Por que o Exército não quer tratar das urnas em público?

O Ministro da Defesa, Paulo Sérgio Nogueira mandou hoje, segundo o site Metrópoles, ofício ao presidente do TSE, Luís Edson Fachin, cobrando “uma reunião presencial específica entre as equipes técnicas do TSE e das Forças Armadas para aprofundar a discussão de “aspectos técnicos complexos”.

Acontece que hoje, o Tribunal Superior Eleitoral realizou um reunião da Comissão de Transparência Eleitoral, o fórum em que as Forças Armadas foram convidadas para colaborar com o processo eleitoral, reuniu-se hoje por tele conferência e o general Heber Portella, do Comando de Defesa Cibernética e oficialmente designado para representá-las, participou de todo o encontro.

Curiosamente, porém, não abriu a boca. E nem a câmara, permanecendo com a tela preta todo o tempo.

Infere-se que o general não tinha o que dizer ou acha que o que tem a dizer não pode ser dito na frente de outros.

Além, é obvio, da imensa falta de cortesia de nem sequer aparecer no vídeo para um “boa tarde”.

Se o nome da comissão que o general integra, a convite do Tribunal é “Transparência Eleitoral”, o que justifica o desejo de só tratar “a sós” dos tais “aspectos técnicos complexos”, longe dos olhos do público, entre os quais há quem os entenda?

O que não pode ser ouvido pelos cidadãos que votam, escolhem e exigem que os que vencerem devem ter sua vitória reconhecida por todos?

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.