O MPF do B. B, de Bolsonaro e de barbárie

O Valor publica hoje matéria do repórter Cristian Klein mostrando como se alastrou no Ministério Público o bolsonarismo militante.

Direito deles, embora surpreenda que alguém possa ser fiscal da lei e das garantias individuais e, ao mesmo tempo, defender quem faz apologia da tortura, da ditadura e até do assassinato dos que merecem ser “levados para a ponta da praia”.

O problema é que, em lugar de objetarem por seu impedimento, quando tratam de casos que possam envolver o capitão do qual são adeptos, seguem dizendo que têm completa imparcialidade para conduzi-los, como aconteceu com a promotora do MP do Rio que se apressou em dizer que o porteiro do Vivendas da Barra mentiu quando disse que foi a voz do “Seu jair” que autorizou a entrada de um pistoleiro no condomínio e acontece com o promotor federal Douglas Ribeiro, encarregado do inquérito pedido por Sérgio Moro contra o malsinado porteiro.

O grupo, autointitulado “MP-Pro Sociedade”, prega abertamente o endurecimento não só das leis, mas também dos militares: “Se você é militar, juiz, MP, deve priorizar a sociedade, a vítima inocente. Não seja promofofo!!!”. Promofofo, esclarece-se, é o membro do Ministério Público que se preocupa com a garantia dos direitos humanos.

Reproduzo um trecho do extenso trabalho de Klein:

Entre os fundadores do movimento estão promotores e procuradores do Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) que não escondem a preferência política nas redes sociais, como Marcelo Rocha Monteiro, Flávia Ferrer e Eduardo Paes Fernandes. Monteiro é ex-marido de Carmen Eliza, que teve a imparcialidade questionada depois de serem reveladas postagens em que posou com uma camisa com o rosto do então candidato ao Planalto e a legenda: “Bolsonaro presidente”. Um dos porteiros do condomínio de Bolsonaro associou o presidente aos acusados de matar Marielle, mas as promotoras do caso, entre elas Carmen, desmentiram a versão.

Um dos integrantes mais atuantes da ala conservadora do MP, Monteiro não vê problema em ter, em suas próprias palavras, um “monte” de postagens políticas no Facebook. No ano passado, o procurador de Justiça publicou foto em ato de campanha em que vestia camisa de apoio a Bolsonaro e Wilson Witzel, eleito governador. À frente do boneco inflável Pixuleco, representando o ex-presidente Lula como presidiário, fazia o gesto de arma com as mãos popularizado pelo atual presidente da República. Monteiro diz que é “meio inevitável” que a corrente mais à direita do MP apoie Bolsonaro. “Para quem se identica com o conservadorismo a liderança é o Bolsonaro. A ala progressista não está identicada com o Psol e com o PT?”, rebate.

Uma única pergunta desmonta estes argumentos: e se promotores do caso Marielle estivessem com camisetas do “Lula Livre”, o que ele iria dizer?

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

15 respostas

  1. O Ministério Público é um antro do neoliberalismo. Eles tem vida mansa e salários muito acima da média da população. miséria, falta de assistência médica e desemprego não lhes comove. Eles se associam entre eles buscando formar um elo forte de corporativismo.
    Acho que o MP é um caso perdido. A solução tem que ser radical. O MP precisa ser EXTINTO.

    1. Há mais de ano defendo a EXTINÇÃO do Ministério Público.
      Não se presta para a finalidade para a qual foi criado e está tomado por um bando de criminosos lesa pátria e milicianos que se uniram em torno de uma casta para defender seus privilégios.
      Lá atrás cometeram um GRANDE erro ao dar muito poder para esta instituição. Como qualquer ser, coisa, pessoa ou instituição a que for dado poder desmedido a tendência é se tornar tirano. Foi o caso do ministério público

      Sou pela EXTINÇÃO sem aproveitamento dos membros em qualquer outro órgão público. É RUA MESMO.

  2. As preferências políticas são respeitaveis ,se democráticas.Se um grupo prega a tortura ,o extermínio de opositores ,o resrespeito por opiniões contrárias , carece de legitimidade.Sendo assim esses VERMES bolsonaristas,não deveríam estar ocupando postos públicos.
    Mas,como é que isso se soluciona? fiscalizando,mas,quem fiscaliza os fiscalizadores e seu corporativismo???
    Acabem com o MP ou fiscalizem o MP???se uma das suas funções é fiscalizar o trabalho da Polícia,quando eles se unem e formam uma quadrilha como na farsa-jato ,quem os pune?????

  3. O judiciário dessa turma de procuradores e de juizes tipo Moro já virou partido político e o pior assumem às claras sua posição partidária à direita num acinte a isenção que se espera de quem julga e condena. Na maior cara dura ao estilo de seu mito Moro se dizem imparcial para julgar e condenar mesmo que a postura deles diante dos acusados mostre o contrário, ou seja, total parcialidade. Esse gente dita da lei já a algum tempo tomou o lugar dos politicos e transformaram o judiciário em arena política pouco se lixando para a incongruência dessa atitude.

  4. Sr.Fernando.O M.PÚBLICO,que deveria ser designado,como MINISTÉRIO PRIVADO,são os guardiões históricos,DOS PROPRIETÁRIOS DA PROPRIEDADE PRIVADA.E o que denominam JUDISSSSSIARIO,dá legitimidade pelas leis vigentes,OU SEJA,as leis dos proprietários privados ,ou seja,a CLASSE DOMINANTE,para protegerem, há séculos,O DIREITO DOS SEUS SENHORES,ou seja, OS RICOS,que o são,às custas do trabalho das grandes maiorias.O resto todo, é DEMOCRATISMO,ou seja,GARANTIDOR DOS PROPRIETÁRIOS PRIVADOS.Como se vê,AS PRIVADAS,PREDOMINAM,A DESPEITO DOS MAUS ODORES.E enquanto as massas não tiverem NARIZES,o BAILE VAI CONTINUAR.ISSO é,”DEMOCRACIA”,tão saudada pelos CANALHAS E SEUS DEFENSORES.

  5. Quando a esquerda tomar o poder, usar o poder como deve ser usado… sem republicanismo covarde, sem tergiversar com golpistas e sem negociar com fascistas. Eles devem ser acuados e derrotados. Simples.

  6. As preferências políticas são respeitaveis ,se democráticas.Se um grupo prega a tortura ,o extermínio de opositores ,o desrespeito por opiniões contrárias , carece de legitimidade.Sendo assim esses VERMES bolsonaristas,não deveríam estar ocupando postos públicos.
    Mas,como é que isso se soluciona? fiscalizando,mas,quem fiscaliza os fiscalizadores e seu corporativismo???
    Acabem com o MP ou fiscalizem o MP???se uma das suas funções é fiscalizar o trabalho da Polícia,quando eles se unem e formam uma quadrilha como na farsa-jato ,quem os pune?????

  7. Ja veicularam noticia de cliente de restaurante ser incomodado por funcionario pq juiz achou uma aberraçao um carro no estacionamento com desivo pro-Lula. Fosse comigo e ia rolar um puta barraco
    Trabalhos forçados p essa gente

  8. A idiotice dos constituintes foi dar status de membro de poder para todos do mp e judiciario, deveria ser restrito aos membros do stf, os outros deveriam ser enquadrados como servidores publicos como o são….em qualquer lugar do mundo…..coisas a serem corrigidas em constituições futuras, que virão, pois esta já foi ´para o saco…..outra questão, é permitido atuaão politica dos membros do mp e judiciario? Onde estão os orgãos de fiscalização dessas instituições?

  9. O judiciário dessa turma de procuradores e de juizes tipo Moro já virou partido político e o pior assumem às claras sua posição partidária à direita num acinte a isenção que se espera de quem julga e condena. Na maior cara dura ao estilo de seu mito Moro se dizem imparcial para julgar e condenar mesmo que a postura deles diante dos acusados mostre o contrário, ou seja, total parcialidade. Esse gente dita da lei já a algum tempo tomou o lugar dos politicos e transformaram o judiciário em arena política pouco se lixando para a incongruência dessa atitude.

  10. Em 2016 tivemos o “golpe dos concurseiros”, uma desgraça que não existia antes do Lula e da Dilma chegarem ao poder, exoneração, multa e cadeia nesses moleques.

  11. “Essas pessoas … vão definir quem são os humanos e que sub humanos que não merecem direitos”. — Vera Paiva

    No Brasil, há uma direita singular no mundo atual; ela milita abertamente contra a universalidade dos Direitos Humanos, ou seja, contra a Declaração Universal, a única e verdadeira que universaliza os direitos humanos para todos pertencentes da espécie H. Sapiens; pra essa gente há humanos não exatamente humanos e ela quer cassar humanidade de quem ela deseja caçar. A constatação é da professora Vera Paiva no vídeo abaixo:
    “— … e Direitos Humanos, é importante que ressalte isso, não são pessoas, né? A gente ouviu isso recentemente: Ah, cadê, o pessoal dos Direitos Humanos não vai chegar, não? Os Direitos Humanos não vão chegar? Não tem “os” Direitos Humanos, direitos humanos são princípios de convivência mundial, de modo de lidar com conflitos, né? E de modo de garantir a dignidade, a liberdade e autonomia das pessoas…

    — O Brasil, por incrível que pareça, eu ando o mundo de montão, porque eu trabalho com AIDS, né, há muitos anos, você mencionou isso, e a resposta global a AIDS só foi possível, quando a gente passou a pensar Direitos Humanos, né. Então, eu discuti Direitos Humanos na África, na Ásia, na Austrália, tá certo, viajei o mundo inteiros, né, como alguém que trabalha com isso, discuti, e o único país do mundo que tem essa noção é o Brasil. Quando a gente conta fora do Brasil, que isso se diz aqui, as pessoas não podem acreditar
    — Mas essa direita internacional emergente…
    — Não fala isso…
    — … essa base ideológica da pós-verdade.
    — … não fala isso”.
    https://youtu.be/FeNeeJ7NUEw?t=562

  12. quem passa nos concursos dos postos do funcionalismo mais elevados são os filhos dos ricos e da crasse mérdia q podem ficar por conta de estudar até passarem em alguma coisa. O filho do pobre precisa trabalhar. Essa gente faz dos cargos q ocupam uma extensão da classe social e de renda de onde saiu. E é assim desde q o Brasil passou a existir. Apenas agora ficou explícito. Tenho um conhecido q trabalha numa repartição federal onde todos são explicitamente crentes, todos gostam de sertanojo e todos votaram no bozo. Temendo ficar doente, ele tudo faz para tentar obter uma transferência, com medo de ser contaminado no meio daquele ambiente tóxico

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.