O dia em que Rio das Pedras foi mais importante que Davos

Reza a lenda dos velhos jornalistas, atribuída ao lendário Raul Azêdo, de que, como notícia, um Fusca que caísse no Canal do Mangue importava mais que um avião que caísse no Japão.

Hoje foi o dia em que o Fusca caiu nas neves suíças de um discurso fraco e burocrático de Jair Bolsonaro em Davos e o avião despencou sobre o gabinete de seu filho, com a revelação de que empregava a família de um ex-capitão foragido da PM, ex-segurança da filha (e sucessora nos negócios) do bicheiro Waldemiro Paes Garcia, o Maninho, morto em 2004.

Pior, que este ex-capitão – Adriano Magalhães da Nóbrega – é o chefe do “Escritório do Crime”, que controla áreas pobres na Zona Oeste do Rio e é apontado como o grupo responsável pelo assassinato de Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes e desde 2011 acusado de homicídios comandados pela agora bicheira Shanna Garcia.

O fato já era, portanto, bem conhecido quando a mulher e a mulher do hoje foragido foram “trabalhar” na Assembléia Legislativa.

O caso Marielle não é um assassinado de “anônimos”, como tantos outros que vitimam negros, homens e mulheres, nas favelas e periferias. É um crime de imensa repercussão nacional e mundial que, agora, se engancha nas muitas arestas que se formaram a partir do caso de Fabrício Queiroz, o amigo-assessor-motorista de R$ 7 milhões de movimentação bancária.

E uma destas arestas, pontiaguda e confessada, é o empréstimo pessoal de R$ 40 mil feito pelo hoje presidente ao PM Queiroz – segundo seu próprio filho presidencial, patrocinador da família do capitão fugitivo.

Como disse o jornalista Mário Magalhães, “quando se descobre que a mãe e a mulher de um dos principais suspeitos do assassinato de Marielle Franco trabalharam no gabinete de Flávio Bolsonaro, a impressão se impõe: tudo é muito mais pavoroso do que parecia”.

Por mais atraentes que sejam as ofertas de venda do Brasil que estejam fazendo, os peso-pesados do capital já estão sendo advertidos por seus staffs para que evitem muita proximidade com o capitão-presidente.

Hoje cedo, quando ainda não havia estas revelações e antes do que você pode imaginar no Jornal Nacional de hoje e nas páginas dos jornais amanhã, já havia a convicção de que Bolsonaro não escaparia do inferno que se formou e que, agora, aumenta em centenas de graus a temperatura de suas labaredas.

E nem um refresquinho de Davos vai ter, porque os comentários na imprensa internacionais sobre seu discurso variam entre a piedade e a chacota.

Em compensação, o que vai ter de “Rock’River” amanhã falando lá fora de Rio das Pedras vai ser uma enormidade.

 

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

22 respostas

  1. Se o General Mourão quiser honrar a memória dos Generais Geisel, Orlando e Ernesto,e não de Medice, ele não poderá tolerar esse estado de coisa da Família Bolsonaro

    1. O índio racista? É um escroque do nível de Bolsonaro, tão burro quanto e ainda mais troglodita. Do mesmo nível que esses outros pés-de-bota que você cita. Golpe em cima do biroliro, dado por essa escória que está aí na linha sucessória, vai ser pior que o Temer virando símbolo da luta contra a corrupção.

  2. Não duvido que a própria famiglia bozo que é a chefe do crime organizado miliciano no Rio de Janeiro. E mais: que eles próprios (a famiglia bozo) que tenham dado a ordem do assassinato da vereadora Mariella.

    1. Desde o princípio intui isso. E sabia que só começariam a mostras as evidência depois de empossado. Taí, minha intuição não falhou de todo.

    2. Eu acho que nem pra isso eles tem capacidade.

      Repare que nenhum deles aguenta pressão, como fica claro com os recuos do Bozo-pai e o desmaio do Bozo-filho-01.

    3. Como comentei há uns três dias atrás, Boçal Nato nunca usou da estética militar (bravura, honra, responsabilidade, dever) – mesmo que isso fosse um mero palavrório.

      Ele sempre usou a estética miliciana (metralhar, torturar, estuprar).

      Meu “sexto sentido” já me alertava que tinha caroço debaixo desse angu…e acho que mais uma vez ele me salvou. A cada dia parece mais evidente a ligação dessa “famiglia” com a milícia.

  3. A foto do cidadão almoçando sozinho num restaurante popular é o retrato do Brasil de hoje. E não tem como não relembrar a figura do Lula sendo esperada e disputada a tapa nos saguões dos hotéis.

  4. INFELIZMENTE o GOLPISTA e criminoso Sergio Moro, já já, tratará de liberar algum gravação antiga e ARMADA, de alguma delação premeditada, contra o PT ou LULA ..mais que dissimulação, trataremos de salvarem-se o pescoço

    E por falar em salvação, sem ajuda externa e DISSIDÊNCIA MILITAR interna, o país continuará amarrado ao que pensa as FFAA c/suas forças mais reacionárias e VINGATIVAS, frustrados estes que são os que não se conformam com o fim INGLÓRIO dado ao Golpe de 64.

    Aliás, UMA ESPERANÇA ..pela rede já ouvimos alguns dizerem que a coisa foi tramada pelo exército/EUA, enquanto AERONÁUTICA E MARINHA pouco tem a ver com essa farinha

    Fato é que os homens do BOZO já perceberam que o CIRCO BRASIL ri da desgraça em que ele próprio se meteu, e ainda estão pagando pra ver

  5. Ainda bem que ele falou só 6 minutos, imagina se ele resolve falar o tempo que teria direito. A vergonha seria maior.

  6. houve tb o tal atentado contra a ex-delegada martha rocha q teria sido feito tb por milicianos… mas não sei q apito ela toca no enredo no meio dessa confusão q se transformou o rio

  7. Um cara que faz elogio a tortura e a torturador não pode ser boa coisa. Fico impressionada como pessoas que dizem ter Jesus no coração possam ter votado nessa Famiglia Metralha. É o horror, o terror. E o chefe da Famiglia, que era deputado federal pelo Estado do Rio não fez um comentário sobre o assassinato de Marielle. Muito estranho mesmo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *