Panfletagem a bala

Todo cuidado é pouco, nestes seis dias finais, com as provocações explícitas ou disfarçadas de “operações policiais” armadas com o objetivo de influir nas eleições ou na segurança do eleitor para ir votar.

Os núcleos milicianos e policiais da campanha de Bolsonaro farão de tudo para produzir um clima de medo e apreensão, sobretudo no Rio de Janeiro, onde o comando do Estado está conectado a estes grupos e espera liquidar a eleição estadual no primeiro turno, porque sabe que uma vitória de Lula na rodada inicial vai tornar quase inevitável a sua derrota em segundo turno no Estado.

A história de que o objetivo de uma operação totalmente imprudente no Complexo da Maré se destinaria a evitar uma “guerra de facções” é, no mínimo, estranha.

Pode, claro, haver algum fato real, mas é evidente que se está procurando ações espetaculares para produzir efeito público.

É tarde demais, porém.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email