Sergio Ricardo, o que nunca quebrou o violão

É uma tremenda injustiça identificar-se o compositor, cantor, ator, diretor e pintor Sérgio Ricardo como o “cara que quebrou o violão”. Naqueles festivais dos anos 60, não foi diferente para nenhum dos hoje “monstros sagrados” da música, vaiados como ele: Chico Buarque, tímido, ouviu quieto Sabiá, dele e de Tom Jobim, ser estrepitosamente apupada; Caetano Veloso bateu boca com a plateia que urrava contra o seu É proibido proibir.

Sérgio só puxou a fila com seu Beto Bom de Bola, uma alegoria inspirada no drama de Mané Garrincha – “Contusão, esquecimento/Glória não perdura/Mas,/Se por um lado o bem se acaba/O mal também tem cura.

Guardo várias recordações de Sérgio Ricardo, a primeira delas a da sua Noite do Espantalho, um rebrote do Deus e o Diabo na Terra do Sol, em que ele e Glauber Rocha, além do filme histórico, nos trouxeram de volta de Antônio Conselheiro e Euclides da Cunha, no sertão que vira mar e o mar que vira sertão e o brado de Corisco, que não se entrega, não, “que não é passarinho pra viver lá na prisão”. Na “Noite”, Ricardo entregou ao Brasil o jovem Alceu Valença, que dominava a cena com seus longos cabelos e sua voz inconfundível.

Depois, em 77, na faculdade, ele topou vir fazer um show com que íamos reabrir o pequeno Teatro de Arena da Faculdade de Economia. Íamos, mas a polícia (a da universidade mesmo, vejam só) proibiu. E lá foi Sérgio cantar numa cadeira posta sobre o balcão do “Moscão”, um decadente bar dentro do campus da Praia Vermelha, descumprindo o conselho que dava em Calabouço, que reproduzo ao final e que nós, jovens, enchíamos os pulmões para emendar da censura o verso para “olha um brasileiro de alma vazia”.

Um de meus colegas daquele tempo, para sempre um amigo, lembra que Sérgio batia uma moeda numa caneca ou copo, para lembrar da pobreza do povo brasileiro.

A última vez que estive com ele foi pouco tempo depois. É que Sérgio tinha uma casa no Morro do Vidigal ( foi lá que uma colega o havia convidado para nosso show mambembe) e, quando João Paulo II veio ao Brasil em 1980, muitos jornalistas fomos nos esconder por lá, na esperança de driblar o esquema de segurança da Polícia Federal e cobrir de perto a passagem do Papa pela favela. Claro que não funcionou e o último a ser descoberto e conduzido morro abaixo, sob os aplausos dos colegas, foi o querido Alberto Jacob, de O Globo, mestre de muitos focas como eu.

Se não valeu para driblar os meganhas, serviu para uma noite de música e alegria com Sérgio e seu vozeirão e para perceber a amizade de irmão que tinha com os moradores, que tinha defendido de uma tentativa de remoção em 1977.

Desta harmonia nasceu seu último filme, Bandeira dos Retalhos, contando a história de um povo que ele nunca largou, com o violão que ele nunca quebrou e a coragem que ele nunca perdeu.

 

Calabouço

Olho aberto ouvido atento
E a cabeça no lugar
Cala a boca moço, cala a boca moço
Do canto da boca escorre
Metade do meu cantar
Cala a boca, moço, cala a boca, moço
Eis o lixo do meu canto
Que é permitido escutar
Cala a boca, moço. Cala!

Olha o vazio nas almas
Olha um violeiro de alma vazia

Cerradas portas do mundo
Cala a boca, moço
E decepada a canção
Cala a boca, moço
Metade com sete chaves
Cala a boca, moço
Nas grades do meu porão
Cala a boca, moço
A outra se gangrenando
Cala a boca, moço
Na chaga do meu refrão
Cala a boca, moço
Cala o peito, cala o beiço
Calabouço, calabouço

Olha o vazio nas almas
Olha um violeiro de alma vazia

Mulata mula mulambo
Milícia morte e mourão
Cala a boca, moço, cala a boca, moço
Onde amarro a meia espera
Cercada de assombração
Cala a boca, moço, cala a boca, moço
Seu meio corpo apoiado
Na muleta da canção
Cala a boca, moço. Cala!

Olha o vazio nas almas
Olha um violeiro de alma vazia

Meia dor, meia alegria
Cala a boca, moço
Nem rosa nem flor, botão
Cala a boca, moço
Meio pavor, meia euforia
Cala a boca, moço
Meia cama, meio caixão
Cala a boca, moço
Da cana caiana eu canto
Cala a boca, moço
Só o bagaço da canção
Cala a boca, moço
Cala o peito, cala o beiço
Calabouço, calabouço

Olha o vazio nas almas
Olha um violeiro de alma vazia

As paredes de um inseto
Me vestem como a um cabide
Cala a boca, moço, cala a boca, moço
E na lama de seu corpo
Vou por onde ele decide
Cala a boca, moço, cala a boca, moço
Metade se esverdeando
No limbo do meu revide
Cala a boca, moço. Fala!

Olha o vazio nas almas
Olha um violeiro de alma vazia

Quem canta traz um motivo
Cala a boca, moço
Que se explica no cantar
Cala a boca, moço
Meu canto é filho de Aquiles
Cala a boca, moço
Também tem seu calcanhar
Cala a boca moço
Por isso o verso é a bílis
Cala a boca, moço
Do que eu queria explicar
Cala a boca, moço
Cala o peito, cala o beiço
Calabouço, calabouço

Olha o vazio nas almas
Olha um brasileiro de alma vazia.

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

6 respostas

  1. Primeiro Aldir, agora o “turco”. Que Chico, Caetano, Milton e João Bosco se acautelem. Quanto tempo até a Covid-19 acabar com o que a música popular brasileira produziu de mais qualidade…?

  2. Assisti pela tupi quando menino. Acreditava que o Beto era um carinha do bairro carmo sion que jogou no galo…

  3. Estava assistindo um programa em homenagem a Sérgio Ricardo e repetiu aquela cena do violão quebrado, o que me proporcionou um insight surreal. Diante daquelas músicas fantásticas, de artistas notáveis, daquele momento histórico, havia algo sombrio. Ali, naquela platéia, já estava estampado o Brasil que vemos hoje: ignorância, desrespeito, falta de educação, grosseria, agressividade, tudo isso em níveis absurdos. Aquela face do Brasil ficou travestida por muito tempo, mas hoje está claramente revelada.

  4. Estava assistindo um programa em homenagem a Sérgio Ricardo e repetiu aquela cena do violão quebrado, o que me proporcionou um insight surreal. Diante daquelas músicas fantásticas, de artistas notáveis, daquele momento histórico, havia algo sombrio. Ali, naquela platéia, já estava estampado o Brasil que vemos hoje: ignorância, desrespeito, falta de educação, grosseria, agressividade, tudo isso em níveis absurdos. Aquela face do Brasil ficou travestida por muito tempo, mas hoje está claramente revelada.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.