O monstro está chegando e o governo tergiversa

Não está longe a explosão dos casos de coronavírus no Brasil, está perto.

Nos próximos dias você terá a notícia de que um conhecido, um amigo, um parente está infectado e internado.

Isso não é terror, é apenas a verdade, como aqui se disse, há quase um mês, que a doença explodiria nos EUA, que , então, ainda brincavam com a história de que era uma “gripezinha” e não agiam para isolar seus cidadãos.

Os números, lá, são aterrorizantes: 235 mil infectados, mais de 25 mil em 24 horas. Mais de mil mortos, ontem.

Um terço dos novos casos diários no mundo são norte-americanos e hoje devem ser perto de 30 mil.

Do Equador, chegam cenas dantescas de cadáveres sendo deixados nas ruas ou cremados ali mesmo, no asfalto.

Por todo o mundo, os mortos se contam às dezenas de milhares.

Ainda não está assim aqui, mas será que vai ficar?

A resposta, infelizmente, é sim.

Temos relativamente “poucos” casos – embora já passem de sete mil – por uma única razão: a grande maioria não é testada.

O Instituto Adolfo Lutz, apenas ele , tem 16 mil testes na “fila” para serem examinados. Como os testes, escassos, em geral só foram aplicados a pacientes com sintomatologia evidente, é de se esperar uma alta taxa de resultados positivos. E, portanto, uma “dobra” nos casos.

Além disso, como mostra hoje a Folha, os médicos de primeiro atendimento, sem testes e sem uma orientação precisa de como classificar pacientes para notificação sistema, estimam que possa haver dezenas de casos.

O mesmo aconteceu nos EUA, onde os testes eram – e em alguns estados ainda são – muito poucos.

Some-se a isso o fato de que, a partir da formação de uma “massa crítica” o fator de expansão se amplia e forma números apavorantes.

Os Estados Unidos, “campeão mundial” de casos, há apenas duas semanas, tinha menos casos confirmados que o Brasil. Eram, acreditem, 6.344, no dia 17 de março. 38 vezes mais, sim, é isso mesmo.

Tento conter a indignação que tem marcado meus últimos posts, porque não é fácil se manter sóbrio diante dos assassinatos em massa que nossas titubeantes autoridades estão perpetrando.

Ainda há milhares de nossos irmãos desnecessariamente nas ruas, animados e confusos por conta de um pastiche de Trump que, enfim, fará do Brasil um país semelhante ais EUA, mas apenas no desastre humanitário. Ou quase.

Aqui talvez não haja a dor silenciosa da América do Norte, como também não há os cargueiros trazendo socorro da China, o mesmo socorro que faltará aqui.

Nem se espere socorro de nosso (?) governo.

Porque, com as demoras e complicações (propositais e perversas) de se garantir uma mísera renda a quem está privado de seu trabalho, mesmo precário, há 15 dias ou mais, vai ser ouvido também o grito da fome, além do da perda.

Daqui a quinze dias é perto, semana que vem é perto, hoje é perto.

Desculpem, portanto, se não amenizo as palavras.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

45 respostas

  1. Melhor deixar a raiva sair. Ha tempo para tudo, inclusive para ela. Oxalá que sua tremenda energia rompa esse casulo apodrecido que nos tolhe. E que em nosso primeiro voo como sociedade regenerada, dessa vez os canalhas!, canalhas!, canalhas! sejam julgados. Nao apenas pela historia.

  2. Diziam que o vírus não se propagaria no Brasil porque ele gosta de frio, morre no calor e coisa e tal…
    Supondo que fosse parcialmente verdade… Até agora estávamos no verão. Casas, carros e ônibus com janelas abertas, dias secos e ensolarados, muito calor. E mesmo assim o vírus se alastrou.

    Agora estamos no outono. Em um mês ou dois vem o frio, dias frios, nublados e úmidos. Janelas fechadas por causa do frio e chuva. Pessoas que portam o vírus mas não apresentam sintomas, podem pegar resfriados comuns, que os vão fazer tossir e espirrar e espalhar mais o vírus que, até então, estava limitado aos seus pulmões e suas vias aéreas. E aí sim, vamos ver o que é uma gripezinha.

    1. Pra piorar, o inverno já tem, por natureza, aumento na internação em hospitais por problemas respiratórios e gripe.
      E provavelmente, daqui a um mês ou dois, se não antes, vai coincidir com o relaxamento sobre a quarentena, seja ele oficial ou por que as pessoas que não pegaram a doença vão se sentir meio que invulneráveis a ela.

      Prevejo uma aceleração dos casos na primeira metade de abril, depois uma pequena desaceleração na segunda metade e depois uma curva ascendente e fora de controle em maio.

    2. Tal conjectura caiu por terra já a partir do momento em que um dos primeiros países a ter um número alto de doentes na América Latina foi justamente o Equador, e em pleno verão. Difícil contestação da teoria mais precisa que esta. E não há dúvidas que o inverno poderá ser sombrio, pois as pessoas impelidas às ruas pelo mau exemplo de cima ou por necessidade essencial, tendem a fugir do frio agrupando-se, só que o farão em espaços coletivos. O SARS-CoV 19 agradecerá…

    3. Seria ótimo se fosse verdade… Meus pais moram no Ceará onde o sol é escaldante e os casos de suspeita só aumentam por lá.

  3. Considero que, no meu caso, sobreviver à Pandemia será pura sorte do destino.
    Estou no grupo de risco e com comorbidades. Estou fazendo o isolamento, mas cedo ou tarde, isto é, antes ou depois da curva ascendente/descendente serei fatalmente afetado. Se tiver a sorte de resistir até um medicamento ou vacina, aqui no Brasil, será pura sorte.

    1. Ibsen, espero, sinceramente , que tudo corra bem com você e com os seus.
      Força, Saúde e Fé!

    2. Ibsen, espero, sinceramente , que tudo corra bem com você e com os seus.
      Força, Saúde e Fé!

    3. Ibsen, não entregue os pontos.
      Há muita gente trabalhando em busca de soluções e/ou paliativos que podem significar a sobrevivência de infectados com nível de risco elevado.
      Uma alternativa que sugiro busques investigar e de antemão viabilizar se necessitares é o uso de “soro convalescente” (não sei se é exatamente este o nome em português – em inglês chama-se convalescent serum). Consiste em injetar no paciente com Covid-19 soro extraído de alguém que já tenha sido infectado pelo virus e que esteja curado. Os anticorpos presentes no soro do doador permitem suprimir em muito a carga viral no paciente infectado e o próprio organismo dá conta do resto.
      Este é um procedimento que dizem os especialistas foi usado com outros vírus com sucesso e está sendo tentado em Nova Iorque contra o coronavírus (não sei precisar o resultado pois o uso é recente e penso que ainda não há resultados publicados).
      Mas em princípio não é muito diferente do que está sendo tentado com anticorpos monoclonais, tanto pelos chineses como por um laboratório em San Diego – em poucos meses deverá estar disponível este tratamento, que é esperado proteger por 2 meses, e que pode ser usado anto para combater a infecção ou para prevení-la. O uso de anticorpos monoclonais é o tratamento indicado para controla o Ebola, por exemplo.

      Não se exponha. Proteja-te e ganhe tempo. Há luz no fim do túnel. Boa sorte.

  4. O caso de Equador é emblemático. Demonstra que os governos estão mentindo, que os casos são subnotificados. Por aqui não deve ser muito diferente, já que o exemplo maior vem de cima.

  5. Triste verdade. Hoje tive notícia de duas pessoas que morreram em São Paulo. Não eram meus amigos próximos, mas eram pessoas conhecidas, citados com frequência por familiares em conversas.

  6. Eu pessoalmente tenho quatro amigos que estão se tratando do Covid19. Dois casais. Em cada casal, um dos cônjuges precisou de UTI e o outro apenas sintomas leves. Minha irmã e companheiro também estão com o vírus, todavia na Inglaterra

  7. Brito, falo a todos que você é o que tem feito uma das melhores análises e previsões sobre o corona. Não se culpe pelo “alarmismo” quando na verdade você sempre foi pé no chão, se baseando em fatos. Outras mídias alternativas demoraram mais a perceber a gravidade do que vinha por aí e também minimizaram a questão até cair a ficha. Se cuida, abraço.

  8. Não é pra amenizar mesmo não, Brito. Não se incomode em pedir desculpas, a situação é grave.

    E o sujeito que está na presidência, agindo como age, espero que vá parar no banco dos réus do TPI.

  9. Sem dúvidas,o que vem aí é terrível.Muitos de nós ficaremos pelo caminho ,ainda que fossem tomadas todas as medidas necessárias e possíveis ,igualmente seria um massacre.
    Mas, o número dos mortos que acontecerão por causa da desídia ,o despreparo e o espírito perverso dos DELINQUENTES DO GOVERNO –é inadmissível—E ELES TERÃO QUE PAGAR,MAIS CEDO OU MAIS TARDE,ELES PAGARÃO.
    Equador e sua terrível realidade

    https://www.clarin.com/mundo/coronavirus-ecuador-mayor-tasa-muertos-casos-sudamerica-_0_z9SvkepS8.html

  10. Não estamos nem no pico ainda e não aguento mais esse assunto, pela minha saúde mental a partir de amanhã vou reduzir drasticamente o consumo de notícias do tipo. Sorte e sanidade pra quem fica.

  11. Acabei de ler no UOL, noticia publicada pela Folha de que o Mandetta informa que estão adquirindo da China 8 Mil respiradores por 1,2 Bilhões de Reais para serem entregues em 30 dias. Se não for erro de digitação, teremos o custo unitário de 150 Mil Reais por aparelho que custa em torno de 15 Mil Reais. E a empresa que vai comprar foi a 5ª colocada na licitação. Estranho, né??
    Dai eu pergunto: Se a 2 semanas atrás, quando professores, técnicos e alunos da USP anunciaram que tinham desenvolvido um respirador de rápida montagem e com custo de Mil Reais a unidade, o governo federal tivesse fechado uma parceria na época, no mínimo, essa semana já estariam em fase de produção industrial e dentro de um mês, teríamos muito mais de 8 Mil unidades
    prontas, gerando renda e postos de trabalho dentro do País.
    O Mandetta já tinha comprado EPIs sem licitação de uma empresa que foi doadora de suas campanha politicas, tambem não estaria fazendo alguma tramoia nessa compra de respiradores???

  12. Brito, uma das minhas sobrinhas testou positivo para o Covid 19 no dia 24 de março. Ela mora na grande Natal, tem três crianças que também adoeceram e felizmente estão bem. Agora há pouco, ela piorou muito, foi à UPA e de lá encaminhada para o Hospital Giselda Trigueiro que trata doenças infecto contagiosas. Deve ficar internada, sem a presença de nenhum familiar.
    Eu tenho 60 anos, estou isolado em casa com minha esposa e filhos.
    É uma angústia terrível ver alguém tão próximo viver tal situação sem poder fazer nada.
    O que mais dói é saber que não somos os únicos em meio a esse pesadelo.

    1. Profundos desejos de sorte e recuperação à sua filha, da parte de um combatente da linha de frente contra esta e outras afecções graves que podem nos atingir a todo momento, para lembrar-nos da beleza e fragilidade da vida. Força!

  13. “Nos próximos dias você terá a notícia de que um conhecido, um amigo, um parente está infectado e internado.”
    JÁ HÁ!

    1. Há uma acobertamento CRIMINOSO (E UMA DOSE CAVALAR DE INCOMPETÊNCIA).
      Se bobear, os números reais devem ser (NO MINIMO) 10 vezes os oficiais…

    2. Há uma acobertamento CRIMINOSO (E UMA DOSE CAVALAR DE INCOMPETÊNCIA).
      Se bobear, os números reais devem ser (NO MINIMO) 10 vezes os oficiais…

  14. Brito, em um comentário meu abaixo esqueci de cumprimentá-lo e, mais que isto, parabenizá-lo pela perseverança e seriedade com que trata a notícia e a verdade que ela trás. Parabéns e continue, sempre.

  15. Somente a título de informação para complementar o correto artigo deste Tijolaço: no momento em que posto este comentário, os EUA tem 240.120 casos, o que corresponde a 23,8% dos casos do mundo, ou seja, os EUA já tem 1/4 dos casos mundial.
    O estado de New York, por sua vez, com 92.472 fica com 9,2% dos casos no mundo e a capital do estado com alarmantes 51.809 se encarrega de ter 5,1% dos casos mundiais.
    Isso tudo foi previsto antes, aqui, no Tijolaço. Por isso, o registro.

