O espelho do parasita

Nas vésperas de assinar a autorização para o pagamento do novo – e reduzido – auxílio-emergencial , Jair Bolsonaro criticou, falando ao cercadinho de apoiadores que o bajula na entrada e na saída do Palácio da Alvorada, programas de distribuição de renda: “Quanto mais gente vivendo de favor de Estado, mais dominado fica este povo“.

O mesmo sujeito que diz não serão dominados os que tiverem dez ou vinte mil reais para comprar as armas que ele liberou para quem pode.

Felizmente, Bolsonaro não tem razão e os R$ 250 reais que serão pagos a trinta ou quarenta milhões de brasileiros não farão deles gente dominada por quem lhe dá, de má vontade, o mínimo que as pessoas precisam para comprar uma humilde “mistura” para dar aos filhos.

É curiosa a visão desta gente que acha que o investimento do Estado nos pobres é “favor”.

Nas suas contas, talvez, também seja”favor” o gasto com a saúde pública, que consome cinco vezes mais que o auxílio emergencial que vai ser pago, no total de R$ 44 bilhões?

E é “favor” o gasto com educação, quatro vezes maior que o auxílio?

Não parece ser mais “favor” do que dar, ainda que precárias, saúde e educação ao povão, assegurar a qualquer brasileiro ter, ao menos, feijão e farinha para sossegar o choro dos pequenos e silenciar os roncos do próprio estômago.

É por isso que o auxílio emergencial não vai deixar traços na alma do povão, aquela onde a dignidade sobrevive debaixo de toda a humilhação que tem de suportar.

Não tem o sentido de direito, de reconhecimento de uma igualdade mínima, ao menos no direito de sobreviver.

Mas é da natureza do canalha só ver nos outros aquilo que ele próprio faz.

Quem há mais de 30 anos se tornou um parasita e criou filhos como larvas, que foram se nutrindo do tecido estatal, acha mesmo que todos são assim.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *