O rato que ruge, versão Bolsonaro

Para enfrentar a pandemia, “tem que deixar de ser um país de maricas”, porque “todos nós vamos morrer um dia, aqui todo mundo vai morrer.”

Para enfrentar as pressões internacionais, “quando acabar a saliva, tem que ter pólvora.”

Bolsonaro, que nunca se curou de idiotice, parece que teve um súbito agravamento do seu grave quadro de estupidez.

Não é preciso muito para saber da etiologia da demência presidencial: a derrota de Donald Trump, que o deixa órfão política e diplomaticamente. Além, é claro, no cinismo sanitário em relação à pandemia.

Mas não é só isso.

Bolsonaro se prepara para um desastre de 2021, com a perda do esteio de sua ainda assim minguante) popularidade e o início, na prática, do processo eleitoral de 2022.

Bolsonaro está voltando à velha agressividade e isso tende a piorar, ultrapassando até os limites do início deste ano.

Veja os dois momentos “gloriosos” de Bolsonaro, selecionados pelo Poder 360.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *