Reabertura: já combinaram com o vírus?

Antes da partida entre Brasil e União Soviética, na Copa de 1958, o técnico Vicente Feola expôs aos jogadores jogadas táticas que, infalivelmente, levariam nosso escrete a marcar gols. Foi interrompido pela genial simplicidade de Mané Garrinha: “seu Feola, o senhor combinou isso com os russos?”

A história, evocada ontem por Otávio Guedes, durante um dos programa da Globonews remete diretamente aos “planos” de reabertura do comércio e de outras atividades defendidos agora não só pelo Governo Federal, mas por diversos estados e municípios: claro que faltou combinar com o vírus.

Isso já está em marcha, e batida. O Estadão apura que 43 shoppings, quase 10% dos centros comerciais deste tipo, estão abertos e, por toda a parte, as portas de metal, antes fechadas ou semicerradas, escancaram-se quase sem pudor.

A pressão, como se vem dizendo há dias aqui, é imensa: em O Globo, secretários de Fazenda admitem que podem atrasar salários do funcionalismo. E, entre eles, estão os da Saúde e os que lhes dão suporte.

Os tecnocratas, com todo o respeito, nada entendem de dinâmica social. Acham que podem definir coisas em planilhas e portarias e elas acontecerão como está no papel.

Desconsideram que a população está confusa, recebendo orientações antagônica e se encontra pressionada, econômica e psicologicamente por tudo o o que está acontecendo: empregos perdidos, renda que cessou, angústias de solidão, tudo conspirando que, para nos primeiros exemplos, acontecer um “arrastão”para as ruas.

Com tudo o que isso significa de volta, também, à superlotação dos transportes, às aglomeração nas estações de metrô, trens e BRT.

A Organização Mundial de Saúde – aquela que o nosso chanceler jura ser agente comunista chinesa – não à toa advertiu que a América Latina está caminhando para ser o novo centro da pandemia.

Não dá para tratar disso como um “isentão”. Não dá para dizer que “se piorar, a gente volta a fechar”, como se vidas humanas fossem água a escorrer de um torneira para o ralo.

Deter a doença depois de ampliar o nível de sua disseminação pode ser mais que inviável, pode ser caótico.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

7 respostas

  1. Todos os culpados pelo genocídio mundial serão cobrados, não pela lei dos homens, e sim pela lei Divina. Eu li que nos EUA fábricas (de produtos do dia a dia como comidas e tal…), muitas delas, se omitiram na prevenção do COVID. Sabem pq??? Pq no chão de fábrica 90% são imigrantes refugiados com salários abaixo da média … A maioria deles não sabem inglês e por isso nem sabiam que estavam ali pra morrerem…
    A vida para os líderes mundiais não valem nada.

    https://uploads.disquscdn.com/images/c140bec527899ae7a32e099a76b4e33bdbbb0313164a63390d2bf9b902915822.jpg

    1. Para os ultrarricos, a vida de qualquer ser – humano ou não – vale apenas o que lhe possa gerar em termos de mais riqueza.
      Ou seja, se você não está gerando dinheiro para eles, eles não consideram sua existência necessária ou desejável.

      Os 99,9% que estão perdendo uma batalha após a outra nessa guerra de extermínio foram convencidos, principalmente ao longo das últimas décadas, a se alinharem aos interesses e à mentalidade do 0,01% e contra seus próprios interesses e os de sua própria classe.

      O resultado é o que estamos vendo, e só tende a piorar.

  2. “O trabalho liberta” era o lema nos portões do inferno dos campos de extermínio nazistas. Até qdo?

  3. Vergonha das instituiç?es nacionais, pusilanimidade e falta de carater das pessoas que podem conter essa hemorrgia de ?tica. N?o há respeito pelas pessoas mas fé cega no deus mercado. O remédio será muito amargo mas espera- se que o povo aprenda que escolher seus lideres é algo sagrado e que n?o permite vacilos e influencia de igrejas, patrões, milicias, poderosos de qualquer natureza.

  4. Roberto, eu nunca fui religioso, mas pasme! a política, a economia,a sociologia,a antropologia, a filosofia e.t.c me tornou religioso. Por que se for pensar bem, mas bem mesmo, nada faz sentido se não levar para espiritualidade, não se trata de acreditar ou não, todos os elementos da lógica levam a crer que uma estranha força controla as coisas no sentido de corromper as pessoas, testar o caráter e que essa força só cresce a partir da fraqueza dos homens. E quando a fraqeza de caráter se manifesta em massa (caso do brasil) algo terrível se anuncia. Deus tenha piedade de nós.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *