Quem pode ser liberal na economia agarrado ao um Estado fascista?

A ação contra o jornalista Glenn Greenwald, embora provavelmente vá ser rejeitada pela Justiça e não prospere – atualmente, nunca se sabe se absurdos serão mesmo travados – é mais lenha no desgaste internacional do Brasil.

Muito embora a nossa grande imprensa, sempre tolerante (quando não raro servil) a tudo o que diga respeito a Sergio Moro, o ataque a um jornalista de renome mundial por seu trabalho, atropelando inclusive uma ordem do Supremo Tribunal Federal, tem consequências.

Já está tendo, aliás, com grandes coberturas em jornais estrangeiros, como o The New York Times, The Guardian e The Washington Post. Este último diz que “o caso é visto como um teste para a liberdade de jornalistas sob Bolsonaro, um ex-oficial militar de direita eleito no ano passado, apelando ao nacionalismo, homofobia, nostalgia da ditadura militar anterior do Brasil e atacando a mídia”.

Já estávamos na berlinda mundial pela questão ecológica, pela discriminação a minorias, pela tênebra de ideias fascistas e, agora, entramos na seara da liberdade de imprensa.

Pode parecer bobagem na cabeça de nossa elite dirigente, mas o mundo – inclusive o dos negócios – depende hoje do cumprimento de certas convenções.

Um estado policial não tem como deixar de ser um pária no mundo.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email