Pule no esgoto, Bolsonaro. Lá é seu lugar

“É um caso a ser estudado. O brasileiro não pega nada, vi um cara ali pulando em esgoto, sai, mergulha, e não acontece nada com ele.”

Acontece, Bolsonaro.

Milhares de nós vamos morrer porque o brasileiro pulou no esgoto ao eleger um psicopata, um genocida como seu presidente.

Um canalha que está se aproveitando da angústia e do sofrimento as pessoas ameaçadas em seus empregos para promover um processo que, está se vendo explodirem os casos de infecção e morte nos países que não adotaram os bloqueios e restrições a tempo.

Itália e Espanha seguem com 700 mortes ao dia, com comboios militares carregando corpos aos crematórios. Os “invulneráveis” Estados Unidos dobraram ontem o número de mortes para 268 e isso vai aumentar porque os novos casos, agora 17 mil por dia, vão se agravar e levar embora muito mais gente do que hoje.

O governo está sem comando e só o que consegue promover é o retorno às ruas de empresários ambiciosos, que não se importam com quem morra, de políticos criminosos, que mandam as coisas reabrirem de olho em votos bolsonaristas e de descerebrados que eguem dizendo que “a gripezinha” que matou 25 mil até agora, é uma bobagem.

Bolsonaro, em nome dos que vão morrer, o povo brasileiro tem o direito de sanear o esgoto que são você e e sua família.

O direito à vida está acima do seu deus perverso, o demônio da morte que você está, tanto quanto o vírus, conjurando para este país.

Passou da hora de advertências e raciocínios sutis e complexos. Como disse o jornalista Luís Costa Pinto: se estamos numa guerra contra a morte, então, nestes tempos, um criminoso é um criminoso de guerra.

As bombas que Jair Bolsonaro quis colocar nas latrinas dos quartéis, coloca agora pelo pais inteiro, a partir da sua cloaca bucal.

Está mandando os cidadãos irem para a rua para serem dizimados por uma ameaça invisível, mas macabramente mortal. Diz para que saiam de suas trincheiras para serem abatidos às centenas e aos milhares.

É isso, generais, o que o capitãozinho alucinado que vocês ajudaram a galgar o poder, está fazendo.

Tirem-no, assumam o dever de salvar os brasileiros e negociem uma transição democrática, de volta ao voto e à razão. Basta que lhe digam que não aceitam o morticínio irresponsável e ele, sem o seu aval, ir-se-á.

Ou os que sobrarmos o tiraremos, em memória dos que morrerem por sua estupidez.

E lembraremos, por gerações, quem foram seus cúmplices.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

19 respostas

  1. A carreata de Camboriú me lembrou duas coisas: Em 1945, quando a Alemanha estava para cair, milícias nazistas andavam pelas ruas e enforcavam aqueles que se recusavam a continuar apoiando Hitler e lutando contra os aluados; no interior de SP, após a derrota do Japão, milícias formadas por japoneses aterrorizavam outros japoneses que tivessem aceitado a derrota.

    1. Não sei se Balneário Camboriú é muito diferente do resto do país. O que sei é que é a maior lavanderia de Santa Catarina: é onde políticos corruptos e ladrões “esquentam” os roubos e propinas, é onde traficantes e empresários sonegadores “lavam” seu dinheiro sujo, é onde jogadores de futebol aplicam grande parte de sua “beirada” das negociações e renegociações de passes e/ou transferências. Além de ser, naturalmente, o lugar de descanso para aposentados ricos, aqueles beneficiários das aposentadorias “especiais” que premiam a alta cúpula dos funcionários públicos, do executivo, do legislativo e do judiciário. Alguém, em sã consciência, acha que este tipo de gente está preocupado com o trabalhador ou os pobres coitados que eventualmente morrerão pelo coronavirus?

  2. Esse tipo de aleijume,do quel,o CANALHA é portador,esta também,em milhares de pessoas,que não tendo sucesso nas suas miseráveis vidas,querem mesmo, é que os que não compartilham com seus recalques e frustrações,sofram junto com eles,sua DOENÇA CRÔNICA.INVEJA.E não tem cura,a não ser que lhes deem,o que merecem.

  3. Não, não é apenas isso – os generais que ajudaram o bandido alucinado a galgar o poder. Ao permitir a continuidade do genocídio de brasileiros, já iniciado, estes militares delinquentes, bandidos – e não apenas os generais -, são tão ou mais criminosos de guerra quanto a Peste Humana que colocaram no poder.

