O inferno é o limite

O novo recorde de mortes. 1.188, não é o último a ser batido.

Nem os 310 mil casos são nada perto do que virá.

O país mergulha no maior desastre sanitário de sua história e estamos discutindo as cumplicidades entre a Polícia Federal e um marginal como Fabrício Queiroz, apanhador de dinheiro do filho do presidente.

A energia vital do país está completamente entregue ao submundo policial e à estupidez militar que a ele se juntou.

Escuto na TV que a Polícia Federal é umas das “instituições mais respeitadas do país”.

O que se revela é que ela sempre foi – como polícia sempre é – um valhacouto de cumplicidade e de interesses que não podem ser postos à luz do dia.

Enfrentamos o inferno de um apocalipse sanitário, que ceifa vidas, aniquila uma economia já cambaleante e estamos discutindo quem é o delegado que “vazou” informações aos Bolsonaro, como se não soubéssemos que a grande maioria dos juízes, dos promotores, dos policiais e dos jornais não estivessem todos trabalhando por ele!

O mais importante na noite em que se devia estar tomando providências para interromper a escalada monstruosa de mortes e doença, é a espera pela decisão sobre a exibição de um vídeo pornográfico de uma reunião ministerial.

O resultado de anos de cruzada moralista é isso, a maior imoralidade que este país já viveu.

O dinheiro não aceita o lockdown necessário; os governantes, chantageados, fogem das decisões devem tomar, o socorro às administrações estão esperando que, antes, se deem reajustes aos policiais da mesma forma se negam a médicos e enfermeiros que arriscam as suas vidas, comandantes da PM e delegado despacham esquadrões para fuzilar pessoas nas favelas…

O Brasil está se dissolvendo como nação, permitindo que seus filhos morram como moscas.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

12 respostas

  1. É um equivoco achar que investigar com todo rigor esse caso do Fabrício Queiroz/ Flávio/ jair, atrapalha o combate à pandemia. Muito pelo contrário, essa investigação traz a possibilidade de cassar o mandato do genocida jair messias – facilitando aí sim, o combate ao COVID-19.

  2. Ao dar entrevista à CNN Brasil, o Olavo defendeu que o Bolsonaro é honesto. Honestíssimo. Ora, a honestidade sempre se dá em relação a alguma referência. O Olavo provavelmente não acredita que o Bolsonaro seja integralmente honesto, mas é evidente que ele quer que os brasileiros acreditem nisso. Aí, exatamente aí, é que está o grande medo do Olavo: Que descubram e, principalmente, que espalhem que o Bolsonaro não é honesto. Isso poderia arruinar os planos de seu mestre Steve Bannon, de destruição do estado brasileiro. Mas o Olavo se trai quando procura relativizar a honestidade. Ele diz que “corrupções pequenininhas como estas do Queiroz são irrelevantes”.

  3. Um país que tem como heróis salvadores policiais, milicos, juízes, justiceiros e não os professores, cientistas, artistas, escritores, etc. só poderia estar aonde estamos.

  4. Brito vc tem toda razão, mas como vc é um cara que tem uma mediunidade premonitória ostensiva, não fala nada não, deixa acontecer, só relata, quem sabe Deus nos poupa?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *