O país das calçadas

Aí está, nos números do IBGE, o que você vê pelas calçadas quando sai à rua.

13,5 milhões de pessoas (número do ano passado, agora deve estar acima de 14 milhões) vivendo (?) com menos de R$ 145 reais por mês.

Nem 5 reais por dia.

Número, diz a Síntese de Indicadores Sociais (SIS) divulgada hoje pelo IBGE, “equivalente à população de Bolívia, Bélgica, Cuba, Grécia e Portugal”.

É de fato, um país. O país da calçada, do casebre de taipa, das camas de papelão, o país que aborda a nossa indiferença, que retarda nosso passo apressado, que virou tão comum que a gente esquece de deixar apertar o coração.

É a gente que Paulo Guedes diz que “não sabe poupar”.

Os técnicos explicam que boa parte se deve à queda dos valores pagos no Bolsa Família, na queda da renda que ainda lhe permitia um biscate, uma capina, algo para o, devem dizer os 7,7 milhões de nordestinos nesta situação, o “dicumê dos minino”.

Mas é só uma amostra, porque as políticas neoliberais que se comentou a implantar em 2015, para satisfazer a insaciável fome no “mercado”, ainda nos vão levar a coisa mais apavorante.

É o “dicumê” venenoso deste modo de pensar, que acha merecido, por serem pobres, por serem negros, por serem “paraíbas” aos quais se deve dar nada.

Ou se der, que dê polícia.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

5 respostas

  1. O negócio do Guedes é alimentar os rentistas. Para que ele quer economizar tanto? Onde os donos da Globo estão colocando os bilhões dos lucros que a empresa distribui anualmente conforme as atas publicadas no DO do RJ?

  2. O negócio do Guedes é alimentar os rentistas. Para que ele quer economizar tanto? Onde os donos da Globo estão colocando os bilhões dos lucros que a empresa distribui anualmente conforme as atas publicadas no DO do RJ?

  3. O que dá mais tristeza é o egoísmo daquele cidadão que está empregado e tem estabilidade, não se preocupar nenhum um pouco com o próximo, e alguns estufam o peito e tem a coragem de chamar o desempregado de vagabundo, um egoísmo sem limite, a gente vive numa sociedade: desonesta, egoísta, competitiva, consumista, conservadora, moralista.e desigual….é muita desigualdade! isso é uma chaga..uma lepra… é um desabafo…desculpa…!!!

  4. Pois é, para onde está indo o dinheiro economizado com a peça da morte? Qual o montante arrecadado? Que a mídia genocida não toque no assunto é compreensível, mas os bloques progressistas e a oposição deveriam esclareçer esse assalto….

  5. E pensar que tudo isso é graças a classe media brasileira que odeia pobre e inveja os ricos querendo ser um.
    A massa de desempregados passa dos 30% esse negócio de 14% é só para Ingles ver. Tem uma instituição responsável por isso, ela chegou aquietrazida pela familia real,e com o seu poder rastejante aparelhou tudo, sem ela não se governa, Dilma foi derrubada mais por ser mulher do que por outra coisa, para essa instituição mulher só serve para ser recatada e do lar, e fazer supermercado também. (entendedores entendam) Tudo esta cheirando a Bode.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.