Lula ‘radical’ e Bolsonaro ‘moderado’: sonho impossível de certa direita

Não houve razão maior para que grande parte da direita brasileira para apoiar Jair Bolsonaro – ainda que mantendo dele distância, algo como um distanciamento ‘social’ de suas falanges e máscara antivociferações – que a certeza de que ele poderia cumprir duas tarefas: levar a extremos o desmonte de todas as regulações estatais sobre a economia e, ao mesmo tempo, levar ao extremo o enfraquecimento da esquerda, tirando-a da cena principal da política brasileira.

Sergio Moro e Paulo Guedes eram, por isso, os superministros incensados, os homens que iriam fazer, de verdade, o governo, ainda que montados no cavalo tosco do ex-capitão. Os militares dariam a isso o apoio, mas sem exageros que nos expusessem à pecha de autoritarismo.

Não é preciso gastar bytes para constatar o fiasco deste projeto, como aliás a qualquer outro que vise a manter o Brasil em condição de atraso nas massas e “modernidade” nas elites.

Mas é preciso refletir sobre o tamanho do desastre em que meteu-se o conservadorismo brasileiro.

Jair Bolsonaro exerceu sobre ele uma influência devastadora que o deixou, no horizonte visível, sem alternativa eleitoral.

Moro, Doria, Huck, Mandetta, neste momento, tornaram-se periferia eleitoral.

A tal ponto estão atônitos que seus próprios porta-vozes na mídia, claro que com apelações baratas e ressalvas fúteis, tiveram de se vergar à comparação vergonhosa entre o ex-presidente Lula e o atual ocupante do Planalto.

É improvável, porém, que isso vá se estender ao longo do ano e meio que faltam para as eleições.

Por enquanto vão apostar em que Lula caia na armadilha de supor que a direita vá anistiá-lo se for um cordeirinho branco, muito bem comportado.

Do outro lado, que Bolsonaro pendure uma máscara ao focinho e ponha um globo terrestre sobre a mesa de suas lives, para não parecer tão tosco e feroz quanto é.

E que, assim, não prospere o que é natural: a polarização entre selvageria e civilização que está posta.

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Uma resposta

  1. Muito bem observado! Se Lula se mostrar “bonzinho”, abrirá espaço para a elite tirá-lo do cenário político outra vez. Não se duvide que alguma ala da PF, ou do judiciário, não pense em prendê-lo de novo.
    É preciso organizar e mobilizar o povo. Nada virá sem luta.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.