Queda do Bitcoin explica recuo de Musk no Twitter?

O bilionário Elon Musk anunciou a suspensão da compra do Twitter até que a empresa de microblogs prove que menos de 5% de suas contas é falsa – isto é, não corresponda a uma única pessoa física ou empresa.

Esta é a alegação pública, mas soa estranhíssimo que o homem que pregava a “liberdade total”, até mesmo para fakenews e discursos de ódio, nas redes esteja agora preocupado com uma auditoria do número de bots na empresa que está comprando por estratosféricos US$ 44,5 bilhões.

Valor que o obrigaria a realizar em moeda física parte de seus investimentos financeiros, que ele próprio diz estarem em bitcoins e outras criptomoedas.

Em reportagem da Bloomberg, reproduzida pelo O Globo, ontem, diz-se que o Bitcoin, a criptomoeda mais transacionada, e o Ether caíram mais de 50% desde seus recordes no final do ano passado.

Portanto, estender ou mesmo cancelar a compra, valendo-se do argumento de que as contas falsas estariam inflando o número de usuários do Twitter pode ser uma chicana para evitar ter de se desfazer de seus ativos virtuais de criptomoedas em meio a uma forte baixa, usando, ele próprio de fakenews como justificativa.

A legião de bots bolsonaristas, que já andava de orelhas murchas por Musk ter dito que concordava com alguns mecanismo de checagem de postagens, agora sofre um duplo revés, porque chama a atenção para o fato de que os “fabricadores de perfil” servem como fator de perda de valor para as redes sociais. Ou, pelo menos, como alegação de que valem menos.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.