O MP que a direita odeia é o que não deixa usar o chicote

No G1, Jair Bolsonaro chama de “desgraça” o Ministério Público do Trabalho, ao fazer campanha em Catanduva (SP).

Não é o único dos candidatos que pensa assim, mas ao menos é quem o diz.

Ao contrário do restante do Ministério Público, os procuradores do Trabalho, não são “queridinhos” da Fiesp, do agronegócio, dos bancos.

Não tratam de perseguições políticas, mas de trabalho escravo, de segurança no trabalho (o Brasil é recordista de acidentes laborais), de sonegações coletivas de direitos – não, o MPT não funciona como advogado de indivíduos -, do trabalho infantil e de discriminações de empregadores, essencialmente.

Mas, diz Bolsonaro, empresário algum consegue trabalhar com ele “no seu cangote”.

-Um país que tem um Ministério Público do Trabalho atrapalhando não tem como ir para frente.

Atrapalhando, possivelmente, é exigindo que assine a carteira de seus empregados? A que não os aloje em taperas? Que não opere sem proteções ou em situação de risco que lhes levem uma mão, uma perna, a vida? Ou que não ponha crianças a trabalhar quebrando pedras ou  queimando madeira em carvoarias?

Também não saem fechando fábricas nem estabelecimentos rurais a torto e a direito e quase sempre tentam a correção dos problemas através de Termos de Ajustamento de Conduta.

Ali mesmo, em Catanduvas, de dezembro para cá, propôs dois deles: um com uma empresa de medição de energia que obrigou 88 empregados a assinarem pedidos de demissão para receberem parte das indenizações devidas e outro, com a Caixa Econômica, intimando-a a registrar o horário de trabalho dos seus funcionários, a quem impunha  horas-extras sem pagamento.

Registre-se, porém, que há coerência mas posições de Bolsonaro. Quem se propõe a ser um “capitão do mato” dos patrões tem de ver, mesmo, os trabalhadores como escravos.

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

9 respostas

  1. Um díguino e honrado representante do Ministério Público do Trabalho é candidato ao governo de Goiás pela REDE. Edson Braz ex- procurador geral do trabalho que teve grande atuação contra o trabalho escravo.

    1. FERNANDO HADDAD: PROMETE ISENÇÃO DE IR PARA QUEM GANHA ATÉ 5 SALÁRIOS MÍNIMOS

      De acordo com o candidato a vice-presidente da República na chapa do PT, Fernando Haddad, não se trata de “um capricho”; “Quem ganha até cinco salários mínimos, se tiver uma rendazinha, vai para o mercado comprar. Vai para o mercado comprar, o industrial vai ter que contratar um funcionário para produzir mais e a economia começa a rodar”, afirmou ele em Viana (MA)

      25 DE AGOSTO DE 2018

      (…)

      FONTE: https://www.brasil247.com/pt/247/maranhao247/366496/Haddad-promete-isen%C3%A7%C3%A3o-de-IR-para-quem-ganha-at%C3%A9-5-sal%C3%A1rios-m%C3%ADnimos.htm

  2. Querem voltar ao tempo da escravidão. Por esse aspecto, dá para compreender um dos motivos no qual a elite odeia o Lula. Ele representa a luta do operário por conquistas trabalhistas na época da “redemocratização”.

  3. Vivemos em uma critocracia. Não é ditadura do judiciário, é pior! Juizes, promotores e delegados interpretam as leis como querem, e nenhum cidadão está a salvo da opressão da máquina pública. Não é um ditador, mas milhares de pequenos tiranos! Não importa quem será o próximo presidente se quem manda no país forem os Juizes. Pelo fim da critocracia e a volta da democracia já! ou vamos ter que começar a fazer justiça aos juizes com as próprias mãos?

  4. UM ALUCINADO INSANO E IGNORANTE…
    UMA BESTA MISÓGINA, FASCISTA RACISTA, E DESUMANA SEM QUALQUER TRAÇO MAIOR DE EMPATIA E HUMANISMO!
    ENFIM, UM KOXINHA EM TODO SEU “ESPLENDOR”!
    NÃO PASSARÁ… E, PERDERÁ A SEGURANÇA JURÍDICA DE CONGRESSISTA!
    AÍ, SEM IMUNIDADE PARLAMENTAR, VAI ASSUMIR SER UMA DONZELA!

  5. A propósito de trabalhadores escravos mencionados ao final do texto, os dois únicos negros na foto são os seguranças do sinhô? É que gente preta não é bem vinda quando esses machos brancos andam pela rua se esfregando. Eu falei na rua.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.