O pior dia entre os piores dias da pandemia

Hoje foi o pior dia de expansão de pandemia do coronavírus, por várias razões.

A primeira é a de que o número de novos casos diários continua se expandindo.

No final de fevereiro era de 1.350. Ontem, pouco mais de 16 mil. Hoje, 20 mil.

E com detalhes sinistros: os EUA, que eram o sexto colocado em casos novos, são agora o quarto e, amanhã, devem ultrapassar a Alemanha (3°) e, talvez, a Espanha (2°), ficando apenas atrás da devastada Itália.

24 horas depois de ter anunciado um plano e emergência que não contemplava o emprego e o trabalhador da informalidade. p governo fez mudanças.

Insuficientes e sem foco.

Dar 200 reais por mês ao trabalhador informal, num país que tem 40% de informais é medida cara para pagar e complexa para receber.

Não resolve, embora alivie, como não resolve, ainda que alivie, a projetada suspensão do contrato de trabalho e o pagamento de um seguro-desemprego antecipado. Daqui a três meses, será demitido e não terá o seguro desemprego.

Falta a compreensão que o pós-pandemia ainda será crise e que seus efeitos e perda de produção, emprego e renda seguirão por meses ou mais.

É preciso colocar dinheiro em projetos que, embora possam levar dois ou três meses para tornarem-se geradores de emprego, ponham suas providências.

Especialmente na construção civil e na áreas que estão com desemprego crônico, como a indústria naval.

A crise é na produção e nos serviços e é neles que a retração terá e ser combatida.

Redução de jornada e de salário é um tolice, que vai atingir, na prática, ninguém.

A visão de Paulo Guedes é meramente contábil.

Está muito longe de ser de um economista

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

15 respostas

  1. É um louco brincando com a saúde pública e financeira do já combalido POVO Brasileiro.

  2. Sobre o Bozo, nem exijo que ele faça um bom governo, mas que ao menos se comporte como um presidente. Ele tem agido como moleque.

    Tenho 51 anos, mesmo o deslumbrado e arrogante do Collor se portava melhor.

  3. Indústria naval é um serviço muito especializado não vai contratar muita gente. Não vai adiantar nada por dinheiro nisso agora numa emergência.
    Tem que por dinheiro na construção civil, na saúde pública, no comercio, nos serviços. Isso absorve a mão de obra mais rápido e vai gerar renda para segurar o pib.
    Mas prioritário é dinheiro para saude para cuidar do povo.

    1. Faz hospitais. Aliás é um absurdo não ter separação em hospitais e atendimento separado para doenças infecciosas. Em todas as UTIs que visitei, não tem isolamento adequado para isso. Vai morrer todo mundo nas UTI. Não é a toa que tem médicos infectados.

  4. O plano certo seria, ajudar os informais com um salário emergencial, para aqueles que ganham até três salário ficarem em casa, mas pago pelo governo.Suspender todos salários do Executivo, Judiciário e Legislativo e a economia destes ( quinze dias parados) seria coberta pela economia destas categorias. Quem ganha muito não haverá problema de ficar sem salário por quinze dias. Ta ai um programa de guerra. Querem tirar é nas costas dos mais fracos. Que o governo faça um plano emergencial deixando de pagar quem ganha acima de três mil reais. Mas, esta turma tem o seguinte dogma:Farinha pouca, meu pirão primeiro

  5. Tem países da Europa que suspenderam o pagamento de água, luz,gás e desconto de 50% no valor dos planos de saúde e mais algumas coisas. E aqui no Brasil vejam a loucura deste Governo: Quer que fechem o comercio e a industria e outras atividades e mandem seus empregados para casa sem direito a salário. Devem estar loucos.A situação do Chile x Guedes contaminou o Brasil. Já,já veremos protestos violentos nas ruas.

  6. Tchutchuca não é economista, é aquele malandro que chega na empresa e oferece jeitinho pra sonegar. “Prefere que o Estado te roube 1 milhão ou quer me pagar 500 mil e nenhum imposto?”

  7. Uma coisa é certa, é preciso pegar uma picareta e demolir radicalmente o cupinzeiro que o Guedes estava a construir e que drenava para poucos os recursos da nação. Uma providência magistral seria a revogação total daquilo que chamaram de “Reforma Trabalhista”. Isso reporia as condições produtivas sob as quais o país crescia em paz e se impunha como uma das seis maiores economias do mundo. Hoje, a frase que mais se escuta no planeta inteiro é esta: “Você quer fortalecer sua nação ou apenas enriquecer algumas pessoas?”

  8. Brito, você está muito “light” ao avaliar Guedes. É preciso, definitivamente, desmascarar e expor esse arremedo de economista: ELE É TOTALMENTE DESPREPARADO E DESQUALIFICADO PARA O CARGO QUE OCUPA. É fraco intelectualmente, medíocre, ignorante, como são TODOS OS MINISTROS deste governo do bufão, digo, Cachorro Louco.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.