O hipócrita e o tartufo tiveram o seu dia

João Doria aproveitou o seu dia.

Montou a “Operação Olha que eu me Mato”, que produziu logo cedo aquela história melodramática de que ia deixar de ser candidato, trancar-se no Palácio dos Bandeirantes e, como um monge recluso, dedicar-se apenas a despachar os papéis do Governo paulista. A candidatura presidencial, que tantos queriam lhe tomar, ele a atiraria como quem joga um manto amado aos cães e vai viver em trapos, ainda que, no caso, os trapos sejam das melhores grifes.

Mas, oh! Chocado com a cena, o povo (o de dentro do Palácio e o das bocas em geral) recolhe o manto, põe-no às costas do desapegado príncipe, para que ele enumere o que fez pelo reino e como é sábio, equilibrado e que, portanto, merece ser rei. A um canto, o perverso Duque do Sul, remói-se: dará mais trabalho a ele e Conde das Alterosas tomarem o lugar do galante Agripino.

Sérgio Moro também fez o seu carpe diem. Largou seu lugar na casa modesta do Podemos, onde a mesada era curta e o dinheiro para investir fazia-se pouco e foi para o suntuoso castelo do Conde de Bivar, onde lhe prometeram farta mesa, embora em aposentos modestos de candidato a deputado federal, mas sempre protegido pelo foro privilegiado, imune ao que diz serem os impiedosos ataques dos inimigos lulistas e dos vingativos bolsonaristas, aos quais tempos atrás servira.

A caricatura é, infelizmente, pouco distante dos fatos.

João Doria ganhou os maiores espaços da mídia para anunciar, solenemente, nada. Tudo ficou como estava na véspera, mas ele criou um clima onde, batendo os lábios, soltou o brado piegas: “”Sim, sim, serei candidato à Presidência da República pelo PSDB”.

Moro, o magnânimo, proclama, com ar nobre: “abro mão, nesse momento, da pré-candidatura presidencial e serei um soldado da democracia para recuperar o sonho de um Brasil melhor”. Mas todos sabem que ele resolveu, entre outras razões, para não ter de abrir a mão com gastos de campanha, que lhe escasseavam no Podemos.

O hipócrita e o tartufo tiveram seu dia no palco. Agora, voltam para a penumbra.

Não fazem mais parte do enredo essencial.

 

 

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.