  16. Acho que ninguém pode garantir que teremos explosão de casos, a não ser que apresente razões CIENTÍFICAS para essa afirmação. Tem de explicar as diferenças e semelhanças entre os países, que têm sofrido de forma muito diferente uns dos outros. Não resta dúvida de que é melhor pecar pelo exagero do que pela omissão, mas há um limite para isto. Hoje o ministério informou que o vírus está no Brasil desde janeiro. Então é preciso saber porque até agora não explodiu, porque o isolamento está precário desde sempre.

    1. E se o tal do pico que tanto falam não chegar logo, ninguém aguentará ficar em casa, eu mesmo estou em casa desde o dia 26 de março, e saí só para comprar comida.
      E é bem capaz de eu até já estar com o coronavírus, estou com uma tosse estranha e um pigarro no fundo da garganta, mas sem febre.
      E não tenho onde testar!!

    2. Não servem as razões CIENTÍFICAS do Imperial College de Londres? Ou você está querendo comparar análises com achismos?

    3. Há cerca de 17 dias, entre os dias 17 e 18 de março, os EUA pulou de 7.038 para 10.442 casos acumulados de contaminados. Hoje nós estamos nesta faixa deles de 17 dias atrás, com 7.910 casos. Há 17 dias o discurso de Trump era outro, aquele que Bolsonaro ainda faz aqui. Hoje eles têm 228.602 casos. Nestes dias passados, a partir do momento em que a sociedade americana começou a ficar estarrecida com o “vírus chinês”, ninguém mais segurou o sistema de saúde de iniciar testes mais massivos. O vírus expandia sua penetração, mas quase ninguém ainda sabia. Os testes vieram revelar e educar, ao mesmo tempo, para o diagnóstico da epidemia.
      No Brasil, de acordo com os dados da London School e parâmetros de 25/03/20, apenas 11-12% dos casos são notificados. Assim, hoje, o número de contaminados já pode ser de 65.917 pessoas, mais de 8 vezes o notificado. Hoje Mandetta anunciou a chegada de 500 mil kits de testagem, voltados prioritariamente para os profissionais de saúde de linha de frente. E, segundo ele chegarão mais 4,5 milhões, já adquiridos.
      Quando tudo isto for a campo os números explodirão e também o sistema, a infraestrutura poderá explodir porque todos os positivados nos testes procurarão as redes de saúde, sejam públicas e privadas. E o vírus, continua e continuará seu caminho de adaptação e disseminação enquanto gente/vetor houver. 17 dias. Nos EUA foram duas semanas e 3 dias para se sair de um patamar de 10 mil para 228.602 mil contaminados.
      O tempo parece não passar na angústia. Pouco mais de duas semanas parecem meses. Mas muita coisa aconteceu lá e aqui em tão pouco tempo.
      Einstein, dizem, que ao tentar explicar para leigos a Teoria da Relatividade, falava algo assim: “Sob a luz do luar, dois namorados passam horas que lhes parecem minutos. Se sobre uma chapa de aço quente estivessem sentados, poucos minutos lhes pareceriam horas”. Acho que a situação emocional nossa anda parecida com a analogia de Einstein. Tudo é relativo, mas concretamente real. Infelizmente.

  17. Ódio e necessário sentir ódio.maldito.fdp levou esses incaltos no gogo.palhacadasss.porra pqp!!!

  18. Quem dera que os membros da maior parte da imprensa nacional tivessem seu espírito combativo e sua capacidade de antevisão independente, em qualquer tema que aborde. Não sei se tudo seria mais fácil, mas certamente a razão teria mais portos seguros para lastrear-se.

  19. Este cabra insano precisará ser responsabilizado, e seus asseclas nos tribunais Internacional, e seus gado mais bravio exposto a excreção para que nao atentem mais contra um povo. Idiotas acreditaram em mamadeira de piroca e corrupção só da esquerda. Agora nem com a morte chegando deixam de lado a idiotia, e a doença da ingnorancia religiosa. Sugiro tb q voltem aos cultos de cura , e nos informem do milagres do covid19 salvando vidas.

  20. Nao se preocupe com as palavras caro Brito… Qualquer um minimamente racional está furioso neste momento. Não é fácil abrir os olhos todos os dias e se dar conta de que não foi um pesadelo.
    Estamos no escuro (sem testes pra saber o número de infectados) e abandonados por que alguns milhões de imbecis entregaram o país nas mãos de uma criatura Inominável.
    Que Deus ( não o Deus do Malafaia) nos ajude.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.