Previdência: cheiro de adiamento no ar

Como era fácil de intuir, a certeza da votação, amanhã, do projeto da Previdência já se foi.

A revelação, ontem, pela Folha de que o Paulo Guedes decretou sigilo sobre as contas que embasaram a proposta de Emenda Constitucional “melou” o acordo que se desenhava entre o governo e o “Centrão”.

Tanto que o negociador do governo, Rogério Marinho, acenou com uma quebra deste sigilo “en privé”, na quinta-feira, apenas para os líderes partidários.

E Rodrigo Maia encampou a tese de que “votem, que depois eu te conto“.

É, evidentemente, um tapa na cara dos demais deputados, ao pretender que votem em algo que terá seus dados revelados dois dias depois.

A articulação parlamentar do Governo Bolsonaro é um modelo de insensatez.

Viu, e não aprendeu, que não irá aprovar as coisas a tapa.

Dificilmente aprenderá até amanhã.

Embora seja possível que os deputados aceitem o tapa como lição.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

4 respostas

    1. SOMOS UM POVO ACADELADO AOS FASCISTAS…
      SOMOS UM PAÍS SUBMISSO AOS EUA!
      SOMOS UMA PÁTRIA COM UM EXÉRCITO DE NÓIAS ENTREGUISTAS CAUDATÁRIOS DOS IANQUES…
      ENFIM, SEQUER TEMOS MAIS HEGEMONIA SOBRE A FRONTEIRAS!
      AFUNDA BRAZIL!

  1. Tivessemos um mínimo de articulação cívil, esta proposta estaria morta e enterrada. Porém, parece que até mesmo os sindicatos estão com medo de se posicionar contra esta maltida reforma.

  2. O deputado que, ao menos ensaiar a votação da admissibilidade amanhã, e antes de uma discussão séria e honesta desses relatórios deve ser defenestrado do congresso, vamos ficar atento.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.