Queda na produção industrial mostra fraqueza do “agora a coisa vai”

A queda de 1,1% na produção industrial brasileira veio acima das previsões do mercado, que já não eram boas: 0,8% de retração.

O pior, porém, é que se trata da segunda queda mensal da produção desde o pico de 2019, em setembro.

Não se ache que o problema é sazonal (ficamos 1,2% abaixo de dezembro de 2018) ou localizado: 17 dos 26 ramos industriais pesquisados mostraram redução na produção.

O “agora a coisa vai” que se sustentou com o voo de galinha da liberação do FGTS e do PIS, ao que tudo indica, já murchou. Onde a coisa “bomba”, apenas, é no mercado financeiro, com uma corrida da classe média alta à bolsa, deixando de lado os investimentos em renda fixa, que viraram negativos.

E tendem a virar mais, com a sinalização de que o BC vai reduzir os juros da Taxa Selic a um patamar menor que a inflação a ser divulgada na sexta-feira.

O mundo real, cedo ou tarde, vai chamar a jogatina à realidade.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

23 respostas

  1. Será que quando o crack acontecer as pessoas vão começar a pular das janelas dos prédios da Faria Lima, Paulista e Berrini? Vou até lá só pra ficar gritando: “Pula! Pula! Pula!”

      1. Não existem mais os “industriais” brasileiros. O que há são executivos ou CEOs que reinvestem o lucro em outros negócios, de preferência na bolsa, mas dificilmente na indústria. A desculpa era o gasto do governo e veio o teto de gastos. Depois, era a previdência e veio a reforma. Próxima desculpa deles será o reforma tributária. Depois a reforma administrativa e, depois que nada disso resolver, vão dizer, na maior cara de pau, que falta investimento estatal. Porra nenhuma, eles não têm interesse em investir enquanto houver lucro garantido. Tomara que o choque de realidade (crash) venha logo.

    1. Essa gente não pula. Para pular, além do desespero é preciso ter vergonha e remorso. Isso eles não tem. O que eles tem de sobra é ganância e ódio.
      É mais fácil esta gente provocar muitos tiroteios, causando massacres. Espero que não aconteça mas, se é para fazer isto, que o façam dentro das bolsas de valores, onde a chance de matar inocentes é muito menor.

  2. E a fiesp comemora o governo bolsonaro. Dá para entender…?
    A tara golpista destes senhores é maior do que o prejuízo no bolso e a destruição do país.
    Que golpe, que desgraça!

    1. A FIESP representa qualquer coisa, menos a indústria. Aquelas que são de fundo de quintal, menos ainda.

  3. Os argentinos tiveram uma boa/ruim notícia,morreu o sabujo yanquee que fazía o papel de moro no circo de lawfare montado lá pelo império.( “juíz” Bonadío)
    Boa porque mostra aos canalhas que eles também morrem,ruim porque se leva ao túmulo um monte de segredos da quadrilha entreguista que afundou com Argentina os últimos 4 anos.
    Que em paz ,—-NÃO— descanse.

    1. Dê uma olhada na série Nisman da Netflix, é sobre parte do circo do lawfare contra Cristina.

  4. Caro Brito, existe algo muito importante e comprometedor , para a lava jato, que não está sequer ocupando uma nota de rodapé nos jornalões, o acordo de leniência da Odebrecht. Nitroglicerina pura e acredito, deveria ser bem divulgado.

  5. Prefiro investir meus parcos reais na Poupança que na Bolsa desses tubarões internacionais.
    Receber 1, 2 ou 3% abaixo da inflação é nada perto do tombo que virá na Bolsa.

    1. E vai ter tombo, supertombo. Só estão esperando passar os papéis podres para a classe média e para os fundos de previdência.

  6. Vamos ficar sem indústrias, e sem gente capacitada para trabalhar na indústria. Até para montar fábrica de refrigerante será necessário vir gente de fora do país. E talvez ainda tenhamos neste governo uma gorda, expressiva e impagável dívida externa em dólares americanos. Porque isso ainda não aconteceu? Maldito seja o PT que fez esta grande meta liberal-entreguista ficar tão difícil de ser atingida!

    1. Lembrando que, um dos objetivos de Guedes (e do filhote do Bob Fields), ainda é, a liberação de contas bancárias em dólares para brasileiros.
      Não vai faltar muito e, com a acelerada redução das reservas internacionais, teremos a velha economia dolarizada que tanto nos assombrou, por duas décadas.

  7. O gráfico mostra o último ano do governo Lula com 10,2 de crescimento.

    Depois do Lula, só desgraça, inclusive com a Dilma.

    prova que os industriais brasileiros são um idiotas, imbecis e energúmenos, pois foram eles e sua FIESP os principais responsáveis pelo patrocinio, perseguição e prisão do Lula, o MELHOR PRESIDENTE QUE ELES TIVERAM NA HISTÓRIA.
    IDIOTAS, cavaram a própria cova e levaram junto o país só para sugarem o máximo dos trabalhadores.
    POVO SEM RENDA NÃO CONSOME.

  8. E a FIESP celebrando Bolsonoro? É pra rir ou pra chorar? E a “elite” comemorando a Bolsa? Estou louca ou sonhando? E esse povinho inculto e indecente falando mal de Petra Costa e seu documentário? Estou viva ou já morri?

    1. Estamos todos vivos.
      Os rentistas da FIESP bateram palmas pros milicos. Eles bancaram a derrubada de Dilma, a prisão de Lula, Bostonaro e o mais importante, a volta do país a condição de quintal dos Istaduszunidos…E também da França, Alemanha, Noruega, Inglaterra…

  9. “O mundo real, cedo ou tarde, vai chamar a jogatina à realidade”
    É por isso que “o mercado” está pressionando por mais redução dos juros.
    Como a bolsa acumulou alta incompatível com a realidade, portanto, bolha, a turma da grana alta (“o mercado”) necessita que a classe média e os fundos de pensão comprem suas bombas para que eles realizem os ganhos irreais na bolsa.
    É o velho esquema Telexfree. Os espertos chegam no início e saem do esquema com os bolsos cheios de dinheiro dos incautos que chegam depois.
    Nesse caso, o papel do Bacen é tanger a boiada dos fundos de renda fixa para a bolsa.

  10. Não vai demorar nada, os Bolsominiuns vão sair sair desesperados batendo penela, mas não é politicagem não.Será falta do que por na panela pra cozinhar e comer. Aguardem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *