Quem quiser acreditar na conversão de um canalha, acredite

A menos para quem quiser acreditar que Sérgio Cabral andou passando por perto da goiabeira da Ministra Damares Alves, carece de sentido a epifania de honestidade que o ex-governador Sérgio Cabral anda exibindo em seus depoimentos. É como quando a Saulo caíram as escamas que lhe cegavam as vistas e veio a conversão?

O caráter de Sérgio Cabral bem o conhecem as pastilhas piso do banheiro do gabinete da presidência da Assembléia Legislativa que presidia, quando não estava demagogicamente promovendo os seus “Bailes da Terceira Idade”. Suas história sempre foi a de negócios, alianças e traições: a Marcello Alencar, a Anthony Garotinho, a Lula e Dilma.

Sei bem da figura, que comandou a torpe tentativa de rejeitar as contas do governo Brizola.

Agora tira esta “onda” de, coitado, “viciado em dinheiro e poder”. Nada foi ao acaso e a sociedade com Regis Fitchner vem daqueles tempos, quando o escolheu para ser o procurador da Assembléia e, depois, o colocou com seu suplente no Senado.

Cabral, como em tudo o que fez em sua carreira política, está fazendo negócio. Condenado a quase dois séculos de cadeia, a caminho de perder a fortuna em que se enlameou, está se valendo do único capital que lhe resta: a língua, para acusar. Pouco importa quem, culpado ou inocente, cair no seu “alívio verbal”, desde que haja alguma contrapartida.

Sair de Bangu 8, onde está, será só a primeira delas. Outras virão, com o tempo, dependendo do que mais falar.

É quase aberto que sobrará para um ministro do Supremo.

Duvido que Cabral tenha cacife para mexer com quem está mais perto do céu que o Cardeal Orani Tempesta.

Se um dia quiserem um exemplo de canalha, poucos servirão tanto quanto Sérgio Cabral Filho.

 

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

13 respostas

  1. O juiz Bretas é evangélico, assim como os que decidem na nova ordem política nacional, do planalto à lavajato.
    Sérgio Cabral é um canalha, realmente!

  2. Ele deve estar preparando a delação a la Palocci para sair da prisao.
    Vamos aguardar ele delatar que as propinas que ele enfiava a mao, uma parte ele mandava pra Lula ou Dilma, com a certeza que não precisará provar. Isto para alegria da malandragem que sabem que a cada dia que passa o povo fica mais atento da injustiça que se cometeu e continuam a cometer contra Lula.

  3. Se ele quiser se livrar das acusações é só envolver Lula e Dilma nas suas maracutaias. Isto valeu pra livrar a cara de outros bandidos tipo Léo Pinheiro e Paulo Roberto Costa. Olha que o blogueiro imundo Josias de Souza já insinuou isto hoje no UOL.

    1. Mas essa é a lógica. É o tal de “isso não serve; fala alguma coisa do Lula”. Pronto. As portas se abrem, como na história infantil.

    2. Livrou o Léo Pinheiro e também o José Aldemário Pinheiro Filho. Os dois falaram quase a mesma coisa.

  4. Só me permito discordar da última frase, Sr. Brito, já que pusilanimidade é um esporte nacional. Meu sincero candidato a exemplo é J. Dias Toffoli, mas o ex-financista A. Palocci corre por fora. E há muitos candidatos verdadeiramente preparados ao posto. Curitiba, por exemplo, tem uma candidatura fortíssima, pode surpreender.

  5. Sérgio Cabral é isso que o editor do blog relatou. Mas que esse Dom Orani não é lá flor que se cheire, as mesmas pastilhas de piso citadas na matéria, assim como as pedras portuguesas das calçadas cariocas – sempre irregulares e cheias de buracos – o sabem muito bem. Não podemos nos esquecer dos convescotes desse arcebispo com ‘MT’ e com o Bozo-pai. Como o sub-moro que julga o ex-governador é das hostes evangélico-pentecostais, em que proliferam canalhas tão ou mais perigosos que na igreja sediada em Roma, fica claro que os dois bandidos, o hoje preso e o togado que o julga, estão fazendo negócios.

  6. A rádio corredor está dando notícia de que Cabral vai prá cima de um ministro do STF. Por outro lado, o ministro Gilmar Mendes disse que um dos seus colegas está sendo chantageado. Cabral era político do Rio de Janeiro. Que eu saiba tem no no mínimo 3 ministros cariocas no STF. O Marco Aurélio eu tenho certeza que não é. Agora, quanto aos outros dois – ambos detestáveis – tem um que é bem suspeito. Então fala Cabral que eu te escuto.

  7. Se fizerem uma lista dos principais canalhas, o dono da Guantánamo de Curitiba é líder absoluto.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *