovar reformas constitucionais.

É evidente que, para além do PT, PDT e PSB, alijados do processo de repartição do poder no Senado haverá resistências dos que não cederam às pressões governistas na Casa, que não serão fáceis nem baratas de dobrar.

Some-se ainda a isso o fato de que -se não fosse já pela falta de cavalheiros – qualquer tipo de acordo de cavalheiros destinado a blindar o “primeiro filho” Flávio, a esta altura, está sepultado. Está evidente que, dentro do Senado, as peripécias do “garoto” passarão a ser a ferida sobre a qual se porá o dedo impiedoso da oposição a Bolsonaro.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

18 respostas

  1. Desculpe mas eu estou torcendo pra que aprovem a reforma da previdência e que passem o trator, pra ver se essa horda de ZUMBIS desperta. De que adianta salvarmos migalhas, para que o povo viva com elas mais 500 anos ? É quanto pior melhor mesmo. É horrível pensar assim ? Talvez, mas o Brasil virou um inferno e colocar um ar condicionado não vai resolver.

    1. Ladrão, como disse o colombiano, eu não sou. Mas sem dúvida sou um grande palhaço, e qualquer um sabe o que me alegra.

    2. Penso a mesma coisa, apesar de ser duro demais, entretanto essa zumbizada talvez acorde e aí poderemos talvez começar a tirar esse 666 do poder.

    3. Pois é! Sou professor, funcionário público e devo me aposentar em Setembro. Já começo a torcer pra aprovação dessa reforma pra esse monte de idiotas tomem no fiofó, e aí passem a perceber a importância do Estado na vida do cidadão. Essas mulas apoiam esse discurso de estado mínimo sem saberem o que é isso. Quando se ferrarem vão tentar abrigo de forma ilegal na Europa, onde o Estado oferece bem estar ao povo. Vão limpar privada, varrer chão, prostituição , servidão, sofrendo preconceito, mas aguentando firme as migalhas que catam do chão, fugindo viver no paraíso.

  2. Deputados e senadores foram eleitos pelo atual sistema, que, salvo raríssimas exceções, coloca sobre eles um imenso telhado de vidro. O supermoro, com a máquina de arapongas, contribuirá para que se reduzam as dificuldades criadas por aqueles que vivem de vender facilidades. Um vazamento para a imprensa e… suas excelências sairão das trevas para a luz.

    1. O fato de iniciarem agora sua arrancada populista, não vai fazer com que os noviços parlamentares populistas de extrema direita tenham seus apetites menos vorazes do que o do próprio Lorenzoni, que logrou obter por seus pecados de gula o perdão semi-divino de um dos cônsules do regime golpista. Lorenzoni só está onde está por prêmio ao enorme ódio que sempre destilou contra o PT e contra todo e qualquer indício de progressismo. O ódio de Lorenzoni foi tão grande que urdiu a escada em que desceu ao topo inverso da cúpula administrativa do Inferno. Mas agora ele não passa de mais um mero porta-voz da grande famiglia.

  3. Os planos “econômicos” são ainda mais absurdos que os planos “políticos” golpistas. No fundo o Mercado e seus sócios sabem que os planos não ficam de pé a não ser com o recurso a uma ditadura política, econômica e (no caso de nós reagirmos!) social. O plano econômico é uma soma de equívocos, preconceitos e de prescrições que não se sustentam na realidade mas apenas se reforçam na fé de uma mentira circular (mais reformas pró mercado, mais confiança, mais investimentos). Nesse sentido os golpistas “políticos” são mais “racionais” e mais “sinceros” na mentira, sabem que seu poder político é contingente, e intuem que essas ideias geniais não convencem a ninguém, só aos pobres crédulos ou aos ricos irresponsáveis e inconsequentes; no final querem apenas sacar os lucros “justos” da aventura golpista que executaram. Vivem do roubo miúdo mas persistente e recorrente, sua posição é mais – vamos dizer assim – “concorrencial”. Os golpistas políticos não vivem da pilhagem estrutural e da posição monopolista da Finanças e das grandes corporações. Mal comparados são como os traficantes do morro em relação a todo o negócio da droga.

    1. Golpe não fica em pé sem Ditadura Judiciária, do Departamento de Justiça pra baixo, passando pelo supremo de merda.

    2. Acho que você se engana redondamente ao assumir a fé na eficiência do plano neoliberal. Os objetivos dos tecnocratas do financeiro não se sustentam em uma fé dogmática nas leis do mercado para garantias de uma economia estável. Se sustentam na lógica fria e calculista do lucro imediato e saque de recursos. Foi essa mesma lógica que gerou a crise do subprime em 2008, e que após resgate trilionário fornecido debaixo de golpe parlamentar para amigos do presidente Bush, não foi corrigida nem por mercado muito menos por Estado.

  4. Será que vai ser possível acompanhar e registrar todos os movimentos e detalhes do toma-lá-dá-cá deste “governo” Bolsonaro? Pode ser que seja do interesse da imprensona fazer isso.

  5. Infelizmente não posso concordar com o lúcido e experiente FB. Políticamente falando Bolsonaro aprovará a reforma da Previdência e o que mais quiser. Esse Congresso é pior, muito pior que o anterior. Pra se ter uma ideia da degradação ampla, geral e irrestrita, o atual Senado recebeu crítica até de Cristovam Buarque, o golpista. Com votação secreta ou aberta o rolo compressor compressará. Tem uma única, incerta mas provável, infeliz saída: Militar. Esperar e ver.

  6. Eu ignorava por completo a existência desse homem com sobrenome de perfume da avon. Impressionante como esse governo tem o poder de odorizador a política com cheiro fétido

  7. Com o resultado mostrou que o grupo do bolsonaro terá trabalho em aprovar as reformas pois a desistência do Renan e no seu discurso mostrou que defenderá a democracia e acredito que vá ser oposição além disso tem bastante influencia o que poderá alterar os votos.

  8. Embora não pareça a coisa saiu melhor que a encomenda para nós. Renan ganharia se não fosse as presepadas que o tal de Davi e sua turma aprontaram no Senado. Acontece que Renan conseguiria aprovar uma reforma da previdência, Davi não. Por outro lado, temos agora uma raposa política que vai fazer oposicao ferrenha a Davi. E Guedes já pode ir comprando um tônico anti-calvice porque ele vai precisar.

  9. Com certeza a primeira medida será blindar o 01. O custo será alto, mas o 00 paga pois não o fará com o seu dinheiro. Já o mercado vai começar a sorrir até de fratura exposta porque o controle das casas caiu em seu colo.

  10. O tal “garoto” é o agente que executa as ordem de seu mentor, um ex-oficial do Exército brasileiro que fazia projetos para explodir banheiro de quartel.

    Saiu pelas poprtas do fundo, para se decicar ao nazismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *