O problema não é Olavo. Mourão sabe, mas não pode reagir

Hamílton Mourão atira onde pode e como pode.

Fazer “graça” com a astrologia de Olavo de Carvalho seria uma saída pela tangente aceitável em outros casos, mas o caso é mais em cima, agora, que Jair Bolsonaro mandou endossar nas suas redes sociais o vídeo em que, embora sem ter o nome citado, Mourão é ridicularizado pelo guru do clã presidencial, Olavo e pelo guri Carlos.

É evidente que o “Mito” está esticando a corda com seu vice.

Não por um embate ideológico, apenas político, pois afastadas as grosserias e as carolices de Olavo, o fundo ideológico é o mesmo: conservador e entreguista, embora o do guru fique seja mais comparável ao “golden shower” norte-americano.

Ocorre que Olavo a ferramenta ideal para enfrentar a linha de “alternativa viável” da qual Mourão – não se sabe se só ou com quanto apoio da “ala militar”  do governo – resolveu vestir-se.

Moro e Guedes, os outros “comandantes de destacamento” do governismo, ambos fugiram a este confronto, certamente não sem alguma repugnância ao papel de bajuladores do “bruxo”.

Mourão, desafiado, topou e, agora, é nome maldito para a base social do bolsonarismo.

Por isso disse que atira onde pode e como pode. Não pode atirar em Bolsonaro e não tem como disparar calibre maior que ironias ou escafeder-se em um “não vou discutir com este sujeito”.

Só pode fugir ao combate e esperar que o chefe se desgaste.

E isso lhe custa, caro: custa o papel de “durão” que construiu em toda a carreira.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

17 respostas

  1. É bom o editor do blog e os leitores não irem nessa onda, sendo pautados pelos bozo-milicianos e outros comparsas golpistas. O general cafuso que se acha ariano é a outra face da moeda do bozonarismo. A direita golpista, vira-latas e entreguista pauta e manipula o que lemos, vemos, ouvimos e discutimos. Não se iludam com essas “contradições” no seio do bozonarismo; elas fazem parte da guerra híbrida.

    1. Há distinção. Ainda há pouco era difícil de distinguir correntes de interesse nos vitoriosos do golpe de estado contra o PT. Hoje já é possível ver que há duas correntes bem distintas entre eles. Há uma corrente que não quer de jeito nenhum a implantação de uma ditadura de extrema direita, e outra que quer exatamente isso.

      1. Comcordo. E uma disputa entre duas facções mafiosas, talvez uma seja menos pior q a outra. A a facção olavete pretende a destruição total do país, não deixar pedra sobre pedra, politica de terra arrasada. A do general quer preservar alguna coisa, os interesses da Casagrande, quando se põe em defesa do agronegocio e impede a guerra declarada aos países arabes e a China. Para as duas facções, o povo não é nada.

  2. Parece que mulão aposta a mesma ficha da esquerda,aguentar até que o asno morra de inanição intelectual.
    Discordo de quem acha que isso é jogo de cena ,desvío de foco ,proposital ,não é necessário desde nenhum ponto de vista.
    Facilitaría ainda mais o furto e a entrega do Brasil ,se este bando de delinquentes procura-se ao menos, manter as formas.

  3. Olavo e Mourão brincam de boi e piranha, se revesando, enquanto tudo está sendo destruido: previdencia, direitos humanos, ibama, meio ambiente, sistma de fiscalizações, ICMBio, … a lista é enorme e só vai aumentando.

  4. Enquanto olavo deveria ser apenas astrólogo, seu chefe BOSTA deveria ser apenas um presidiário envolvido com corrupção e milicianos assassinos !

