Paulo Guedes, o aprendiz de feiticeiro, e seu “Big Bang”

Sim, é esse o nome escolhido por Paulo Guedes para chamar, na intimidade o plano oficialmente chamado de Pró-Brasil, para fazer um afago no General Braga Neto, que ensaiou tornar-se o novo Posto Ypiranga da Economia e acabou por receber um “última forma” do capitão Bolsonaro.

Big Bang, como se sabe, é a teoria pela qual um átomo primordial, há 14 bilhões de anos, começou a se expandir até formar o que hoje chamamos de Universo. Modéstia pouca é bobagem, está a ver-se.

Os detalhes estão expostos em reportagem de O Globo e no Estadão, com uma diferença significativa: o primeiro diz que o “Renda Brasil” atingiria 8 milhões de famílias além das 14 milhões já atendidas pelo Bolsa Família e o jornal paulista fala que serão “8 milhões de pessoas a mais (cerca de 2,5 milhões de famílias)”.

Num caso, uma ampliação do Bolsa-Família em 60%, noutro, em 20%.

Em troca, os assalariados de baixa renda perderão o abono do PIS, o salário-família e os pescadores ficarão sem o seguro-defeso para as épocas de proibição de pesca.

Muito mais fácil na teoria que na prática, porque os dois primeiros são direitos constitucionais, que só podem ser revogados por 60% dos votos da Câmara e do Senado. No caso do abono, o “teste” feito durante a reforma da Previdência, quando também se queria aboli-lo nem sequer chegou a ser posto em votação: caiu na propria comissão especial.

Adiante: pretende-se a desoneração – patronal, claro – das contribuições previdenciária sobre contratos de trabalho com remuneração de um salário-mínimo, Não é preciso ser um bidu para ver que isso é um caminho aberto à fraude: um salário na carteira, isenção de contribuição e mais 100, 200, 500 reais “por fora” para “inteirar” o salário real.

Mas não está certo, ainda, que se apresentará na terça-feira, data do “Big Bang, também a compensação desta “bondade”: a nova CPMF, que a gangue palaciana não quer misturar com o “grande dia”.

Tudo é maroto e imprudente e podemos estar diante de um imenso desastre fiscal.

Pretender mudanças tão amplas no cenário incerto de uma recessão local e mundial, todas de uma só vez, e ainda misturadas com uma reforma tributária de resultado incerto e não sabido é coisa de aprendiz de feiticeiro.

Há, de fato, o cheiro de um “Big Bang” no ar. Mas no sentido explosivo, mesmo.

 

 

 

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *