O que Meirelles sabe e que nós não sabemos?

deluge

Convenhamos que, em qualquer situação política que se agarrasse ao mínimo de lógica, seria impensável que o Ministro da Fazenda dessa, de viva voz, uma declaração como esta que o Estadão publica como manchete: concorrer contra seu próprio chefe. Menos ainda quando ostenta, com boa-vontade, perto de 1% das preferências eleitorais.

Meirelles, esperto o suficiente para sair da presidência da organização empresarial dos irmãos Batista sem virar carvão, sabe que não tem absolutamente nada – nem mesmo um partido político –  a garantir-lhe a pretensão de candidatar-se e, menos ainda, a de vencer.

Mas sabe, ao mesmo tempo, que Temer tem, ao menos por enquanto, as mãos amarradas quanto a substituí-lo. E com mais cordas ainda se for mesmo candidatar-se à reeleição.

Na matéria do Estadão, a pista para entender o que se passa: “interlocutores do ministro dizem que, com o fracasso da reforma da Previdência, ele ficou sem sua principal bandeira: o ajuste das contas públicas”.

Como Meirelles terá de sair até o final de março para ser candidato e descarta continuar a ser ministro da Fazenda apenas – ” é uma etapa cumprida”, disse – está marcado, em última instância, o prazo de sua permanência.

E, como se sabe, o período “la garantía soy yo”  que ele marcou no comando a economia.

Há sinais de um “d’aprés moi le deluge”?

 

contrib1

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

22 respostas

  1. Tive uma ideia: o eleitor não votaria mais diretamente para escolher o presidente. Em vez disso, os deputados e senadores é que votariam em seu lugar. Qual o problema? Os deputados e senadores não foram eleitos pelos eleitores para representá-los? Então, o presidente “eleito” por eles seria legítimo, já que foi eleito pelos escolhidos pelo eleitorado para representá-lo. Não sei, acho que já ouvi esta conversa estúpida e sem vergonha antes…

  2. “d’aprés moi le deluge, mas esse governo Temer temos “deluge” de roubo e picarategem o tempo todo, sempre com o apoio do judiciário e da Mídia. Por sinal a atual procurador a Sra Dodge já disse que não vai investigar do denuncia do Ministério Público Suíço dos milhões do sr Paulo Preto, nem os procuradores de SP que não se interessam. Como diz Boulus, ” Bom mesmo é ser ladrão no PSDB , onde a justiça não quer investigar nada relacionado ao partido do FHC”.

  3. Não sabemos, Brito? Claro que sabemos. O sr. Meirelles também sabe muito bem que esta nau furada não aguenta eleições pra valer, nem tampouco a nossa pobre democracia aguenta o tranco dado pelo golpe. Daí, sua confiança em que as “forças ocultas”, como dizia Jânio, lhe darão respaldo para assumir e continuar seu servicinho sujo. Atualmente, as tais forças nem se escondem mais, os mercados e seus adoradores (incluindo aqueles que usam coturnos ou togas) fazem à luz do dia todas as negociatas políticas, jurídicas e econômicas que bem entendem. E o povo que se exploda, como tão bem ilustrava aquele personagem do Chico Anísio, o deputado “Justo Veríssimo”.

  4. A frase com que Fernando Brito fecha esta nota é atribuída a Napoleão Bonaparte e era sempre dita ao final da homilia pelo saudoso Padre Acrísio de Reis, pároco por mais de 40 anos na pequenina cidade do interior de MG em que nasci e passei minha infância e adolescência. Os mais afoitos, os mal intencionados ou os canalhas de mau caráter alegarão que Henrique Meirelles foi o homem que comandou a economia nos governos do Ex-Presidente Lula, quando presidiu o BC. O que esses picaretas esquecem é que no governo do Ex-Presidente Lula Henrique Meirelles era subordinado ao Presidente da República e JAMAIS lhe foram permitidos os arreganhos privatistas e entreguistas que ele. Meirelles, comandou no (des)governo quadrilheiro de Michel Temer.

    A missão cumprida de HM é ter desmontado o Estado de bem-estar social e promovido a 2ª fase da privatifaria. Quanto ao “candidato” Henrique Meirelles não vale a pena comentar não-fatos e não-notícias.

        1. Então: já ouvi as duas versões, uma delas atribuindo a frase a Luiz XV, outra atribuindo-a a Napoleão. Por isso fiz questão de mencionar a expressão “atribuída”, sem confirmar a autoria.

        2. Além de patetão, também é pedante. Digitando a frase no google, se encontram a tradução, respostas e explicação, mas postando uma resposta tentando parecer mais culto do que o autor do comentário, talvez você fature mais alguns centavos. Se fosse inteligente, não se prestaria a este papel e já teria conseguido um emprego decente. Esta é versão da Wikipedia, mas existem outras:
          “Après nous, le déluge” (“After us, the flood”) is a French expression, attributed to Madame de Pompadour, the lover of King Louis XV of France.[1] An alternative form, attributed to Louis himself, is “Après moi, le déluge” (“After me, the flood”). The saying came after the Battle of Rossbach in 1757, which was disastrous for the French.[2]

          1. Viu, Ernesto Ewald Filho? Você apoiou o golpe que roubou meu voto, não preciso ter nenhum respeito por você, mesmo que você tente demonstrar que é educado, porque você ajudou a me roubar.

        3. que engraçada é vc mocinha…,e burra.Atirou-se na piscina sem ver antes,se tinha água.
          Moral desprezível,intelecto deficiente ,não faça o ridículo…”corretor”.

        4. Arnestinha Ewald Passiva Louca

          Se fazendo de engraçadinha ?
          Pelo menos não está escrevendo tanta MERDA !
          Xibunguinha!
          Vagabunda!

    1. Arnestinha Ewald Passiva Louca

      Se fazendo de engraçadinha ?
      Pelo menos não está escrevendo tanta MERDA !
      Xibunguinha!
      Vagabunda!
      Otária !

  5. Meirelles está sempre plantado nos melhores lugares para aumentar ou reduzir a perda dos bancos. No governo Lula o objetivo foi manter o tripé de FHC para garantir o rentismo.

  6. Vejam a desgraça que o stf ao dar o golpe contra a Dilma nos legou.
    Desgraça que não tem tamanho. Destruição da democracia e da economia do país. A candidatura meireles é um milésimo da desgraça que o stf nos causou.
    Depois do golpe o caos.

    1. É isso aí. Destruíram o País No JB de hoje: ibge diz ter 26.300 SEM EMPREGO.
      EFEITO ORLOFF SEREMOS VENEZUELA AMANHÃ.
      Matemática a ciencia EXATA.

      1. quem “informa” vc? partindo do fato do império ser o cérebro do golpe no Brasil já podemos estabelecer enormes diferenças entre os dois países.
        Pare de comer ração,informe-se.

  7. O que mais impressiona é que de todos os presidenciáveis da direita e da extrema direita, nenhum se apresenta diretamente ao povo. Como candidato que fale diretamente ao povo do Brasil de seus problemas e de como pretende resolvê-los. Só se dirigem ao Sistema Financeiro, como se coubesse unicamente a este a escolha do próximo presidente, sem necessidade alguma de que existam eleições. Como poderá governar o país um sujeito que considera o voto popular um mero detalhe que na sua cabeça será resolvido depois da sua escolha prévia pelo Sistema Financeiro, um problema menor a ser resolvido talvez com uma maciça campanha de mentiras na mídia cuja credibilidade, quando se trata de opinião, está a zero com a opinião pública? O povo para todos eles é só um detalhe insignificante? Que não terá seu próprio candidato e será obrigado a escolher o ungido pelos predadores do país? Então tá. Vamos ver como vai ficar.

  8. Esse país está insuportável de viver nele, o “deus” mercado e que manda, a vida do pobre não vale nada, a juventude está sendo dizimados pelo crime.
    E vida não vale nada aqui, narcotraficantes DE tornam políticos de prestígio.
    Para manter a inflação em baixa se sacrifica empregos, saúde, segurança e educação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *