Rumo ao PIB zero – 2: BC vê retração de 0,47% na economia em abril

O Indicador de Atividade Econômica do Banco Central registrou a quarta queda seguida da economia.

E alta, menos 0,47%, o dobro das expectativas do mercado de capitais.

É uma péssima notícia inaugural para as contas do segundo trimestre, sem que nenhuma reação sensível tenha se operado em maio, que só terá um alívio estatístico por comparação com maio de 2018, o mês da greve dos caminhoneiros, como você vê no gráfico. Alívio que será “pago” no indicador de junho, quando o fim da greve tirou produção e consumo da represa dos piquetes nas estradas.

Na comparação dos quadrimestres de janeiro a abril dos dois anos, o resultado já é zero. 0,06% de crescimento, para ser preciso.

Há um mês, o crescimento era de 0,23%.

Sem mudança na política econômica, o PIB Zero não é uma projeção, é uma fatalidade.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

5 respostas

  1. Irresponsável esse desgoverno. Destroem a economia, a infraestrutura, os empregos, a grande obra de Getúlio, para os EUA nos domesticarem e usarem contra a Rússia e a China

    1. É geopolítica, trata-se de uma guerra híbrida.

      Digo sempre aos que são céticos sobre a idoneidade de Lula, que o motivo da prisão não é porque ele roubou (pessoalmente, acho que não), até porque outros que roubaram continuam soltos. Ele está preso por interesses geopolíticos (Lula tinha uma política de aproximação no BRICS).

      1. Também acho isso. Ainda mais depois daquela mensagem do Dallagnol: “…depende de articulação com os americanos”, vai ficando explicito, que a operação Lavajato tem dedo, mão e braço inteiro dos órgãos de Inteligencia americanos. Aliás, de todo uma geopolitica de transformar a América Latina em colônia americana. Até tentaram na Venezuela, com o Guaidó, mas a Russia botou areia na jogada……

  2. Para os zumbis a culpa é do PETÊ, da Dilma, do Lula, do Brizola, do Jango, do Getúlio, do Barão de Mauá………… Só não é dos golpistas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *