Por que FHC diz tantas asneiras?

O artigo dominical de Fernando Henrique Cardoso, hoje, é uma destas pérolas toscas da estupidez que produzem apenas aqueles que se aferram a verdades transcendentais, como fazem os que defendem o desmonte da rede de proteção social formada pelas aposentadorias como “varinha de condão” com a qual o Brasil venceria o feitiço da estagnação e luziria aos brilhos de uma nova fase de progresso.

É algo que se admitiria ouvir de parvos ou de gente que diz qualquer coisa na ânsia de servir ao sistema financeiro. Dou o exemplo da desfaçatez de Carlos Alberto Sardenberg ao falar, com a sofisticação intelectual de um “Delegado Waldir”, que a “nova previdência tira dos ricos para dar aos pobres”, sabendo que as alíquotas sobre altos salários do Serviço Público responde por apenas 0,2% do “trilhão mágico” de Paulo Guedes e que a maior parte dos outros 99,8% virá dos trabalhadores privados, com baixa média salarial.

Diz FHC que o Brasil  “precisa de crença” e  que “falta chacoalhar o país outra vez, como fez Juscelino em seu tempo e mesmo o Plano Real, e vislumbrar um futuro mais venturoso”.

Esta crença geraria entusiasmo, que ele relembra ser, etimologicamente, ter “Deus no coração”. Faltou o “talquei”, não é? Mas, sem ironia, mostremos como é asneira o que diz.

Em primeiro lugar, não existe absolutamente nada mais distante dos pensamentos dominnantes no Brasil hoje que sequer de longe se assemelhe ao entusiasmo da era JK.

Não há qualquer plano de metas em nosso horizonte, muito menos metas que possam ser alcançadas sob a regência do poder público. Zero estradas, zero usinas, zero refinarias, zero em qualquer matéria de obras de infraestrutura. Não há investimento direto e não há pretensão de financiar o investimento privado com créditos públicos, como JK fez com o então BNDE. Não há política industrial, como houve, com ele, no setor automobilístico, na indústria metalúrgica e na naval, entre outras.

Também não há, como no período FHC, a doença da inflação galopante que servisse a legitimar o que, nos dias de hoje, é impossível legitimar: pacotes econômicos. A prateleira de artigos a vender está reduzida, à exceção das jazidas de petróleo,  a itens não monopolistas, ao contrário do que eram o setor elétrico, a telefonia e o minério de ferro, malbaratados pelo presidente falastrão.

E também não há possibilidade de fazer a “fase prévia” que se fez nos dois primeiros, com a elevação cavalar das tarifas antes das privatizações, nem, como dito antes, de bancá-las com o crédito oferecido pelo Estado à custa de seu endividamento interno e externo, que dobrou nos anos FHC.

O “chacoalhão” a que o ex-presidente se refere, portanto, é o de transferir renda da força de trabalho – porque é dela que vêm as aposentadorias – para o capital financeiro, o único setor que vai cada vez melhor no Brasil.

Francamente, não sei o que se passa na cabeça de alguém como ele, a quem não faltam ferramentas de compreensão da realidade, para dizer algo assim a um país que, há cinco anos, vem vivendo aos chacoalhões políticos e econômicos. O vício de colocar nas finanças os sonhos de progresso de uma nação é tão doentio  como o daqueles sujeitos que largam tudo na vida para ir jogar na Bolsa de Valores.

O que o Brasil precisa, isto sim, é parar de chacoalhar e retomar a normalidade e as perspectivas de ganhar no medio e longo prazo, com trabalho, produção e consumo, três vetores da economia que estão sendo, desde então, arruinados.  Precisa de uma reforma bancária e de uma reforma na tributação, que limite a gula dos bancos por lucros recorde em cima de lucros recorde, que taxe lucros astronômicos sem taxar os ganhos de sobrevivência das pequenas e microempresas, que estimule o crédito a longo prazo e acabe com a obscenidade de alguém pegar R$ 10 mil e, pagando quase R$ 800 por mês, um ano e meio depois esteja devendo R$ 12 mil.

Quem tem de ser chacoalhado no Brasil é o rentismo especulativo, o país onde o “day trader” – aqueles que fecham operações de compra e venda a cada dia substituíu o velho “overnight” que se praticava nos anos 80.

O pior é que Fernando Henrique sabe onde está a saída – “sem crescimento da economia, por mais que se reduzam os gastos, faltará pão às pessoas e combustível para o governo andar” – mas prefere dizer que isso vai ser alcançado com a confissão de que é “o Estado faliu” e que só terá recursos para investir se tirar da Previdência. Faz concessões, diz que não é só isso, mas é só disso que fala.

Vai de borzeguins ao leito, como se dizia antigamente: legitima a reforma da previdência, mas não tem a coragem de assumir a defesa de quem a faz, como o gato que quer as castanhas do fogo, mas não quer chamuscar o pelo.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

35 respostas

  1. Vamos entender o golpe, para não dormirmos na campana com um copo de café na mão. FHC era um golpista da época bush/hillary. Já Bolsonaro, mesmo sendo um babaca, é um giolpista de uma nova era trumponiana. É por isso que o golpista FHC tenta apelar para o saudosismo da era clinton.

  2. FHH de Paris em um apartamento de luxo roubado do povo brasileiro falando o quê melhor sabe, merda.

  3. Gagácê é outro entreguista. Ele e seu plano real, que em 18 meses provocou uma inflação de 108.000%.
    Duvidam?
    A URV começou com o valor de 13,00 unidades e chegou, ao final de 18 meses, a 13.500.
    13 + 108.000% = 13.500
    Tá, eu sei que a inflação é cumulativa, mas no final é a mesma coisa: 108.000% em um ano e meio.

    1. O meu falecido pai fez as contas e disse que o plano real foi o maior roubo que já aconteceu sobre o povo trabalhador brasileiro.

    1. Não é senilidade.
      É só o FHC com sua egolatria tonta e sua vaidade conhecida.
      O resto é só picaretagem mesmo.

  4. Esse fernando henrique é uma farsa, um invejoso da capacidade e da popularidade do Lula. Enfim um grandessíssimo FDP, entreguista das nossas empresas, quase de graça, a exemplo da Vale.

  5. Continuamos a perder tempo,assim como alguns estão a procura de um militar nacionalista nas ffaa brasileiras (é mais fácil achar 1kilo de ouro no calçadão de Copacabana ao meiodia ) ,tem outros que procuram um gesto de pessoa decente no rato de esgoto fhc.
    Esse traste tem a altura moral de um rodapé,portanto sugiro ,não gastemos mais uma linha em falar desse rato.

  6. O que se passa na cabeça do FHC, caro Britto, é muito simples: ele nunca aceitou ter sido superado por um torneiro mecânico. Por isso ele vive a falar asneiras, tem inveja mortal do Lula, ele tinha certeza que o Lula iria fracassar. Porém, na sua simplicidade e inteligência, o Lula fez a roda girar como nunca e deu uma lição na turma do FHC, financistas e entreguistas.

  7. Continuo pensando que dar ouvidos a um agente da CIA é perda de tempo. E, igualmente, valorizar repercutindo, as ASNEIRAS desse ASNO ESCROTO, IMBECIL ENTREGUISTA, OPORTUNISTA CAPACHO!

  8. Na minha lista top ten dos golpistas puro sangue FHC está no primeiro posto. Comparte a mesma posição que os dos Donos dos Meios de Comunicação e os Sujeitos Mais que Ocultos do Golpe, o Mercado…..Daí vamos baixando, logo abaixo aparece o Supremo com Tudo, seguido da organização criminosa Lava Jato e dos “âncoras” (literalmente) dos Meios de Comunicação que como diz Mino Carta são piores que seus patrões. (Quase ia esquecendo do Baixo Clero que se transformou no Alto Clero do Congresso, liderados por Cunha, Temer e o resto da gangue). Depois chega os canalhinhas da “classe” “média” “alta” (nem classe e nem média, alta é a única característica objetiva, é a meritocracia sem mérito nem valor), como bem definiu Marilena Chaui uma abominação ética-política-cognitiva: fascista (prefiro chamá-la de falsista), violenta e ignorante. Logo vem a malta miliciana de Jersey La Coste (Do Vem para a Rua para o MBL) ou a malta miliciana com três-oitão na cinta. Depois vem os isentões e por último os que tentaram por todos os meios a derrota do PT, nas últimas eleições presidenciais e abriram o caminho para as trevas onde agora nos encontramos. Não podemos esquecer dos isentões e da locosfera de “”””esquerda(?)”””, esta última caso claro de psicose avançada.

  9. Estou atrasada mais vi no YouTube o vídeo do capitão mostrando as cicatrizes da facada. Pergunta que não quer calar: a facada foi no quadrante superior direito debaixo das costelas e na altura do fígado e ele operou foi o intestino tanto é que usou uma bolsa de colostomia. Além do mais a cicatriz da facada é um furinho de nada né.

    1. Sugiro que o maior número de pessoas possíveis baixem o vídeo do capitao mostrando as cicatrizes do furinho da facada, da cicatriz da bolsa de colostomia e da tal cirurgia e que alguém as leve para um profissional estrangeiro para avaliar.

    2. Eu vi na internet agora reportagem da época da facada em que os médicos disseram que a facada atingiu o fígado, o pulmão e a alça intestinal. Acontece que se assim foi o pedaço do intestino a ser tirado estaria perto da cicatriz . Acontece que a cicatriz que ele disse ser da bolsa de colostomia está longe do furinho, pelos meus cálculos, no olhometro cerca de no mínimo 15 cm. Afinal, a parte do intestino que foi tirada foi lá em cima no quadrante superior e a bolsa foi usada embaixo no quadrante inferior? Aquele furinho ali dava para comprometer o intestino de cima a baixo?

    3. Insisto que se a facada tivesse sido tão grave e a hemorragia tão severa a ponto de comprometer um pedaço grande da alça intestinal ele teria perdido parte do fígado também.

    4. Eu vi na internet agora reportagem da época da facada em que os médicos disseram que a facada atingiu o fígado, o pulmão e a alça intestinal. Acontece que se assim foi o pedaço do intestino a ser tirado estaria perto da cicatriz . Acontece que a cicatriz que ele disse ser da bolsa de colostomia está longe do furinho, pelos meus cálculos, no olhometro cerca de no mínimo 15 cm. Afinal, a parte do intestino que foi tirada foi lá em cima no quadrante superior e a bolsa foi usada embaixo no quadrante inferior? Aquele furinho ali dava para comprometer o intestino de cima a baixo?

      1. Pulmão? Aí é difícil, hein? Precisaria de uma espada…
        Mas, com ou sem facada, não tem o que justifique o comportamento anômalo dos 40 seguranças voluntários durante o incidente em Juiz de Fora.

  10. Vamos fazer como o Barão de Munchausen que saiu de um buraco puxando os próprios cabelos. Se não foi ele, foi outro tão mentiroso quanto ele.

  11. FHC já está fazendo hora extra aqui na Terra. Tem que cantar para subir.

    Quanto mais tempo passar, pior para sua biografia.

  12. “…como ele, a quem não faltam ferramentas de compreensão da realidade”
    Vou ser chato e repetitivo: a educação em si acrescenta conhecimentos ao cidadão mas necessariamente não faz dele alguém melhor ou cria um país socialmente mais justo. Dos 21 primeiros comandantes dos Grupos de Extermínio nazistas (Einsatzengruppen), 11 tinham doutorado (um deles, dois doutorados). Na reunião em Berlim que discutiu a “solução final”, dos 15 participantes, 7 tinham doutorado. O cientista Marconi, o compositor Richard Strauss estão entre as inúmeras cabeças privilegiadas da época que apoiaram o nazismo. Porque seria diferente com FHC?

  13. Há dois adjetivos que se aplicam ao PSDB, a seus próceres em geral, dentre os quais FHC destaca-se.
    O primeiro vem da hipocrisia e o segundo da desfaçatez. Como cantam a música que o mercado e a alta burguesia nacional endossam e apoiam cria-se uma narrativa que sustentada pela mídia hegemônica e propalada por boca-alugadas e mentes-a-soldo torna-se dominante. Em dado momento não sustenta. Tanto quero PSDB perdeu todas as eleições para presidente quando FHC saiu desmoralizado do seu segundo mandato e agora está reduzido a cacos. Cacos disputados por gente como Doria

  14. FHC, pelo visto, vai morrer sendo aquele do filme comédia, “A volta dos que não foram”… Chega a ser ridículo um senhor de mais de oitenta anos, ex-presidente, tão dúbio e ambíguo. Fica a todo o tempo nesse vai e vem sem fim, não dizendo coisa com coisa e achando que está contribuindo com suas meias palavras e meias verdades para o futuro de uma nação como a nossa… De sociólogo à intelectualóide, quanta decadência!!!! De boa, deveria ir auxiliar na educação dos bisnetos em Paris. Cruz Credo!!!!

  15. FHC é o principal contraparte do Soros no Brasil, as pessoas que acompanharam no seu desgoverno de 1994 a 2002, percebia-se que era forte a influência de Soros no seu governo, e nem precisa mencionar o Arminio Fraga. O que assistimos hoje é a destruição do país com a participação ativa do FHC/Soros (ILLUMINATI) como uma entidade só. A facada do Bolsonaro teve um objetivo – ganhar as eleições, a questão da verdade se levou ou não facada, o que importava era a vitória, o resto vão encobrindo de pouco a pouco a verdade.

  16. è porque tem quem publique , e até quem comentem tais asneiras . Dizer que ele sabe a saíde é demais . Este senhor não tem credibilidade , primeiro em se dar crédito no plano real existindo o seu superior o presidente , a quem se deve o crédito . Segundo , mergulhou o Brasil em dívidas . Este Sr. Este Sr. tem muita “sorte” , se a Lava Jato puxar os novelos do PSDB como deveria puxar , lá estaria ele encrencado com a justiça .

  17. Fernando Henrique Cardoso foi apenas mais uma produção do Capital/Elite em sua época. O objetivo: prover a capitalização ainda maior do setor financeiro, privatizar(doar) o patrimônio público brasileiro, reduzir a perspectiva de melhoria das condições do povo a quase zero. Cumpriu sua missão, em oito anos de governo. E, como todos os asseclas do rentismo, saiu rico, dono de apartamento milionário em Higienópolis, fazendas em Minas e apartamento na Avenida Foch.

    Lula fugiu do script, por isso está preso hoje em Curitiba…

  18. Esse senhor não se emenda. Deveria ficar quieto em casa e parar de dizer as bobagens de sempre. Ele só falou porque Lula cobrou uma posição dele e esta foi dada, como sempre, em favor dos rentistas e do capital improdutivo. Para o povo nada, como sempre fez.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *