O “pibinho” de 2018. E por enquanto…

stooges

O Valor dá manchete dizendo que os bancos reduziram suas estimativas para o PIB de 2018.

O índice de 2,37% do Boletim Focus ontem não se sustenta, porque na hora de fornecer previsões, os bancos seguram o pessimismo, porque sabem que fazer alarde dele é prejudicial aos seus interesses.

A sempre otimista com as políticas neoliberais Miriam Leitão, na mesma linha, já dá voz a consultorias que estimam um crescimento de 1,9% este ano, mas “se tudo der certo”.

Francamente, quem espera que “tudo dê certo” até o fim do ano ficou com a sua remessa de remédios retida nas estradas.

João Paulo Kupfer, talvez o mais sereno e lúcido analista de economia da imprensa brasileira, revela que o buraco é bem mais embaixo.

Se os indicadores de atividade em abril conhecidos já não apontavam retomada digna de nota, com os acontecimentos de maio, as hipóteses para o crescimento da economia, no segundo trimestre e no conjunto do ano, desabaram. Não só as perdas diretas com a paralisação de praticamente toda a economia, mas também a piora nas expectativas — o que envolve a constatação da fraqueza do governo e mais incertezas em relação às eleições presidenciais de outubro —, estão entrando nesses cálculos mais pessimistas.

Em relação ao primeiro trimestre, as previsões para o período abril-junho começam a rodar em torno da estabilidade quando não sinalizam alguma contração. Para o ano, números convergem agora para um intervalo entre 1,5% e 1,8%, mas já é possível encontrar apostas em expansão ainda menor, na vizinhança de 1%.

E por enquanto, olhe lá.

Porque as águas poluídas internas se juntam com o mar que não está para peixe no exterior.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

5 respostas

  1. Parece haver uma diferença entre previsões metereológicas e previsões econômicas no Brasil. Enquanto os primeiros se esforçam para acertar, os últimos fazem questão de errar. Qualquer coisa acima de 1% já está na casa do muito otimismo. 2% é desvario. A essa altura, eu acho que o governo já lucra se não desfizer o crescimento de 0,4% do primeiro trimestre.

    1. Os bancos e a turma mercadista tentam de todas as maneiras esconder o óbvio: o país está em plena recessão e mais uma bobeada cai em depressão.Vai ter retomada da economia como?? A dívida pública ganhou mais um rombo, os investimentos externos sumiram junto com a alta dos juros americanos, o mercado interno está anemico devido ao desemprego e a queda na renda do trabalhador, a construção civil está paralisada e os investimentos públicos foram congelados. Ou seja, a economia está no fundo do poço e não existe nenhuma corda para puxá-la de lá……

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.