    O que o general tuiteiro Villas Boas, um dos maiores responsáveis pela Peste Humana, está achando do seu triste papel? Será que não está se considerando um criminoso de guerra? Da mesma forma que o bandido Ustra não se considerava – e seus seguidores também não – um torturador, estuprador e assassino?

  4. Esse verme nunca deixou o esgoto .
    Ele só existirá enquanto esse esgoto e aqueles que se alimentam dele existirem .

  5. Como diriam os gladiadores romanos, “ave, Bolsonaro, morituri salunt te!” (os que vão morrer te saudam)

  6. Miliciano não pensa no povo, o negócio é dinheiro, mesmo este sujo lavado do sangue do pobre trabalhador. Lembram daquele coitado apoiador pedindo emprego ao (vo)mito e com cara de nojo por pobre e vontade de rir da desgraça alheia comenta com um de seus segurança – ” Só pelo bafo vai ficar sem emprego”. É isso o que elegeram chefe de uma nação.

  7. Parabéns, Brito, por mais este brilhante texto. Vc é uma voz que nos inspira, diariamente.

  8. Pra que haja o retorno a normalidade, as INSTITUIÇÕES, omissas e hipócritas por ora, exigem que se cumpra um ritual minimamente palatável, pra tanto há que se criar uma tese, e a mais plausível, por enquanto, é se divulgar do exame do Capitão, contando que nele se traga a prova da contaminação.
    Existindo, isso é CRIME COMUM, bastando então a autorização da Câmara e assunção do STF pra que o afastamento do OGRO seja automático por até 180 dias, donde deverá sair condenado e preso.
    Noutro momento, concomitantemente, aí sim se deve debruçar a atenção pra imensa gama de crimes cometidos pela familicia, ela que passa pela falta de decoro, delitos eleitorais, sonegação fiscal, advocacia administrativa, abuso de poder, nepotismo, crime contra a saúde pública, emprego de funcionário e familiares fantasmas, rachadinha, caixa 2, lavagem de dinheiro, associação com o crime organizado (drogas, grilagem, agiotagem, jogatina, prostituição, justiçamento etc) chegando até a assassinato e agressão à LEI DE SEGURANÇA NACIONAL, 7.170, em diversos dos seus artigos (por ex, incitamento e exaltação ao golpe e a tortura, associação com Nação estrangeira prejudicando o país, estimulo ao desentendimento e a cizânia entre poderes e países amigos).

    1. Sim. A prioridade é nos salvarmos, no segundo momento seria feita justiça. O que me desanima é lembrar daquela “redemocratização” dos anos 80. Foi tudo acertado por cima, não foi feito acerto de contas e o que havia de pior no regime ficou à vontade para se reorganizar, fortalecer e agora estão de volta. Temo que a mesma coisa irá acontecer de novo.

      1. Pra mim há dois momentos, pré e pós anistia.
        A anistia foi o acordo possível desenhado por GEISEL. (1979)
        O problema foi depois dela, a covardia e falta de força de Figueiredo que, por exemplo, NÃO cobrou pela bomba na OAB (1980), no Rio Centro (1981), pelas bombas nas bancas e na Folha ..pelo TERRORISMO DO BOZO.
        Pior ainda foi termos visto a DEMOCRACIA, omissa e permissiva, permitir com que FASCISTAS, tipo Bolsonaro, que é seu maior símbolo, pudessem se valer dela, democracia, pra justamente atentarem contra sua própria existência. ISSO sim foi um erro crasso que se não tivesse havido, não estaríamos passando por nada disso.

  9. Em 1792, contra o inimigo externo (aliado de Luis XVI), os cidadãos franceses cantavam: ”

    “Aux armes, citoyens,
    Formez vos bataillons,
    Marchons, marchons!
    Qu’un sang impur
    Abreuve nos sillons!”

    Outras pessoas, outros tempos.

  10. E o mais inacreditável é que muita gente voltou às ruas. Impressionante como o Brasil ainda apresenta um alto grau de imbecilização. Nem o show de estupidez do presidente é capaz de livrar algumas pessoas da alienação.

  11. A última frase é importante. Temos que apontar o dedo para as pessoas próximas é dizer: você elegeu este imbecil, você é responsável por mortes evitáveis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *