O manifesto dos arrependidos é sincero?

Com o devido “desconto” a Ciro Gomes, que se “só” omitiu no segundo turno, todos os signatários do “Manifesto Pela Consciência Democrática” trazem em seu currículo o apoio à elevação de Jair Bolsonaro à Presidência.

E o fizeram por duas circunstâncias que, infelizmente, não desapareceram da mesma forma que desapareceu sua opção pelo “Mito”.

A primeira é que seguem praticando, como fica claro na não-inclusão de Lula dos convites a assinar o texto, que é a tentativa de excluir a esquerda do processo politico.

É, para usar o verso de Cazuza, o “não me convidaram para esta festa podre”.

Ninguém lhes pede autoflagelações, apenas o arrependimento sincero que tornaria crível que não estão contra o monstro porque este os rejeitou, lançou à poeira e os ataca, agora.

A segunda, é o fato de que, a Lula, preferem Jair Bolsonaro. Ou, se não é verdade, não têm a coragem de admitir o óbvio: que o ex-presidente é, hoje, a única chance de derrotar o atual presidente nas urnas de 22.

Quando se dedicam uma “unidade” no antipetismo, acabam por repetir 2018.

É isso que tira a repercussão do que deveria ser um importante gesto de oposição a Bolsonaro: a falta de credibilidade de sua “consciência democrática”, porque democratas conscientes não praticam mesquinharias numa hora gravíssima como a que temos.

Imaginem o que seria, por exemplo, Lula recusar-se a dialogar com qualquer um deles: choveriam acusações de “exclusivismos” do petista que, como repetem os comentaristas políticos, não aceitaria diálogo com as demais forças políticas.

Porque não é possível dialogar civilizadamente quando se tem, de fato, “consciência democrática”?

Hoje mesmo, Lula dará uma entrevista a Reinaldo Azevedo, um dos seus mais ásperos e violentos críticos que, entretanto, não usou isso para defender sua exclusão, pela via da prisão ilegal a que o submeteu Sérgio Moro, da disputa eleitoral.

É preciso que algum dos dois seja falso e “mansinho”? Os gaúchos dizem que “lenha boa é a que sai faísca” e na política a polêmica e a discordância não podem pretender ser superiores aos deveres para com a população.

Os seis signatários do texto ainda pode deixar de lado seus ódios e discriminações. Porque isso tira a coerência do que dizem e, quem sabe por isso, tirem do que dizem a repercussão que Lula, na sua franqueza, encontra na opinião pública.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email