Se estamos em risco de apagão, por que não reativar horário de verão?

Jair Bolsonaro, ontem, em mais um dos espetáculos de primarismo de suas lives, tentou justificar o salto nas tarifas de energia (que pularam, de uma só vez, para a “bandeira vermelha 2” (aumento de R$ 6 a cada 100 kwh consumido) em razão do baixo nível dos reservatórios do Sudeste, Centro Oeste e Nordeste, em média com apenas 15% do armazenamento de água em suas represas.

Primário como é, ficou naquela cantilena do “apague uma luz em casa” e “tome banho um pouco mais rápido”.

Bem, se pequenas diferenças podem ajudar, é o caso de lembrar que Jair Bolsonaro acabou com o horário de verão, sob o argumento de que a economia que este proporcionava era pouca (e, de fato, caiu para algo em torno de 2 a 3% nos últimos anos em que foi adotado).

Mas se o pouco, agora, faz diferença, ao ponto de se pedir que o cidadão se prive de esfregar as orelhas no banho e não acenda a luz da árvore de natal, porque não voltar a adotá-lo, imediatamente?

Ah, mas economia de energia não traz caixa para as empresas, ainda mais quando o seu nível de investimento é baixíssimo e, por anos, competiu ao Estado bancar a construção de usinas para, depois, entregá-las à exploração privada.

Como já anunciou que pretende fazer com a própria Eletrobras, privatizando-a.

O problema do sistema elétrico brasileiro é que, desde o governo Dilma, abandonou-se todo o programa de expansão da produção de energia e, mesmo crescendo pouco (ou até encolhendo, como neste ano de pandemia) nossa capacidade geradora não tem a folga necessária para fazer frente a desarranjos climáticos que façam escassear a chuva.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Uma resposta

  1. Interessante… teremos muitos Bosomínions deixando de lavar “as partes” para economizar água, luz, sabonete…
    Queriam tanto um Brasil Cheiroso e Perfumado!
    Arregaça Bosó!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.