Salvar o Rio não pode ser só retórica

A manchete do Correio Braziliense proclama uma obviedade que a imprensa do Rio de Janeiro não tem coragem de escancarar em manchete: Jair Bolsonaro é o dono do Governo do Rio de Janeiro, agora.

Mesmo que o Superior Tribunal de Justiça reverta a decisão tomada monocraticamente pelo ministro Benedito Gonçalves, a situação de Witzel é tão precária que sua degola só será protelada até o final do ano se houver um acordo para entronizar definitivamente o “governador” Cláudio Castro, um completo desconhecido e desprovido de base de apoio para governar.

Neste caso, não precisariam ocorrer novas eleições diretas para o Governo.

Bolsonaro tem nas mãos a viabilidade econômica do Estado, que precisa da flexibilização das exigências do acordo sobre a dívida do Estado, acertando ainda no governo Temer.

Castro, diz o Correio, deve deixar o PSC, amaldiçoado pela prisão do Pastor Everaldo Pereira e ingressar o Republicanos, o partido de Marcello Crivella e dos dois filhos de Bolsonaro que têm mandatos pelo Rio: Carlos e Flávio.

Mesmo contra a sua vontade, pelo fato de não ter conseguido reunir os partidos de esquerda em torno de sua candidatura, impõe-se a Marcelo Freixo reavaliar sua decisão de não disputar a eleição à prefeitura do Rio de Janeiro, para que não nos vejamos definitivamente atropelados pelo bolsonarismo.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.