  5. Acredito que não passa de “circo”, enquanto roubam os “pão”. Não possuem plano de governo e precisam alimentar a imprensa. Tem meses que o país só se alimenta de notícias de baixo nível e NADA sobre economia, crescimento, emprego aparece. E como diz Mourão: segue o barco…

  6. O vídeo é todo encenado cuidadosamente. Olavinho está treinando tiro ao alvo com seu rifle favorito, e se meteu em uma camisa colorida que não consegue esconder o contorno avantajado de sua pança. Ele começa a falar fazendo de conta que só tem dores de cabeeeça com os probleeemas do Brasil, que sua vida se transformou em inferno com a eleição de Bolsonaro. Depois, devagarinho, coloca Bolsonaro na alta condição de “mártir” e ataca o Exército da maneira mais cabal, dizendo que quem fez o golpe de estado de 64 foi o Carlos Lacerda e o Ademar de Barros, e que os militares entraram de gaiatos na história, e prepararam o país para ser entregue ao comunismo. A guinada nacionalista dos militares desenvolvimentistas, ele considera como sendo uma preparação para a entrega do Brasil aos comunistas, que mandaram no país e o desgraçaram, até à eleição do Bolsonaro.

    Ora, se o Olavinho, que está com o leme do governo na mão, se dá ao trabalho de espinafrar todo o Exército como sendo cheio de gente acomodada e que não está atenta ao avanço da marcha dos comunistas, “como seria de seu dever”, reservando para o Mourão apenas uma pequena piada en passant, então é porque o Mourão não está tão isolado como alguns analistas querem que se entenda que ele está. Estes analistas querem dizer que os militares em peso estão com Bolsonaro e que o Mourão está isolado, o que não é verdade e é até muito estranho de dizer. A verdade é que há os militares que desejam preservar as instituições e estes estão em luta contra os olavistas/lavajatistas. Os olavistas tentaram isolar o Mourão do Exército, não conseguiram e agora atacam todo o Exército. Claro que também há militares que são olavistas e até radicais. Outro engano é achar que Bolsonaro pode usar o Olavo para dizer o que quer sobre os militares. Ninguém no Brasil (no Brasil…!) pode usar o Olavo. Ele é quem dita o que Bolsonaro deve fazer. Mas continuando, os militares institucionalistas, que querem fazer o país caminhar sem qualquer ruptura dramática que só aprofundaria a crise em todos os sentidos, estes estão a formar, por conta das circunstâncias, com o Supremo Tribunal Federal um bloco que se opõe à tentativa de instalação de uma ditadura olavista/lavajatista. O projeto neoliberal faliu completamente, todo mundo viu, nestes quatro anos de vigência. Ninguém se iluda, o presidente do Supremo e um dos ministros não levariam adiante o inquérito sobre a Lavajato sem respaldo militar. Esta história de tentarem repassar oito bilhões de reais para aquela turma é uma punhalada no conceito mais elementar de Segurança Nacional. E este episódio do Antagonista serviu para que toda a grande mídia empresarial tirasse a máscara e se denunciasse como de extrema direita e, possivelmente, como favorável à instalação da ditadura.

    1. eu realmente não sei onde acaba a burrice e falta de noção e onde começa o cálculo.

      (não falo de bolsonaro, obviamente um asno pra quem a presidência é e vai se tornar cada vez mais uma maldição, mas do entorno – Olavo, Mourão, o próprio STF, o próprio parlamento).

      é de amargar que Olavo de Carvalho tenha se tornado uma referência política. a abominação intelectual da classe média brasileiro é algo mesmo assombroso de se ver assim tão de perto.

    2. Os demais generais sabem q serão os próximos. Não ficará apenas no Mourao. Alias, o objetivo final é a destruição das FAs. Bolsonaro disse q veio para destruir. Para q FAs em um quintal? Acredito até q o astrologo esta tentando plantar o conflito, revolta, cizânia dentro das próprias FAs, criar um motim contra os comandantes, os generais. Não foi isso q bolsonaro fez quando militar? Foi esse mal exemplo q bolsonaro deixou como militar, de insubordinação e desrespeitos aos seus superiores, aos comandantes. Como Geisel disse um pessimo militar. O astrologo com esse discurso de q os generais de 64 eram comunistas porque optaram por uma politica econômica desenvolvimentista tenta criar o conflito dentro das FAs, plantar o motim. Coloca Bolsonaro como mártir dos generais para os tenentes, sargentos, cabos se revoltarem contra os comandantes. Ele está sendo maquiavélico.

  7. Todo durão da boca pra fora é um banana inrustido. É como cachorro latindo por quaquer barulhinho, ladra mas não morde. Aliás, nem assusta.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.