O jogo bruto de Bolsonaro nas redes

Bolsonaristas e seus robôs estão levantando uma onda no Twitter, levantando a hashtag #BarrosonaCadeia.

Aí está o resultado do “diálogo” sugerido pelo presidente do STF, Luiz Fux, na segunda-feira.

E, claro, do conveniente “sumiço” do Procurador Geral da República, Augusto Aras, mais preocupado em pedir votos para sua recondução ao cargo que em antender o pedido, formal e fundamentado, de metade do colégio de subprocuradores gerais pedindo que abrisse inquérito sobre as ameaças ao processo eleitoral feitas por Bolsonaro.

Mais: ainda hoje, em meio a tudo, o preidente da Câmara diz que a questão deve ser discutida e o importante é que o Legislativo não legisle, uma mistificação asquerosa, porque há lei em vigor. Palavras que, claro, mereceram logo rasgados elogios do presidente.

Ou se reage a esta gente ou o caminho está aberto para, prevalecendo o voto como é, ocorram atos contra as eleições, ameaças e tumultos.

Não será com bons modos, acovardados diante de uma corja que quer “melar” eleições porque irá perde-las, que se defenderá instituições democráticas. Não será com declarações de Luiz Roberto Barroso de que Bolsonaro é “vertente do autoritarismo contemporâneo”.

Não, é golpista, é fascista, é traidor da democracia que o levou ao poder.

Está claríssimo que aplicam o mesmo roteiro de Donald Trump, com a diferença que, lá, não tinham a adesão de militares e de policiais.

E, por isso, com outra diferença: seus “búfalos” foram derrotados e respondem a processo.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *