O país da Glock

O jornal O Globo publica hoje, em números, a verdadeira corrida armamentista que se implantou no Brasil.

Já importamos, este ano, mais armamento que em qualquer ano da história recente, exceto 2019, quando esta fúria armamentista já corria solta e devemos chegar ao final do ano com gastos de perto de US$ 50 milhões em compras externas de artefatos bélicos, porque é isso o que são as armas autorizadas por Jair Bolsonaro para uso privado.

A prevalência absoluta das importações da Áustria têm nome: pistolas Glock, símbolos quase fálicos de milicianos e de cidadãos endinheirados que precisam desta “muleta ponto 40” para se afirmarem.

São dezenas de milhares de armas, na cinta ou na gaveta, prontas a tirarem a vida de alguém.

“Bala que mata gatuno também serve para furtar a vida de nosso irmão”, já escreveu, há 70 anos, Carlos Drummond de Andrade.

Bobagem, ninguém liga, é a “liberdade” do “cidadão de bem” de possuir um arsenal, afinal, tão perigoso quanto um liquidificador, não é?

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *