PF acusa policial de obstruir investigação sobre Marielle

Chico Otavio e Vera Araújo, em O Globo, dizem que o inquérito da Polícia Federal sobre a atuação da Polícia Civil no caso Marielle Franco concluiu que o policial militar Rodrigo Jorge Ferreira, o Ferreirinha, e a advogada dele, Camila Nogueira, tentaram atrapalhar as investigações sobre a morte da vereadora e do motorista Anderson Gomes.

“Ferreira é policial militar e procurou a Polícia Federal, em maio do ano passado, apontando o miliciano Orlando Oliveira de Araújo, o Orlando da Curicica, como uma pessoa interessada na morte da vereadora.(…)
Além disso, no inquérito, há referência a dois advogados que atuaram na defesa de Curicica, suspeitos, segundo uma fonte da PF, de tentar obter uma suposta delação do miliciano, preso em Mossoró, a mando da contravenção. Haveria, inclusive, no início das investigações, uma conexão dos defensores com um policial lotado na Delegacia de Homicídios da Capital (DH), a fim de pressionar o miliciano.
Um dos objetivos da contravenção seria justamente o de evitar que a especializada chegasse ao Escritório do Crime , cujos integrantes são matadores de aluguel que trabalham quase que exclusivamente para os bicheiros. (…)Entre os matadores do Escritório do Crime, está o ex-capitão do Batalhão de Operações Especiais (Bope), Adriano Magalhães da Nóbrega, o capitão Adriano. Desde a Operação Intocáveis do Gaeco, cujos alvos eram os chefes da milícia de Rio das Pedras, o capitão Adriano, o número 1 da organização criminosa, está foragido.”

As coincidências vão se somando: Adriano é aquele ex-oficial da PM cuja mãe e a mulher foram contratadas do gabinete do hoje senador Flávio Bolsonaro.

PS. Havia um erro no título: a acusação é a um policial, não à Polícia Civil, como afirmava antes.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

10 respostas

  1. Coincidências é o que mais existe nessa quadrilha. E o Moro não move uma palha para achar essa agulha solta.

    1. Interessante como a matéria d’O Globo, mesmo colocando a constatação da PF, atira sobre os bicheiros, malandramente, o uso,abuso e benefícios dos serviços da milícia, afastando dos gabinetes da família miliciana os rastros da bandidagem. Nada como se acertar com a diretoria. Flaveco pode respirar sossegado mais um pouco. Mais quieto que guri cagado.

    2. É que o Moro, vulgo Marreco de Maringá, é expert em ver o que ninguém vê, como um apartamento que não é de alguém, mas ele diz que é.
      Como também é expert em “não ver” o todos veem, como um motorista que movimenta 1 milhão de Reais por ano, ou um certo “amigo de Minas”, famoso por mandar matar primos que delatam…..

  2. Infelizmente não há surpresa na notícia. Até uma criança sabe das relações mais que cúmplices entre os criminosos milicianos e a política, civil ou militar. Todo mundo sabe também da participação da família do bolcanaro com a mesma organização criminosa. O que se pessoas íntegras aguardam é o desfecho, seguramente já conhecido, dos investigadores, sobre os mandantes do assassinato

  3. Mas continuo entendendo que apesar dessa revelação, tudo é só confusão. E proposital. Porque se apresentarem os mandantes do assassinato de Marielle, os verdadeiros, bandidos travestidos de “altas autoridades” serão revelados ao Brasil!

    Será que a classe dominante topa essa parada?

  4. É um trabalho típico da nossa PF. Concluiu que a dupla atrapalhou as investigações no caso Marielle. O que não consta do relatório é: porque fizeram isso? que interesse tinham ? a mando de quem? para beneficiar quem?
    Quando responderem, tecnicamente, a essas questões , terão decifrado o crime.

  5. Se mostrassem um vídeo onde aparecesse o presidente miliciano matando alguém, o Moro diria: “Não vem ao caso”

  6. O “bicho” tá pegando por todos quadrantes. A turma deveria dar uma olhado no Blogue Conversa afiada do Paulo Henrique.
    O diabo, é :Fugir pra onde????

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.