Política finge que não vê deterioração da economia

Enquanto a direita se divide em discussões sobre aplicativos de votação e pela esperança que que Moro possa despontar como uma segunda via do bolsonarismo em queda, a vida real vai apontando para uma eleição presidencial em meio a um estado de desagregação econômica aguda, que a maioria não tem noção de que possa ser alcançado.

Desde setembro de 2019, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, diz que “o pior já passou” na economia brasileira e afirmou, há pouco mais de um mês, que a inflação já tinha atingido seu pico e agora só recuaria.

Não é o que mostram os números da Fundação Getúlio Vargas revelados hoje, registrando uma inflação de quatro semanas em alta (0,96%), de novo, e apontando para uma inflação acima de 1% em novembro.

Pior ainda que não cessa a pressão cambial (cotação, agora, a R$ 5,64) a empurrar preços externos pela importação e internos, pelos valores de exportações.

Cada índice destes agrava, a cada dia, a situação de miséria de milhões de pessoas que precisam, para ontem, de alívio da crise.

O que cada candidato oferece diante disso?

Bolsonaro, um reajuste do Bolsa Família, rebatizado, e uma sucessão de “vales”; Lula, a memória de políticas sociais bem-sucedidas, um política investimentos estatais que gene empregos e uma proximidade com os segmentos populares. Moro, coisa alguma senão a incrível história de que, sem a corrupção (assim, genericamente) a economia florirá.

Não é preciso grandes profundidade em psicologias de massas para entender que, para o povão, o quanto representa a história de 3ª via ou de “evitar a polarização”.

Ou como dói mais tocar no fundo dos bolsos do que no teto de gastos.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *