Previdência: as diferenças entre civis e militares

Geralda Doca, um dos raros casos em que repórter de Economia se preocupa em dar informação e não conselhos econômicos, publica hoje, em O Globo, um sintético comparativo das diferenças que a proposta do Governo Bolsonaro terá entre militares e civis.

É claro que isso vai gerar uma imensa polêmica, sobretudo porque as polícias militares vão exigir as mesmas regras, mesmo o governo tendo deixado para logo depois da votação a concessão de um aumento acima de 20% para as Forças Armadas.

Veja o resumo:

Regra de transição

A reforma da Previdência do INSS e dos servidores civis prevê diferentes regras de transição. Na regra do “pedágio”, é exigido um tempo adicional, em relação ao prazo que falta hoje para se aposentar. No caso dos trabalhadores da iniciativa privada, esse “pedágio” é de 50%. Ou seja, por essa regra de transição, se faltar 2 anos para o trabalhador se aposentar pelas regras atuais, ele terá de trabalhar mais 1 ano, num total de 3 anos, após a aprovação da reforma.
Para os militares, esse “pedágio” será de 17%.

Reajustes
O texto dos militares prevê reajustes anuais nos soldos. A reforma da Previdência dos trabalhadores do INSS e dos servidores públicos elimina a obrigação de correção anual nos benefícios de aposentadoria e pensões, que eram garantidos na Constituição.

Valor do benefício
Os servidores públicos civis, que entraram até 2003, que hoje têm direito à integralidade (manter na aposentadoria o último salário da carreira) e paridade (obter na aposentadoria os mesmos reajustes de quem ainda não se aposentou). Na reforma da Previdência, os servidores só manterão esses direitos se cumprirem a idade mínima de 62 anos para mulheres e 65 para homens.
No caso dos militares, eles continuarão ter direito ao soldo integral.

Alíquotas
No caso dos servidores públicos civis, as alíquotas de contribuição serão progressivas, variando de 7,5% a até 22%. Para os militares, as alíquotas passarão a ser de 8,5% em 2020, subindo um ponto percentual a cada ano até chegar em 10,5%.

Idade mínima
A reforma da Previdência dos trabalhadores do setor privado e dos servidores estabelece idades mínimas para se aposentar. No caso dos militares, a exigência é apenas de tempo na ativa, de 35 anos. (Nota do Tijolaço: como o ingresso na Escola de Cadetes é a partir de 17 anos, a idade, na prática, fica sendo de 52 anos. Ou menos, por conta do tempo de serviço em unidades consideradas de acesso difícil darem direito a um bônus de 4 meses, a cada ano servido, com um mínimo de dois anos, pela lei n° 7.698)

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

13 respostas

  1. Se for mesmo nesses “gentis termos” a proposta desse des-governo: podem esquecer que a reforma não passa nem que a vaca comece a tossir………rsrsrsrs

  2. Essa turma (que perdeu o saco de tanto coça-lo) pensa ser mais importante que um operário que levanta as 5 da manhã pra pegar um ónibus ou trêm lotado para chegar no trabalho.Onde pegará um pedaço de ferro e PRODUZIRÁ UMA FERRAMENTA,PRODUZIRÁ RIQUEZA !!!!! pra ganhar um salário miserável e conforme a reforma proposta se aposentar no dia da sua morte.

    QUE É QUE ESSA TURMA PRODUZ ,PRA SE ACHAR TÃO IMPORTANTE ????

    1. Kkkkkkk
      “…perdeu o saco de tanto coça-lo…” Qualificação perfeita para esse bando de parasitas!

  3. E esse governo de milicianos, que têm o apoio tácito dessa milicalha golpista, vira-latas e entreguista ainda têm o descaramento de falar em “moralização” ou austeridade. Vale lembrar que no mesmo dia em que anunciou com alarde a extinção de 21 mil cargos comissionados e com gratificações que sequer atingem R$ 1 mil, afetando sobretudo as universidades públicas, esse governo miliciano enviou ao Congresso proposta pedindo a liberação de recursos para compra de carros oficiais. Peço ao titular do blog para investigar qual o montante solicitado e compará-lo com os alegados R$ 195 milhões que esse governo criminoso alega que economizará, ao prejudicar o funcionamento das universidades federais.

  4. Primeiro “nóis” ferra o populacho,
    Depois nóis grampeia os civis,
    para sobrar mais dindin pros ricos que darão uma migalhinha prá nóis…

  5. A concessão de benefícios para os militares aceitarem uma reforma da previdência onera os cofres públicos e troca seis por meia duzia. Espertalhoes.

  6. Esses são os “patriotas” ,os “nacionalistas” .
    NÃO PASSAM DE UMA CASTA SUBORDINADA AOS INTERESES DO TIO SAM QUE NÓS PAGAMOS PARA QUE NADA PRODUZAM,SÓ NOS CONVERTAM A CADA VEZ MAIS NUMA COLÔNIA.
    NUMA GUERRA TECNOLÓGICA (COM QUALQUER POTÊNCIA) NÃO TEM UTILIDADE NENHUMA ,.Senão forem eles ,quem nos invadirá ???Equador ??Bolívia?
    O NOSSO BRASIL É DESTINADO E TEM A CAPACIDADE DE SER UMA POTÊNCIA ,QUEM O IMPEDE ??? ELES ,OS “NACIONALISTAS” SABUJOS.
    Estou de saco cheio de ficar bancando castas privilegiadas a custa do nosso esforço, e a miséria da maioría dos nossos compatriotas.

  7. Aí está mais uma razão para sairmos todos às ruas no dia 22/3 contra a reforma da previdência! Ou vamos ficar em casa assistindo impotentes esses canalhas que querem destruir nossa previdência e toda a Seguridade Social, uma das principais conquistas da Constituição de 88? Muitos lutaram por essa conquista, muitos foram presos, torturados, muitos morreram no meio do caminho! Não podemos deixar essa corja no poder fazer o que quer não, vamos lutar, gente! ….. #LulaLivre #ForaBolsonaro

  8. Não haveria problema nenhum em dar alguma regalia para eles visto que eles são a defesa da Nação. Ocorre que nossos militares são uma casta subordinada e burra até a medula, falam fino com os EUA e grosso com a Bolívia.

    Não percebem que o nosso caos social é fruto dessa desigualdade horrenda, ao invés disso gastam nossa energia em caçar dissidentes do Tio Sam e todos os que sonham com uma grande nação inclusiva e soberana. Enfim, em sua grande maioria são uns completos idiotas que não merecem qualquer regalia.

    Enfim, para que ter um exército se ele não possui a inteligência de sequer perceber que nosso maior e real empecilho para o nosso destino de grandeza são os EUA?

  9. Volto a afirmar!
    É muito blá-blá-blá, muita filosofia vã, muitas explicações espúrias, que não levam a nada; mas ações verdadeiramente eficientes para conter essa putaria desenfreada de que estamos sendo vítimas eu não vejo nenhuma.
    O que a liderança do PT e dos partidos que se opõem a esses facínoras que nos golpearam “com Supremo e tudo” têm de concluir é de que estão lidando com inimigos perigosíssimos e implacáveis, que não têm um mínimo de complacência com seus irmãos mais pobres, nem um mínimo de respeito ao Brasil, país por eles vilmente explorado; e como tal devem ser tratados!
    Estamos vivendo uma guerra, em que meia-dúzia de malandros escrotos conseguiram submeter uma nação inteira a seus indignos desígnios; e, acreditem, essa meia-dúzia de fanfarrões estão ganhando essa guerra!
    É preciso, então, mais energia e eficácia para combatê-los!
    E pra isso precisamos de uma liderança à altura de nossas necessidades, que conscientize esse pobre povo incauto e fácil de ser embromado.
    E não nos esqueçamos que: “BRONCA É FERRAMENTA DE OTÁRIO! )

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.