“Oba-oba” da vacina leva ao descuido e à morte

Ninguém gosta de más notícias e dá-la é dever do qual quase sempre fogem os covardes.

É muito mais “fofo” dizer que temos, afinal, vacinas capazes de interromper a espiral de sofrimento e morte da Covid-19 do que dizer que, até que seja viável tê-las para a maioria da população, continuaremos a passar, por meses, um tempo de dor e destruição de vidas.

A ânsia por notícias positivas leva ao pior dos mundos no curto prazo: o relaxamento dos cuidados com a contaminação, o descuido com as reuniões familiares típica das festas de final de ano, as viagens para visitas a parentes, muitas vezes irrenunciáveis do ponto de vista emocional.

A indústria da ilusão estatística cega as pessoas sobre o óbvio, que não precisa mais que a aritmética para ser desmascarada. Os 42 mil casos, em média diária, registrados na última semana, com a taxa de letalidade de 2,7% que o país registra na pandemia significam mil mortes por dia, passadas as duas ou três semanas que, em geral, a doença leva para desenvolver-se até o estado grave.

Se duvida, confira: há três semanas, tínhamos 25 mil casos/dia e é isso que está gerando este número de 700 mortes diárias agora.

O comportamento da doença na Europa e nos Estados Unidos, alcançando picos inéditos depois de uma longa fase de relaxamento, não tem razão para não ser semelhante aqui, a menos que se leve a sério o que diz o charlatão que nos governa, de que “o brasileiro é um caso para estudos, pois mergulha no esgoto e não pega nada”.

Na sua “live” de anteontem, ele insistiu que as mortes diminuíram porque estaríamos dando tratamento precoce com a cloroquina…

Infelizmente, esta gente parece estar influindo mais que quem se dedica a estudar e acompanhar o desenvolvimento da doença. E, por conta disso, a mídia parece estar “embarcando” numa guerra de vacinas que envolve dinheiro grosso, prestígio e política.

Chegaremos ao final do ano com um número entre 190 mil e 200 mil mortes e janeiro registrará as consequências dos abusos de Natal, inevitáveis diante do comportamento irresponsável que, a partir dos governantes, contamina a maioria da população.

A vacina não poderia servir, mas está servindo, para injetar expectativas irresponsáveis na população.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.