O que fazia ‘Carluxo’ na reunião da Pfizer com Wajngarten?

Se a oferta da Pfizer, formulada em agosto do ano passado, ficou “na geladeira” até o final do ano e se, afinal, o Brasil comprou o imunizante com o mesmo preço e as mesmas condições de isenção de responsabilidade que era exigida então, é evidente que só o nosso país e a população tiveram prejuízo com a paralisação dos entendimentos com a farmacêutica, porque a vacinação atrasou-se em 4,5 milhões de doses ou até um pouco mais, porque a oferta teria, com certeza, alguma reserva que poderia ter sido obtida com uma contraproposta firme.

Isto está claro.

O que não está claro é porque “não houve resposta, nem positiva, nem negativa” – como informou o então presidente da empresa, nem porque a Pfizer foi procurar Fábio Wajngarten para reaproximá-la do Ministério da Saúde, muito menos porque Paulo Guedes ciente da oferta, na presença de Bolsonaro, não agiu para viabilizar a compra.

E, sobretudo, como acaba de ser relatado, que Felipe Martins, o olavista presidencial, e o vereador Carlos Bolsonaro faziam na reunião entre a diretora jurídica da Pfizer, Shirley Meschke, e o secretário de Comunicação da Presidência.

O comando paralelo da Saúde, que aqui tem sido chamado de Gabinete do Vírus, está mais que caracterizado.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email