Se Bolsonaro pudesse, Queiroga seria o próximo ex-ministro

 

Frouxo, falso, escorregadio, contraditório, omisso e pusilânime.

Nem esta vasta lista descreve bem o comportamento – talvez mais o caráter – o ministro da Saúde Marcelo Queiroga.

Não sabe quantas vacinas tem, acha que a China gosta de ser xingada por Bolsonaro e que “união nacional” evita a transmissão do vírus.

Nem na sua casa alguém acredita que, com um ano e dois meses de pandemia, ele não saiba dizer se deve ou não prescrever cloroquina a quem tenha sido infectado pelo vírus. Ou que possa falar em “isolamento social” sem adotar medidas restritivas à circulação de pessoas.

Aliás deve ser horroroso chegar em casa e ver no rosto dos familiares o ar de piedade, em lugar do de orgulho.

Quando você tem de dar muitas explicações em casa, costumo dizer que a situação está bem ruim.

Mas seria pior sair dali e ter de encontrar-se com Bolsonaro e enfrentar o ar de reprovação do presidente.

Porque também Bolsonaro experimentou uma enorme decepção com um ministro que não teve coragem de defendê-lo, nem na cloroquina nem na oposição a medidas sanitárias de Estados e Municípios.

Aliás, é bom que o tal protocolo do Ministério da Saúde que Queiroga prometeu não saia, porque se sair sem recomendar cloroquina será uma punhalada no chefe.

A favor de Queiroga, só há o fato de não haver na praça muita gente que possa atender melhor ao papel que Bolsonaro espere possa ser desempenhado por um ministro da Saúde um governo da morte.

O último que quis encarnar a função está aí, correndo como um rato que deseja escapar pelos cantos.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *