O rococó do ratatá

Cinco meses, quase, de intervenção militar na segurança pública, quase nenhum resultado (exceto o de aumentar o número de homicídios) e a imprensa prefere, em lugar de avaliar o que está sendo feito sobre as comunidades pobres (e a tranquilidade de todos), repetir termos que ouve e não é capaz de explicar.

Hoje, quando se desfecharam ações de milhares de soldados – e isso não é escala de guerra? – o jornal O Globo publicava um texto do mais hermético jargão militar tecnocrático. Diz que estão sendo feitas…

“As ações de cerco, estabilização dinâmica das áreas e remoção de barricadas fazem parte das medidas implementadas pela Intervenção Federal na Segurança Pública”.

O que será “estabilização dinâmica das áreas”?

Mas tem mais, reparem:

Na operação, a Polícia Militar é responsável pela verificação de denúncias de ostensividade criminosa e de outras condutas ilícitas, pela realização de vasculhamentos e o bloqueio de vias de acesso na região. 

Ostensividade criminosa… Ah, sim, vasculhamentos e bloqueio de vias parecem referir-se a revistas e blitzen

E, sem aspas, faz-se o copia e cola das notas militares, com seu linguajar característico:

Algumas vias e acessos na região poderão ser interditados e setores do espaço aéreo poderão ser controlados, oportunamente, com restrições dinâmicas para aeronaves civis.

Ou seja, não se vai permitir helicópteros sobrevoando as áreas de ação policial.

Quatro mil homens numa operação que, basicamente, se destina – segundo diz ao Extra o chefe de Comunicação do Comando Militar do Leste, Coronel Cinelli – a cumprir mandados de prisão “que vão de criminalidade até prisão por pensão alimentícia e Lei Maria da Penha”!!!!

É espantoso!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

15 respostas

  1. Infelizmente isso parece que não terá fim a curto prazo. Até porque esse é o Brasil que a classe média pediu e gosta. Talvez tenhamos de ir até a tragédia para que a imbecilidade vigente seja quebrada.

    1. Parece que será como na outra ditadura (1964): a classe média só reagirá quando a tragédia atingir um dos seus.

  2. A grande mídia ao invés de produzir jornalismo, prefere fazer assessoria de imprensa ao Poder. O “jabá” está garantido por meio das famo$as e lucrativa$ publicidades estatais.
    #ImprensaVergonhaNacional

  3. “Estabilização dinâmica”? Que tipo de dinâmica? Termo, eletro, pseudo, hidro, espermo…? Quero saber se com essa patuscada toda, o tráfego de drogas diminuiu nas favelas cercadas. Não ocupadas. Se a influência dos traficantes de varejo desapareceu. Se a vida das pessoas que moram nessas filiais do inferno melhorou. Duvido. Os traficantes de varejo são alimentados pelos traficantes de atacado que não estão nas favelas. Alguém se lembra do “helicoca”? Aí está a chave do problema. Quando não se condenam os traficantes de atacado há que desconfiar que o país está podre. Podridão? O judiciário brasileiro entende disso.

  4. (…) ” pensão alimentícia e Lei Maria da Penha ” !!! . Lembro o tempo em que o Exercito era usado para capturar escravos fujões .

  5. Mas não é assim mesmo que faz a mídia bilionária nacional sobre a cobertura dos ataques dos judeus nos palestinos? Repete o que mandam dizer os judeus de Nova York e etc.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.