O partido de Bolsonaro pode ser fake news. Sua disposição de destruir, não

O novo partido de Bolsonaro – “90% de chances”, segundo ele – tem toda a pinta de ser despiste.

Afinal, tem-se que reunir 500 mil assinaturas, quase, e validá-las na justiça eleitoral, além de outros trâmites burocráticos.

Marina, com sua Rede, quebrou a cara em 2013; o Novo, com todo o apoio empresaria de João Amoedo levou mais de três anos, e outros foram por aí.

Só o Solidariedade, do Paulinho da Força, que dá nó em pingo d’água e contava com a estrutura da Força Sindical andou rápido: oito meses.

Mas acontece que Bolsonaro só tem seis meses.

E um complicador: os apoiadores não podem ser filiados a partidos políticos e o PSL, que já tinha 270 mil integrantes, anunciou ter filiado outros 180 mil em abril. Todos os nomes que constarem como filiados serão invalidados em uma lista para a criação de um novo partido.

A tarefa é imensa e Bolsonaro precisará de “sócios” que montem uma máquina de adesões.

Portanto, vai ter de transformar as igrejas evangélicas em ponto de coleta de assinaturas pelo país afora, a César o que é de César e a Jair o que é de Deus.

A “franquia” mais provável é a da Universal, mas recorde-se que o Bispo Edir Macedo tem seus próprios interesses. Um deles, claro, salvar Marcello Crivella nas eleições do Rio de Janeiro.

Macedo, além disso, já tem o seu partido – o Republicanos.

Passou pela cabeça dos olavistas criar o Partido da Família Brasileira, mas a sigla, PFB, era muito provavelmente uma piada pronta: Partido dos Filhos do Bolsonaro.

E o “Partido da Defesa Nacional” não soou muito bem à cúpula – da ativa – das Forças Armadas.

Apesar disso, não é impossível que assim seja, porque o ex-capitão diz que se contenta com “talvez umas 200 candidaturas pelo Brasil”, o que não chega a 4% dos municípios brasileiros.

Bolsonaro, portanto, deixa claro que não quer construir nada, nem mesmo um partidos com as suas – vá lá, sejamos generosos – ideias.

Seu programa é a destruição.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

8 respostas

  1. Levando em conta que ele e os filhos cometem crime depois de crime, quase que diariamente, e nada lhes acontece, imagino que o TSE e outras “instituições sérias” do país consigam dar um jeitinho e correr na medida da pressa do presidente…não há mais leis a serem cumpridas que não possam ser ignoradas. Estamos no faroeste e no faroeste vale tudo.

  2. O Brasil é governado por Olavo de Carvalho (Jim Jones).

    Os brasileiros são bolçominions.

    Seu bispo é o bolçodória.

    O cometa se aproxima!

  3. Num país onde a Globo se diz enganada pelo Bozo, tudo é possível. O Brasil se tornou uma grande fake news, um país fictício que só tem nome e lugar no mapa. Rapidinho eles vão conseguir um milhão de assinaturas, vocês vão ver.

  4. Não há construção na mente de um destruidor.

    Esse destruidor é apenas uma usina de geração, em tempo contínuo, de MENTIRAS para as massas, enquanto os abutres fazem a rapinagem do Brasil.

    E todos perdem. Exceto a BANDIDAGEM de RAPINA!

  5. Li no UOL:
    ‘Defesa contradiz Bolsonaro sobre óleo e diz não saber se o pior está por vir’.
    O que o senhor pensa que está fazendo capitão?
    Está querendo começar a semana assustando o país para desviar o foco das confusões em que o senhor esteve envolvido na semana passada?
    Cuidado viu. Reze para o caso envolver o navio grego ou outros navios que não estejam associados aos EUA – que é o maior comprador de petróleo venezuelano. Trump já demonstrou que conta com o seu apoio para indispor o Brasil com a Venezuela. Ele sabe que o senhor é doido, odeia Nicolás Maduro e o ama. Risos. A primeira coisa que o senhor fez foi responsabilizar a Venezuela pelo derramamento de óleo no nordeste como se Nicolas Maduro tivesse motivo para fazer isso e já não estivesse cheio de problemas com os EUA tentando derruba-lo.
    E se Trump resolveu usa-lo, capitão? Já pensou nisso?
    Lamentavelmente, o senhor não manifesta nenhum apreço pelo meio ambiente. Como chefe de estado sequer se dignou a sobrevoar a Amazônia ou o Nordeste para ver o tamanho dos desastres ambientais. Outro agravante é que o senhor já demonstrou que não gosta do Nordeste. Além disso, seus antecedentes antes de ser praticamente expulso do exército não ajudam em nada.
    Portanto, ‘se o pior vier a acontecer’ , esse é o tipo de afirmação que pode vir a compromete-lo, caso venha a aparecer indícios de participação americana, eis que o senhor está muito longe de ser clarividente.
    Reze para os EUA não estar envolvido neste vazamento, capitão. Porque, se a Marinha descobrir, pode até esconder o fato para não correr o risco de envolver o Brasil num conflito, mas com certeza, o senhor ficará como suspeito de conivência com Trump, até porque , na Marinha deve haver vida inteligente.
    Cada dia que passa eu tenho mais certeza que a sua ruína virá pela sua própria boca capitão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.