Setor de serviços patina e deve piorar projeção do PIB

O resultado decepcionante da atividade do setor de serviços – responsável por 70% do Produto Interno Bruto brasileiro – em julho deve piorar as previsões já sombrias do desempenho da economia brasileira.

O crescimento de 2,6% em volume e de 1,4% em receita de junho para julho é, literalmente, nada, porque deu-se sobre um desempenho extremamente baixo.

Os serviços prestados às famílias, inclusive, voltaram a mostrar queda, e forte (-3,9%) e a perda sobre julho de 2019 chega a 55%. Ou seja, caiu a menos da metade.

É oior, até, que perda do setor de transportes aéreos (-51,4%).

Nos serviços, há menos influência do auxílio emergencial, que se expressa mais fortemente nos setores do comércio de alimentos e de artigos domésticos.

Segundo a agência Reuters, o gerente da pesquisa do IBGE, Rodrigo Lobo diz que “o setor de serviços ainda se encontra 12,5% abaixo de fevereiro de 2020 e a 22,2% do pico”, alcançado em novembro de 2014. Ele afirma que, para retornar ao nível de fevereiro deste ano, o setor de serviços teria de crescer 14,3%, e o subgrupo dos serviços prestados as famílias precisariam avançar 130,5%.

No acumulado de sete meses de 2020, a queda está em 8,9 e cairá ainda mais, à medida que entrem novos meses mais fracos que janeiro. fevereiro e março, que tiveram perdas bem menores, uma vez que a pandemia “bateu” forte apenas nas duas últimas semana de março.

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *