O que o prestígio dado a Olavo de Carvalho ensina sobre Bolsonaro

Evitei tocar aqui na “treta” entre Olavo de Carvalho e Silas Malafaia sobre qual dos dois “ajudou mais” a eleger Jair Bolsonaro, até porque não há dúvidas que o fundamentalismo neopentecostal é dono deste “laurel”.

Mas esta história acabou por provocar uma reflexão: afinal, porque o presidente da República dá a Carvalho, que não tem votos nem de Feliz Ano Novo, prestígio tamanho que o faz entregar-lhe o Ministério das Relações Exteriores e , sobretudo, o finado Ministério da Educação, atualmente interditado até que se resolvam as querelas do “olavismo”?

Certamente não é por ideologia, o que diz abominar, nem pela filosofia que o homem da Virgínia – com o perdão do ator Lee J. Cobb –  Filosofia, pra Bolsonaro, é algo que deve ter relação com “filar” alguma coisa de alguém e Olavo de Carvalho não tem importância, apenas serventia.

Mas a burrice que exsuda do ex-capitão não deve enganar aos que não acreditam no seu tino político transtornado.

É que Bolsonaro não sabe e não quer reunir apoios, quer reunir adeptos, fanáticos, incondicionais e nisso ele não é bom, é ótimo. E nisso, elementos como Olavo são essenciais.

É isso que a elite intelectual brasileira, depois da vergonha de ter posado de “isentona” frente à disputa eleitoral de 2018, com a desculpa da “autocrítica” ou de quem ambos, ele e Haddad, eram “radicais”, não consegue compreende.

Jair Bolsonaro não é apenas tosco, inábil , incapaz de articular um governo ou de propor algum tipo de política de governo.

Ele é o líder e formador de uma matilha fundamentalista, que tem como projeto formar maioria pela intimidação e que, para isso, aposta na formação de falanges e histerias.

Sabe que num diálogo político civilizado ficará reduzido ao nada que é e, portanto, precisa do confronto acima de tudo.

Os exemplos do passado mostram que os tiranos precisam muito menos de virtudes políticas e comportamentais e muito mais da construção permanente de “inimigos”.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

14 respostas

  1. “…Bolsonaro não sabe e não quer reunir apoios, quer reunir adeptos, fanáticos, incondicionais e nisso ele não é bom, é ótimo.”

    Sei, não…ele parece estar derretendo muito rápido, sinal de que essa sua suposta aptidão não está funcionando muito bem.
    Pode conseguir manter um grupo de imbecis lobotomizados ao seu redor, uma espécie de Schutzstaffel tupiniquim, mas daí a formar uma maioria? Duvido.

  2. Muito provavelmente seu diagnóstico está correto, Brito. Mas isso nos leva a uma situação que se definirá na resposta a duas perguntas: Bolsonaro quer ser ditador do Brasil? Se sim. Existem doentes em número suficiente para alicerçarem essa loucura?

  3. Os jornalistas independentes precisam descobrir quais foram os representantes da elite brasileira que, em 2002, após a eleição do Lula, iniciaram conversações com representantes dos EUA com o objetivo de derrubar Lula e o PT do poder. Sabemos que os americanos aceitaram a encomenda, mas colocaram um preço. Hoje sabemos que foi caro, mas a elite não quis saber, pagou assim mesmo. Assistimos, agora, as consequências daquele trato feito lá atrás.

  4. —–Sabe que num diálogo político civilizado ficará reduzido ao nada que é e, portanto, precisa do confronto acima de tudo.—–

    Isso é próprio da “cultura” militar,não existe espaço para o diálogo ,eles são o leão de chácara das nações chamados para agir,aniquilar,destruir,acabar com aqueles que o dialogo CIVILIZADO ,HUMANO E RACIONAL não permitiu que se chegase a um acordo.
    Obviamente nem sempre é o roteiro seguido,as potências em geral não dialogam ,invadem.
    Mas, o que fica claro,não existe INTELIGÊNCIA num ser militar ,ele ´uma ferramenta treinada para agir,nunca pensar.
    Se a isto somamos que no caso deste imbecil , escolheram o mais idiota da turma ,aí ,não tem jeito ,o Brasil padecerá o tempo que este verme se mantenha presidente. O sexopata de virginia é so uma consequência disto.

  5. Ladrão com ladrão, bandido com bandido, louco com louco, ignorante com ignorante, Olavo com Bolsonaro os iguais sempre junto.

  6. Depois de ler a grande matéria sobre o Olavo na revista Época, cheguei a conclusão que o grande perigo desse governo não é o clã Bolsonaro, mas sim o próprio guru com fixação anal.

  7. “filosofia” é sabedoria para filar algo! hahaha pra mim foi uma vida toda nova aprender isso hoje!

    meus colegas ex-atucanados estão todos quietos. política não existe mais. se for pra reclamar do petê, aí sim, pode marcar o rolê. certamente esperam que algo diferente e redentor (aka cair o dólar) aconteça nos próximos anos para que se sintam em paz com a péssima escolha.

  8. Mesmo na rotina diária, nós ainda lutamos pelo “diálogo político civilizado”. É difícil enfrentar esse himalaia de perversões. Mas não é impossível.

  9. o que me assuta não é a existência desses dois trastes
    mas deles terem seguidores piores que eles

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *