O ouro que o Brasil da elite sempre desprezou

Pulei, até agora, qualquer publicação sobre a Olimpíada e nossos atletas. Não sou de “tretas”, nem de cobrar que eles tenham de ter posições políticas e eleitorais, menos ainda que se pegue carona nos seus triunfos esportivos.

Mas, no penúltimo dia dos Jogos, a capa do site da Folha, sobre os sucessos dos atletas do Nordeste em Tóquio, numa estranha remissão antípoda do preconceito que sofrem nordestinos aqui, me trouxeram à mente uma das mais impressionantes imagens do drama que os livros me traziam quando jovem, do O Quinze, de Rachel de Queiroz e as Vidas Secas de meu involuntário e mal-seguido mestre Graciliano Ramos.

Veio também a memória a mesma Folha, nos anos 90, retratando o “homem-gabiru”, o nordestino mirrado como a vegetação do sertão, pela subnutrição crônica, por um darwinismo às avessas, onde ser pequeno, encolhido, parecia ser a chave para sobreviver até que “a terra pouca para o defunto parco” do Severino de João Cabral, o deixasse “mais ancho que estava no mundo”.

O repórter, o grande Xico Sá, dizia que havia gente sugerindo que o nordestino evoluía para uma “nova espécie”, menor mas mais adaptada à pobreza crônica.

Pois não é que, 30 anos depois, mesmo sem ter nunca tido o que têm os moços e moças do “Sul Maravilha”, mas tendo algum dicumê, alguma atenção, um pouco de formação, ao menos, de uma classe média, que pode se dar ao luxo de deixar os filhos se divertirem num esporte, de pegar onda com uma tampa de caixa de isopor e levá-los à praça para se divertirem num skate, eles já ns dão a maioria de nossas medalhas de ouro olímpicas?

Mas os nordestinos não eram indolentes, preguiçosos, conformados? Não eram os que esperavam que as coisas caíssem do céu? Ou do governo, como é comum as classes medias do Sudeste dizerem que os carregam nas costas?

Eu cresci ouvindo que eles eram uma raça menor, os “paraíbas”, gente que se aproximava de animais de tração, a carregar no corpo atarracado as obras de nosso progresso embora, disso, só fossem apreciar do outro lado da calçada, as belas construções, o prédio, a ponte, o viaduto.

Não é que deles fosse ou seja o monopólio da pobreza, mas eles foram e são, na visão de nossas elites, um problema, enquanto nos são, como país, parte de nossa solução. Porque o Nordeste tem um quinto do nosso território e um terço de nossa população. Quem seria louco de enxergar tanta terra e tanta gente como uma carga pesada e não um potencial imenso?

Alguém pode achar indolente quem enterra um remo na água, por um quilômetro, como Isaquias Barbosa? Ou quem enterra os braços na água por 10 km, como Ana Marcela? Ou quem voa sobre as ondas, mesmo feias e espumosas, como Ítalo Ferreira, que aprendeu com uma tampa de geladeira de isopor a brincar com o mar? Ou quem parte para o tudo ou nada como o rapaz do boxe, o baiano Hebert Conceição, que nocauteia o adversário? Ou da guria de Imperatriz que se diverte desde pequena no skate, com uma prata que brilha tanto quanto ouro?

A cegueira da elite brasileira, entretanto, é imune a este brilho. É incapaz de ver que o Nordeste nos pode dar, em curto espaço de tempo, não só atletas, mas doutores, profissionais, consumidores, atividade econômica, emprego, progresso.

Exatamente como se fez com estes nossos campeões olímpicos: um pouco de apoio, um muito de esforço, um infinito de orgulho e fraternidade.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.